Astrologia Egípcia - François Suzzarini
201 pág.

Astrologia Egípcia - François Suzzarini


DisciplinaAstrologia611 materiais2.093 seguidores
Pré-visualização46 páginas
da vida. 
 
Os planetas 
Mercúrio (fluido neutro, agitação). 
Vênus (fluido linfático, atônico). 
Estes dois planetas são neutros ou benfazejos. 
Marte (fluido inflamatório, dilatação). 
Júpiter (fluido pletórico, apoplético). 
Saturno (fluido depressivo, atônico, crônico). 
Marte e Saturno são centros destruidores da vida. 
Cada planeta exerce a sua influência sem retenção sobre o indivíduo 
mas pode encontrar, no seu curso, a radiação de um outro planeta. 
Os Egípcios eram muito sensíveis a estas interações entre planetas. Em 
resumo: 
A influência de um luminoso, protetor da vida, sobrepõe-se à de um 
planeta destruidor, mas não mantém senão a sétima parte da sua 
influência benfazeja. Segundo a fórmula: Sol (ou Lua) oposto a Marte 
(ou a Saturno) não concede mais do que a sétima parte da sua influência 
benfazeja. 
Um planeta benfazejo, como Mercúrio, Júpiter ou Vênus, que se 
encontre com outro do mesmo tipo, reforça a sua própria influência com 
a do outro. 
Dois planetas destruidores que se encontrem no signo de 
nascimento de um indivíduo reforçam o seu poder destruidor e tomam-
se altamente nefastos. 
NOS NOSSOS DIAS 
 
Tal como a Terra, os planetas pertencem ao sistema solar. 
Deslocam-se no céu mas estão contidos numa faixa de 17 graus de arco, 
a eclíptica, que envolve a Terra como um cinto. 
Vimos que os astrólogos consideram dez planetas, dos quais, dois 
são luminosos: o Sol, a Lua, Marte, Mercúrio, Júpiter, Vênus, Saturno, 
Urano, Netuno e Plutão. 
Quais são as influências dos planetas sobre os seres humanos? 
Vamos passar em revista sete destes dez planetas (com efeito, o 
esquema astral de Toth não considera Urano, Netuno e Plutão que eram 
ainda desconhecidos nessa época), destacando particularmente as 
alterações que as suas influências provocam nos dados psicológicos já 
indicados pelos signos do zodíaco. 
O Sol 
 
O símbolo evidente é o fogo. Aos signos pertencentes ao elemento 
fogo, o Sol dará toda a sua significação (Áries, Leão e Sagitário). 
O Sol representa a força vital, a consciência e o ideal do homem. 
A sua influência empurra o homem para o heroísmo, a vontade 
livremente assumida, a grandeza de alma natural. Leva o homem ao 
êxito, às honras e à glória. Não nos iludamos: não é porque um 
indivíduo sofre a influência do Sol que tem êxito e alcançará, 
obrigatoriamente, 
as honras. Mas, em qualquer caso, sentirá nele a necessidade de ser 
bem sucedido, a sede de atingir as honras, mesmo que os meios ao seu 
dispor sejam insuficientes para alcançar essa meta. 
A psicologia, do solariano é secundária, exteriorizada e sociável. O 
sujeito possui o gosto pela autoridade e o seu ascendente natural sobre 
os outros é grande. 
O astro pode ser benfazejo ou nefasto. No segundo caso, levará aos 
defeitos, à ruína, às reações geralmente perigosas e espalhafatosas. 
 
O Sol em Áries: reforça os caracteres próprios deste signo. A 
natureza inovadora do Áries será reforçada com mais calor e 
entusiasmo. Dá mais generosidade, brilho, desenvoltura e alegria às 
iniciativas já dinâmicas e criadoras, próprias do signo. Acentua 
igualmente a vontade e a eficácia das ações do Áries. 
O Sol em Touro: dá o calor, a vida, o ideal e uma moralidade bem 
forte. O sujeito será mais consciencioso e atingirá mais depressa aquilo 
que deseja fazer na vida. 
O Sol em Gêmeos: dá ao sujeito o gosto da razão pela razão, a 
capacidade de discernir, de inventar e agir. 
O Sol em Câncer: dá ao astrólogo indicações mais precisas sobre o 
modo como o sujeito Câncer se inscreve na vida social e sobre o valor 
da sua moralidade. Mas, sobretudo, a presença do Sol no tema de um 
nativo de Câncer, cujo planeta no domicílio é a Lua, levará a conclusões 
precisas e interessantes sobre as relações do sujeito com o sexo oposto. 
O Sol em Leão: está no domicílio. O sujeito revelar-se-á 
extremamente autoritário e obstinado, mas sempre de uma perfeita 
cortesia. Exterioriza as suas idéias e sentimentos, comunicando os 
impulsos do coração. Retira-lhe toda a modéstia e reserva, estando 
destinado a seduzir, a brilhar, a conquistar. Leva o sujeito a valorizar-se, 
a rejeitar no seu inconsciente toda a feminilidade que ainda possa 
perceber em si. E mesmo o tipo do «matcho» dos nossos dias. Faz vistas 
largas e tem necessidade de desenvolver as situações para agir na 
grandeza, na ostentação e com dinamismo. Em resumo, o Sol não faz 
mais do que acentuar os traços característicos do caráter do nativo. 
O Sol em Virgem: exalta o sentimento do ego (eu) do sujeito, 
fazendo crescer a sua necessidade de se afirmar mas, em contrapartida, 
aumenta também o egocentrismo. 
 
