Aula 10   Participações Permanentes
18 pág.

Aula 10 Participações Permanentes


Disciplina<strong>so</strong>9 materiais
Pré-visualização2 páginas
Aula 10
Participações Permanentes
Professor : Wer k Rodr igues
1
CONTABILIDADE SOCIETÁRIA I
ESTRUTURA DE CONTEÚDOS
2
Participações Permanentes
5.1. Definição de participações permanentes
5.2. Diferenças entre participações temporários e permanentes
5.3. Critérios de avaliação das participações permanentes
5.4. Método de equivalência patrimonial
5.4.1. Definição
5.4.2. Reconhecimento inicial
5.4.3. Mais ou menos-valia
5.4.4. Goodwill
5.5. Contabilização pelo Método de Custo e pelo Método de
Equivalência Patrimonial
Participações Permanentes e Temporárias
3
Uma empresa pode possuir participações em outras empresas por meio de 
participações de ações ou cotas.
Definição de Participações Permanentes
Dependendo da finalidade, uma participação societária pode ser 
classificada como:
· Participação Permanente;
· Participação Temporária.
Participações Permanentes e Temporárias
4
São consideradas Participações Permanentes as participações 
que não tenham finalidade temporária ou fins especulativos.
Em contrapartida, as Participações Temporárias são aquelas 
participações adquiridas com a finalidade meramente temporária 
ou especulativa.
Diferenças entre Participações Temporárias e 
Permanentes
5
\u27a2 As Participações Temporárias devem ser classificadas no Ativo 
Circulante ou Ativo não Circulante (Realizável a Longo Prazo). Essas 
Participações Temporárias são consideradas como instrumentos 
financeiros e devem obedecer ao CPC 38 - Instrumentos Financeiros: 
Reconhecimento e Mensuração.
\u27a2 De acordo com o CPC 39 - Instrumentos Financeiros: Apresentação, o 
instrumento financeiro é qualquer contrato que dê origem a um ativo 
financeiro para a entidade e a um passivo financeiro ou instrumento 
patrimonial para outra entidade.
Diferenças entre Participações Temporárias e 
Permanentes
6
Em regra, as Participações Permanentes são classificadas no ATIVO NÃO 
CIRCULANTE, no subgrupo INVESTIMENTOS.
A partir da adoção no Brasil das normas internacionais de contabilidade, 
uma participação só será permanente se de fato não for mantida de forma 
temporária ou para fins especulativos.
Santos, Schmidt e Fernandes (2015) comentam que as participações 
permanentes são relevantes no processo decisório, sendo até 
imprescindíveis para os interesses de uma entidade controladora. Logo, 
essas participações permanentes são um ativo de grande relevância no 
contexto de algumas companhias.
Diferenças entre Participações Temporárias e 
Permanentes
7
Basicamente, são consideradas Participações Permanentes e, portanto, 
estão classificadas no Ativo Não Circulante/Investimentos:
1. Participações em coligadas;
2. Participações em controladas;
3. Participações em empreendimentos controlados em conjunto ;
4. Outras participações que não sejam temporárias ou especulativas.
Critérios de avaliação das Participações Permanentes
8
Com base na Lei das S/A, os investimentos na forma de participações 
permanentes no capital de outras sociedades, tais como ações de 
coligadas, controladas e empreendimentos controlados em conjunto, 
podem ser avaliadas pelo:
1. Método de Equivalência Patrimonial - MEP;
2. Método do Custo de Aquisição.
Critérios de avaliação das Participações Permanentes
9
Todavia, os pronunciamentos contábeis técnicos do Comitê de 
Pronunciamentos Contábeis (CPC) e as normas da Comissão de Valores 
Mobiliários (CVM) fixam as seguintes formas de avaliação:
1. Método de Equivalência Patrimonial;
2. Valor Justo;
3. Método do Custo de Aquisição.
Critérios de avaliação das Participações Permanentes
10
\u25aa No método do Custo, os investimentos são avaliados ao preço de custo (valor 
que foi despendido na transação), deduzido de ajustes para perdas 
permanentes. São considerados todos os gastos necessários para colocar o ativo 
em funcionamento, a exemplo de comissões, legalização e serviços de avaliação.
