Astrologia Egípcia - François Suzzarini
201 pág.

Astrologia Egípcia - François Suzzarini


DisciplinaAstrologia611 materiais2.095 seguidores
Pré-visualização46 páginas
biorritmos conduzem ao estudo de três dos nossos estados 
essenciais, que são: 
1. O ritmo mental (eficiência intelectual) que será em média de 33 
dias; 
2. O ritmo físico (forma) que será de 23 dias; 
3. O ritmo emocional (força dos sentimentos motivadores) que 
será de 28 dias. 
Cada ritmo possui a sua própria curva, independente das dos outros 
ritmos. Os momentos mais positivos, excepcionalmente ricos para o 
indivíduo, serão aqueles que se situam no máximo atingido pelas três 
curvas simultaneamente. Estes momentos privilegiados são tão raros 
que não valerá a pena falar deles. 
O cálculo dos ciclos físico, emotivo e intelectual necessita do 
conhecimento da data exata de nascimento. A descoberta dos dias 
positivos e negativos nos três ciclos requer cálculos complexos que 
desanimam a maior parte das pessoas. Existem calculadoras de bolso 
que indicam as datas exatas dos ritmos e os dias excelentes, neutros ou 
críticos. 
Se tomarmos, por exemplo, o período de 23 dias do ritmo físico, 
notamos cinco estados em dente de serra: 
1. plenitude ascendente da forma física em dezesseis dias; 
2. má forma física em três dias; 
3. período neutro num dia; 
4. período crítico (quedas, acidentes musculares, etc...) em dois 
dias; 
5. período neutro num dia. E assim sucessivamente. 
 
 
Estes três ritmos afetam-nos pois no plano físico, intelectual e 
emotivo. Se não soubermos reconhecer os períodos favoráveis, se 
ignorarmos os nossos momentos de abatimento, se continuarmos a viver 
indiferentemente, ora possuídos por forças desconhecidas, ora 
deprimidos sob influência de pensamentos obscuros, seremos regidos 
por forças misteriosas, sofreremos o nosso destino, seremos sujeitos 
passivos dos nossos ritmos vitais. O ponteiro central do nosso relógio 
biológico não nos servirá de nada. 
Pelo contrário, se controlarmos os nossos períodos fortes, se 
notarmos os nossos momentos de tristeza, de depressão, de fadiga, se 
previrmos os nossos ritmos vitais, dirigiremos a nossa vida, 
permaneceremos ativos, atentos e conduziremos da melhor maneira os 
nossos ritmos biológicos físico, intelectual e emotivo. 
Bem entendido, não é questão de negar a existência deste fluxo e 
refluxo que nos agita como uma maré, mas é preciso prevê-los para os 
compreender e para agir nos bons momentos. Abster-nos-emos de 
qualquer ato importante nos maus períodos. Com um pouco de 
aplicação, poderemos mesmo prolongar os nossos períodos fecundos e 
do mesmo modo, atenuar a diferença de intensidade entre dois ciclos. 
Bastará transportar as tarefas difíceis para os momentos propícios, 
guardar para momentos desfavoráveis as obrigações agradáveis e os 
passatempos cujo absorvente interesse sustentará o ritmo enfraquecido. 
Eis a palavra-chave mencionada: o interesse! Este sentimento 
poderoso que desperta em nós logo que nos prendemos à realização de 
uma idéia, que nos invade pouco a pouco e que empurra todas as nossas 
ações para um mesmo fim \u2014 a concretização do nosso desejo. Durante 
todo o tempo que subsiste o interesse, sentimo-nos transportados para 
fora de nós próprios, saímos da nossa atitude egoísta para nos 
entregarmos sem reservas. Esta série de atos positivos coloca-nos na 
pista de um estado de entusiasmo que prolonga e engrandece o nosso 
ritmo biológico. 
Cada indivíduo, pelo seu temperamento pessoal, pela sua 
personalidade própria, não aproveita da mesma maneira os períodos 
positivos dos seus três ritmos. 
Certos temperamentos, aptos para o esforço progressivo mas de 
longa duração, não saberão adaptar-se a um ritmo físico favorável de 23 
dias, seguido de períodos negativos. Deverão aprender a estimular o seu 
interesse pela obra empreendida, mesmo que ela se prolongue por três 
ou quatro ciclos físicos completos. 
Outros, inclinados a produzirem um esforço breve mas violento, 
terão todo o interesse em colocar os seus esforços num período físico 
positivo. 
Cada um de nós pode conhecer as suas qualidades, a sua maneira de 
trabalhar, o grau das suas forças emocionais e sentimentais, graças ao 
seu signo astrológico de nascimento, graduado e afinado pelo signo do 
ascendente. Esta rubrica será objeto de um parágrafo próprio. 
Que horas são no seu relógio cósmico? 
 
