Astrologia do Destino - Liz Greene
166 pág.

Astrologia do Destino - Liz Greene


DisciplinaAstrologia611 materiais2.094 seguidores
Pré-visualização50 páginas
alguém em quem não se pode confiar, às 
vezes gentil e reconfortante mas de repente, e sem razão, hostil ou perversa. Os 
aspectos difíceis entre Urano e a Lua colocam um grande dilema para a mulher, porque 
a Lua maternal e seu mundo instintivo são perturbados e ameaçados pela compulsão de 
conquistar a liberdade. A mulher com Lua-Urano pode experimentar falta de segurança 
através da mãe; e a sua maternidade, por sua vez, pode ser cheia de sentimentos 
ambivalentes. É como se ela não se sentisse absolutamente à vontade sendo mulher, 
porque Urano luta com violência contra a escravidão biológica da Lua. A ambivalência 
e mesmo a raiva com relação às funções comuns do corpo feminino são, 
freqüentemente, subprodutos de um dilema Lua-Urano não resolvido. Tenho 
observado, em algumas pessoas, muita tensão e muito medo de ruptura, expressos de 
forma simbólica como medo de andar de avião, medo de eletricidade, medo de fogo. O 
corpo antecipa morte ou ferimento súbitos, que é a reação da Lua à invasão de Urano, 
assim como Urano acha a Lua uma armadilha e um túmulo. Portanto, não é de 
surpreender que a Sra. R. tivesse tanta dificuldade para conceber suas filhas e que 
sofresse de doenças recorrentes durante a gravidez. Ë como se ela conscientemente 
quisesse um filho, mas inconscientemente o rejeitasse, e o conflito foi vivido no corpo, 
não no consciente. Este é um fato que tenho visto com freqüência em mulheres Lua-
Urano: em vez de agüentar o conflito e tomar as providências necessárias para 
valorizar os dois lados na vida, elas muitas vezes se identificam com o papel da "boa 
mãe", abrigando assim uma imensa raiva inconsciente contra o filho que as acorrentou 
a seus corpos femininos. Talvez seja isso o que Bettelheim queira dizer quando fala da 
mãe que deseja secretamente destruir o filho. Dividida entre a condição de mulher e a 
condição de um ser espiritual assexual, simbolizado por Urano, esse aspecto aparece 
com freqüência nos mapas de mulheres que sofrem disfunções sexuais, problemas 
ginecológicos e dificuldades ou retardos na concepção.
A oposição Lua-Urano no mapa de Renée pode ser encarada como um indica . dor de 
sua experiência básica da mãe. Por seu lado, a Sra. R. também tem esse aspecto, na 
forma de quadratura. Ela também experimentou instabilidade no relacionamento com a 
mãe, a Avó R. Essa interpretação é confirmada pelo fato de a Avó R. ter concebido por 
acidente, não desejando a filha. Deparamo-nos aqui com uma herança familiar, 
passando de avó para mãe e para filha, provavelmente com raízes mais antigas. É como 
uma maldição familiar grega \u2014 quando permanece inconsciente, simplesmente leva a 
geração seguinte a sofrer o mesmo problema. Até que ponto o material psíquico 
acumulado de várias gerações de mulheres enraivecidas se associa à incapacidade 
demonstrada por Renée de desenvolver um ego operante é uma questão aberta. Mas os 
problemas desse aspecto sem dúvida sugerem muita insegurança e uma sensação de 
"estar solto" na vida. Uma das facetas mais interessantes do contato Lua-Urano é que o 
"continente" não é apenas a mãe; é a própria pessoa, o corpo que contém o conflito de 
sentimentos, a personalidade que contém seus elementos ingovernáveis. Lua-Urano 
não descre
ve somente a pessoa que tem dificuldade em sentir-se "segura". Também descreve a 
pessoa que teme não ser capaz de conter sua própria explosividade. Esse aspecto sempre 
teve fama de "mau gênio", mas vai além da irritabilidade comum. O medo de explosões, 
fogo, acidentes súbitos, desastres de avião e outras manifestações "fóbicas" na verdade 
são uma projeção, em objetos externos, de tendências separativas dentro da própria 
pessoa. O continente defeituoso não é apenas a mãe; sentindo-se sem mãe, é a pessoa 
que freqüentemente tem pouca tolerância pela ansiedade e não consegue suportar 
emoções ambivalentes. Talvez seja relevante aqui lembrar as raivas súbitas de Renée, 
surgindo a partir de nada, exaurindo-se e desaparecendo em seguida, assim como a 
ritualização obsessiva de objetos e atos, tão misteriosamente semelhantes aos rituais 
primitivos, que mantêm à distância as forças escuras dos deuses inimigos.