\u25aa Ressalta-se que o valor justo pode ser utilizado para Participações Permanentes 
quando o investimento em coligada e em controlada, ou em empreendimento 
controlado em conjunto, for mantido direta ou indiretamente por uma entidade 
que seja uma organização de capital de risco.
\u25aa Logo, a entidade pode mensurar esses investimentos pelo valor justo por meio 
do resultado, em consonância com o CPC 38 - Instrumentos Financeiros: 
Reconhecimento e Mensuração.
Critérios de avaliação das Participações Permanentes
11
\u25aaNos termos da Lei n 6.404/76, o Método de Equivalência Patrimonial tem 
preferência sobre o custo de aquisição.
\u25aaPortanto, se a Participação Permanente no capital de outra sociedade 
estiver incluída nas regras para avaliação pelo Método de Equivalência 
Patrimonial, ou seja, se a participação tiver influência significativa, controle 
ou controle conjunto, utiliza-se o Método de Equivalência Patrimonial.
\u27a2Caso o investimento não tenha influência significativa, controle ou 
controle conjunto, deve ser adotado o Custo de Aquisição.
Relembrando
12
Coligada é uma entidade sobre o qual o investidor tem influência
significativa e que não se configura como controlada ou participação em 
empreendimento sob controle conjunto (joint venture).
Influência significativa é o poder de participar das decisões sobre políticas 
operacionais e financeiras, sem controlar de forma individual ou conjunta.
Controle é o poder de governar as políticas financeiras e operacionais da 
entidade de forma obter benefícios de suas atividades.
Controle conjunto é o compartilhamento de controle, contratualmente 
estabelecido sobre uma atividade econômica (As decisões são tomadas em 
consentimento entre as partes).
Exemplo
13
Uma empresa obteve as seguintes participações nas investidas A, B e C, 
sendo que existiam apenas ações ordinárias.
\u2713 Nessa situação, os investimentos nas 
Sociedades A e C devem ser avaliados pelo 
Método de Avaliação Patrimonial, pois as 
empresas são consideradas controlada e 
coligada, respectivamente.
\u2713 O investimento na Sociedade B deve ser 
avaliado pelo Método de Custo, porque a 
investidora não tem nem influência 
significativa e nem controle.
14
Exercício 01. Julgue a afirmativa a seguir:
( ) Quando uma investidora possui investimentos com finalidade 
especulativa, esse investimento deve ser avaliado pelo método de 
equivalência patrimonial.
Exercício 02. Julgue a afirmativa a seguir:
( ) A diferença existente entre investimentos permanentes e temporários 
reside no fato de que o primeiro não tem finalidade especulativa e nem 
temporária, enquanto que o segundo tem ou finalidade temporária ou 
especulativa. Em contrapartida, tanto os investimentos permanentes 
quanto temporários podem estar evidenciados tanto no Ativo Circulante 
como no Ativo Não Circulante.
Anexo Obs. Sobre Ativos e Passivos Financeiros
15
Ativo financeiro é qualquer ativo que seja:
(a) caixa;
(b) instrumento patrimonial de outra entidade;
(c) direito contratual:
(i) de receber caixa ou outro ativo financeiro de outra entidade; ou
(ii) de troca de ativos financeiros ou passivos financeiros com outra 
entidade sob condições potencialmente favoráveis para a entidade;
Anexo Obs. Sobre Ativos e Passivos Financeiros
16
Ativo financeiro é qualquer ativo que seja:
(d) um contrato que seja ou possa vir a ser liquidado por instrumentos 
patrimoniais da própria entidade, e que:
(i) não é um derivativo no qual a entidade é ou pode ser obrigada a 
receber um número variável de instrumentos patrimoniais da 
própria entidade; ou
(ii) um derivativo que será ou poderá ser liquidado de outra forma 
que não pela troca de um montante fixo de caixa ou outro ativo 
financeiro, por número fixo de instrumentos patrimoniais da 
própria entidade.
Anexo Obs. Sobre Ativos e Passivos Financeiros