Sistemas de Bombeamento - Prof. Villar
238 pág.

Sistemas de Bombeamento - Prof. Villar


DisciplinaMáquinas de Fluxo470 materiais3.635 seguidores
Pré-visualização50 páginas
São de tamanho reduzido comparado com a potência gerada. Utilizadas na indústria 
aeronáutica, em motores marinhos e trens de alta velocidade. Apresentam alto torque e são silenciosas. 
 
1.5 Bombas Hidráulicas 
 
 Bombas são máquinas utilizadas para transporte de líquidos. São máquinas de fluxo semelhantes aos 
ventiladores. A designação corrente no meio profissional discrimina bombas de ventiladores de acordo com 
o fluido de trabalho. As bombas promovem o deslocamento de líquidos, os ventiladores propiciam a 
movimentação de gases, ambos transferindo energia a estes fluidos de trabalho. As turbinas hidráulicas 
retiram energia do fluido de trabalho. As bombas classificam-se como turbobombas e volumétricas. 
 
 
Rotor
aberto
semi-aberto
fechado
Aspiração simples
Aspiração dupla
Radiais
(centrífugas)
Pás
fixas
variáveis
Rotor
aberto
fechado
Axias e Mistas
Turbobombas
 
 
 
 
Pistão Diafragma
Alternativas
Palhetas Lóbulos Engrenagem Parafuso
Rotativas
Bombas Volumétricas
 
 
Figura 1.7 Classificação de bombas hidráulicas 
 
 
 
 
Sistemas Fluidomecânicos 
 
PUCRS 1-10 
1.6 Bombas Volumétricas 
1.6.1 Bombas de Deslocamento Positivo 
 
Estas bombas são empregadas para trabalhar com altas pressões. A descarga do fluido é pulsante. No 
seu movimento o êmbolo se afasta do cabeçote provocando a aspiração do fluido através de uma válvula de 
admissão. Na etapa de retorno o fluido é comprimido obrigando o fluido a sair pela válvula de descarga. Seu 
funcionamento é pulsante já que o fluido fica confinado no cilindro durante a aspiração. Estas bombas 
podem ter um ou vários cilindros. A pulsação diminui conforme aumenta o número de cilindros. 
1.6.2 Bombas Rotativas 
 
Operam pela ação um rotor. Diferentemente das bombas de descolamento positivo estas não 
apresentam válvulas que permitam controlar o fluido na aspiração e na descarga. Podem trabalhar com 
líquidos muito viscosos e com sólidos em suspensão. Conseguem atingir pressões muito elevadas até de 
3500 mca. Podem transportar fluidos tais como graxas, óleos vegetais e minerais, melaço, tintas e vernizes, 
argamassas e outros. 
 
( a ) Bomba de Engrenagem 
A Fig. 1.8 mostra o funcionamento típico de uma bomba de engrenagem. As rodas dentadas trabalham no 
interior da carcaça com mínima folga. O fluido confinado é deslocado pelos dentes e forçado a sair pela 
tubulação de descarga. Para uma determinada rotação a descarga e a pressão são praticamente constantes. 
 
Figura 1.8 Bomba de Engrenagem 
 
( b ) Bombas de Lóbulos 
As bombas de lóbulos (Fig.1.9) são mais apropriadas para mover e comprimir gases, sendo utilizadas para 
movimentar líquidos viscosos. Existe um lóbulo motor e outro livre montados ortogonalmente. A bolsa de 
líquido aprisionada na sução é conduzida até o recalque. 
 
 
Figura 1.9 Bombas de Lóbulos 
 
( c ) Bombas de Palhetas 
As bombas de palhetas (Fig.1.10) deslizantes tem palhetas radiais (4 a 8) que pela ação centrífuga deslocam-
se em direção a carcaça, sobre a qual deslizam. O rotor é montado excentricamente e sua velocidade é 
limitada a 300 rpm. para mover gases sendo utilizada também para bombeamento de líquidos. 
 