Podemos agora examinar outro contato "herdado" no mapa de Renée, a quadratura 
entre o Sol e Netuno. No mapa da Sra. R., o Sol está em conjunção com Netuno na 
primeira casa. A Avó R. tem os dois planetas em semiquadratura. Essa é outra 
configuração que parece seguir a linha materna. O Sr. R. não tem nem o Sol nem a Lua 
em aspecto com Netuno. A Tia R. tem a Lua em Peixes, que é, (se me desculpam a 
brincadeira), uma versão aguada de Lua-Netuno, que também aparece no mapa do Avó 
R. Netuno é um planeta cujo significado é antitético a Urano, pois se relaciona com o 
reino do sentimento e não do pensamento, e personifica a imagem arquetípica da vítima 
e a questão da redenção pelo sofrimento. Em termos do mapa da Sra. R., Sol-Netuno 
expressa grande parte do seu comportamento ostensivo na vida, e parece tê-la 
virtualmente dominado. O que é visível não é o dinâmico Leão, nem a turbulência de 
Lua-Urano, mas a postura de anulação e de sacrifício de Netuno, para quem amor e 
sofrimento são inseparáveis, e para quem a vida é estéril se não for possível oferecer a 
alma a alguém. Essa tendência a abrir mão da própria identidade e viver através do 
sacrifício aos outros talvez seja uma das razões por que uma pessoa tão forte como a 
Sra. R. decidiu levar a vida que levou. Qualquer mágoa \u2014 como o fato do primeiro 
marido tê-la abandonado \u2014 não é vista como uma fonte de raiva ou de auto-exame, mas 
como uma comprovação de que a vida é um lugar de sofrimento e sacrifício. Renée 
também tem esse dilema no horóscopo. O conflito não resolvido entre a vontade própria 
de Urano e o auto-sacrifício de Netuno lançou âncora firme nela, induzindo-nos 
novamente a conjeturar que talvez essa seja una das tarefas de vida insuperáveis que ela, 
num nível profundo, preferiu evitar.
Como Apoio e as Erínias no mito de Orestes, aqui há duas poderosas divindades 
exigindo pagamento. Ambas são representadas por planetas exteriores, o que, para mim, 
indica que nenhuma das duas tem propensão a se integrar totalmente na consciência 
individual. Ambas têm a autonomia e a força de um deus, pois são personificações de 
grandes impulsos e mitos coletivos. Netuno é essencialmente um planeta feminino, 
associado à imagem arquetípica da mulher sofredora. É a "mediatrix", tal como se 
espelha na figura da Virgem Maria. Os sentimentos de Netuno são lindamente expressos 
na Paixão segundo São Mateus, de Bach:
É o meu pecado que agora Te acorrenta! 
Com profunda angústia Te rodeia 
E Te prega na madeira.
A tortura que sofres, 
Revelando Teu paciente amor,
Eu, apenas eu, é quem deveria sofrer.
Netuno abre as comportas da experiência do sofrimento do mundo e da agonia do 
espírito encarnado na matéria. Há um anseio de libertação da prisão do corpo e de união 
com a fonte divina, seja num sentido espiritual \u2014 como Deus \u2014 ou num sentido 
redutivo \u2014 como a unidade original do útero materno. Portanto, a pessoa netuniana é 
propensa a experimentar as paixões mortais como algo cheio de pecado e pesar, a si 
mesma como culpada, e à expiação como único meio possível de purificação e de 
reparação. Talvez a mãe de Renée "precisas-se" de uma criança com distúrbios, pois 
para ela o sentido da vida está inextricavelmente unido ao sofrimento. Esse também 
seria o caso de Renée, embora as influências fortemente leoninas e uranianas de seu 
horóscopo teriam combatido essa necessidade de sofrer. Esse fato já seria razão 
suficiente para que ela não se preocupasse; Urano é um planeta masculino, portador da 
inspiração