O Sol em Libra: permitirá ao sujeito dominar um pouco melhor os 
seus instintos e as suas paixões mas, contudo, conservará o seu caloroso 
entusiasmo pela vida. 
 
O Sol em Escorpião: permite ao nativo exteriorizar-se mais 
facilmente mas não diminui, antes pelo contrário, a sua aversão a toda a 
autoridade. O Sol reforça o seu sentido de organização e permite-lhe 
gerar a poderosa energia e agressividade de que dispõe em abundância. 
 
O Sol em Sagitário: dá ao sujeito uma tendência para a expressão e 
para a centralização. O Sol, em harmonia com o signo, dá ao nativo uma 
faceta calorosa e brilhante, uma natureza vibrante, ardente e eficiente. 
 
O Sol em Capricórnio: confere ao sujeito muita ambição e um toque 
de calor humano, que ele não possui de sua própria natureza e que lhe 
permitirá facilitar consideravelmente os seus contactos com os outros. 
 
O Sol em Aquário: está no exílio e, por conseqüência, dá ao sujeito 
uma preocupação consigo próprio que ele de outro modo não teria. 
 
O Sol em Peixes: dá ao sujeito uma psicologia secundária que lhe 
permitirá não ceder ao primeiro impulso do coração e refletir antes de 
agir. O Sol disciplina e equilibra o indivíduo. 
 
 
A Lua 
 
Astro luminoso em geral benfazejo para o homem no domínio 
espiritual, o qual exalta e excita. 
A Lua age sobre a vida instintiva do indivíduo, sobre as suas 
tendências brutas, sobre o seu subconsciente. Aumenta a sensibilidade e 
dá à vida afetiva do indivíduo um toque de candura, simplicidade e de 
confiança em relação aos outros, que o leva a procurar o apoio do 
próximo, deixando-se ajudar e controlar. O sujeito que possui a Lua 
no seu signo terá tendência a afirmar a sua personalidade através da sua 
emotividade, das suas sensações, da sua profunda e rica vida psíquica. A 
Lua aumenta consideravelmente a vitalidade afetiva do sujeito. Na 
infância, ele já tinha o gosto pela leitura que preenche, com os sonhos, o 
seu desejo de evasão. A Lua conduz à aversão pela luta aberta, dando 
preferência à adaptação passiva. Psicologia primária, de tipo não ativo, 
mas sim emotivo. 
A Lua em Áries: dá uma grande tendência para o sentimentalismo. A 
influência de um astro luminoso reforça os impulsos, a instabilidade de 
caráter, a falta de realismo. Introduz uma faceta ingênua que poderá 
conduzir o sujeito a entusiasmos errados no campo sentimental. 
A Lua em Touro: reforça o lado feminino do sujeito, toma-o 
influenciável, embora aumentando o seu sentido criativo e imaginativo, 
a sua atividade produtiva. Leva igualmente ao apego à terra e ao campo. 
Confere naturalidade e simplicidade. 
A Lua em Gêmeos: dá características particularmente nervosas e 
instáveis, e mesmo caprichosas. Acentua no sujeito o horror às 
contrariedades, o gosto para viver o momento que passa, o capricho de 
seguir as vias do destino no momento em que elas se lhe apresentam. 
A Lua em Câncer: reforça os traços de caráter do indivíduo nativo, 
nomeadamente o poder do sonho, da imaginação e dos instintos. 
Confere-lhe uma psicologia primária e, por esse motivo, o sujeito cederá 
facilmente às primeiras impressões. Como a Lua tem tendência também 
para reforçar a