Figura 1.10 Bombas de Palhetas 
Capítulo 1: Introdução às Máquinas de Fluxo 
 
Jorge A. Villar Alé 1-11 
1.7 Turbobombas 
 
Nestas máquinas o fluido é aspirado pela boca de entrada até atingir o rotor denominado impulsor 
ou impelidor. O rotor conta com uma fileira de pás, lâminas, álabes, sendo envolvido por um corpo 
denominado voluta ou coletor em caracol. A voluta transforma a energia cinética adquirida pelo fluido ao 
passar pelo rotor em energia de pressão. O fluido abandona a bomba pela boca de saída denominada boca de 
recalque ou de descarga. Segundo o tipo de rotor podem ser radiais (bombas centrífugas) axiais (bombas 
axiais) ou mistas (bombas hélico-centrífugas). O rotor pode ser de simples aspiração ou de aspiração dupla o 
qual permite aumentar a vazão fornecida. Para aumentar a pressão as turbobombas podem ter vários estágios. 
Os rotores podem ser fechados, abertos semi-abertos. Podem transportar fluidos limpos ou com partículas em 
suspensão. 
 
 
 
Figura 1.11 Tipos bombas hidráulicas 
 
 
 
 
 
Figura 1.12 ( a ) Rotor de bomba centrífuga ( b ) Corte de Voluta ( c ) Corte rotor com dupla aspiração 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 1.13 ( a ) Bomba centrífuga e ( b ) Bomba axial 
Sistemas Fluidomecânicos 
 
PUCRS 1-12 
1.7.1 Bombas Centrífugas 
 
As bombas centrífugas são amplamente utilizadas na indústria de processos químicos. Apresentam 
capacidade de 0,5 m3/h até 20.000 m3/h e trabalham com alturas manométricas entre 1,5 a 5000 mca (metros 
de coluna de água). Caracterizam-se por ausência de pulsação em serviço contínuo. Apresentam um rotor 
com pás montado em um eixo girando no interior da carcaça. O fluido chega ao centro do rotor através de 
uma boca de aspiração sendo forçado através de pás do rotor para a periferia onde atinge uma velocidade 
elevada. Saindo da ponta das pás o líquido passa para a voluta onde ocorre a transformação da energia 
cinética em energia de pressão. 
 
 
Figura 1.14 Componentes de bombas centrífugas 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 1.15 Detalhe de elementos de uma Bomba Centrífuga 
 
As bombas centrífugas podem trabahar com água limpa, água do mar, condensados, óleos com pressões até 
de 160 mca. e temperatura de até 1400C. Na indústria química e petroquímica podem ser utilizadas para 
trabalhar com água até 3000C e pressões de até 250 mca. Bombas de processo podem operar com 
temperaturas de até 4000C e pressões de até 450 mca. O material da carcaça depende do tipo de serviço. Para 
líquidos com temperatura de até 2500C utiliza-se ferro fundido. Para óleos soluções e produtos químicos 
com temperaturas de trabalha de até 4500C utiliza-se aço fundido. Para pressões elevadas (acima de 10 MPa) 
emprega-se aço forjado. Produtos químicos corrosivos requerem emprego de bronze, inox e em casos 
especiais vidro ou materiais plásticos. O alumínio é utilizado para bombear formol. O eixo da bomba 
centrífuga é fabricado de aço ou liga de alta resistência mecânica. Utiliza-se aço SAE 1035, SAE 4414, e 
SAE 2340, e ligas contendo 11 a 13 % de cromo. 
 
Capítulo 1: Introdução às Máquinas de Fluxo 
 
Jorge A. Villar Alé 1-13 
Os rotores das bombas centrífugas podem ser fechados ou abertos (Fig.1.16). Os rotores fechados 
têm paredes laterais minimizando o vazamento entre a aspiração e descarga. São utilizados para 
bombeamento de líquidos limpos. O rotor semi-aberto é fechado só na parte traseira. Os rotores abertos não 
apresentam paredes laterais. Ambos são utilizados para bombear líquidos viscosos ou contendo sólidos em 
suspensão. Os rotores de bombas são fundidos numa única peça, podendo ser de ferro fundido, bronze ou 
inox. Também são fabricados em material plástico ou borracha. 
 
 
 
Figura 1.16 Tipos de rotores de bombas centrífugas 
 
1.7.2 Bombas Axiais 
 
Os rotores axiais são utilizados para trabalhar com grandes vazões e pequenas alturas manométricas. 
Tipicamente 500 m3/h ou mais e alturas manométricas inferiores a 15mca. Operam com velocidade maiores 
que os radiais. Nos rotores de escoamento misto ou tipo turbina as pás tem curvatura dupla, (forma 
helicoidal) desta forma o escoamento é parcialmente axial e parcialmente radial. Operam com velocidades 
menores que os axiais. Trabalham tipicamente com capacidade acima de 20m3/h e altura manométrica até 30 
mca. 
 
 
 
 
 
Figura 1.17 Rotor de bomba axial e detalhe em corte de bomba axial