Teste 
 
Responda sim ou não às seguintes perguntas: 
1. Vai de férias no Verão? 
2. Gostaria de trabalhar à noite? 
3. Sempre que pode, conduz de noite? 
4. Habitualmente, levanta-se às 3 ou 4 horas da manhã? 
5. Começa a trabalhar às 6 ou 7 horas da manhã? 
6. Toma os seus remédios de preferência às refeições, 
imediatamente antes, durante ou logo após? 
7. Pensa que a atividade sexual é mais intensa na Primavera? 
8. Pensa que a força muscular e as suas capacidades desportivas 
são melhores de manhã do que à tarde? 
9. Pensa que está mais apto a realizar cálculo mental às 13-14 
horas do que em qualquer outro momento do dia? 
10. Realiza com maior facilidade entre as 16 e as 19 horas as 
tarefas mais complexas que lhe são confiadas? 
11. Conhece o sentido da palavra «circadiano»? 
12. Conhece o sentido da palavra «circanual»? 
Resultados 
 
Marque dez pontos pelas respostas afirmativas às perguntas 1, 2, 3, 
5, 6, 7 e 8. Cinco pontos para as respostas afirmativas às perguntas 4, 11 
e 12. Cinco pontos, igualmente, para as respostas negativas às questões 
1, 2, 4 e 5. Dez pontos para as respostas negativas às perguntas 9 e 10. 
Ache o total da sua pontuação, tome nota dela cuidadosamente 
lendo a interpretação no texto que se segue. 
Interpretação 
 
Você somou vinte pontos. Bravo! Você é sincero e obedece 
instintivamente aos seus ritmos cósmicos. Se bem que não tenha muitas 
informações sobre o que é o seu relógio cósmico, inconscientemente 
você obedece-lhe colocando as suas ocupações principais sobre os 
ritmos vitais essenciais. 
Você totalizou entre vinte e trinta pontos. Você soube fazer uma 
escolha harmoniosa entre as suas obrigações e os seus ritmos cósmicos. 
Você somou entre trinta e quarenta pontos. Você tem repugnância 
em fazer certas coisas que vão ao encontro do seu relógio cósmico mas, 
na maioria dos casos, você não tem consciência dos ritmos que o regem. 
Você totalizou entre quarenta e cinqüenta pontos. Você sofre as 
contrariedades sócio-profissionais sem procurar seguir as suas 
disposições profundas. 
Você somou entre cinqüenta e cinqüenta e cinco pontos. Você vive 
em perfeita incoerência com o seu relógio cósmico e deve sofrer por 
isso sob a forma de diversas cargas, tanto físicas como psicológicas. 
Você não está suficientemente informado para vencer sozinho esse 
estado e deixa-se abalar pelos acontecimentos, pelo ambiente e pelas 
pressões sociais e profissionais. 
Para a maior parte das pessoas parece evidente que se deve dormir 
de noite e não de dia. Nunca pôs a si próprio a questão do fundamento 
de se trabalhar no Outono, Inverno e na Primavera e se descansar no 
Verão? Ou, ainda, de trabalhar em turnos (3 x 8 por exemplo), o que 
implica trabalhar à noite? 
Você certamente toma os seus medicamentos no momento das 
refeições. Nas grandes viagens de férias de Verão, por exemplo, parece-
lhe preferível conduzir de noite ou, pelo menos, a partir das 4 ou 5 da 
manhã. Na sua opinião, é uma evidência ou são idéias pré-concebidas, 
ou até mesmo preconceitos? Mas, em primeiro lugar, procedendo como 
você faz, dá-se conta do relógio cósmico que trabalha dentro de si? 
Nós estamos muitas vezes em contradição com os nossos ritmos 
cósmicos. Com efeito, não somos somente sensíveis às variações do 
som, da luz ou dos cheiros, mas também somos submetidos às in-
fluências ambientais. Por outro lado, as nossas funções não são 
constantes, variam no tempo de maneira cíclica. Cenas variações são de 
vinte e quatro horas, o que representa o tempo gasto pela Terra para 
girar em torno do seu eixo. Outras