Melhorias no Processo Seletivo da Equipe PAC BAJA
10 pág.

Melhorias no Processo Seletivo da Equipe PAC BAJA


DisciplinaAdministraçãogestão de Qualidade18 materiais46 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Melhorias no Processo Seletivo da Equipe PAC BAJA
Administração da Qualidade
Turma: 0002244EM1	Professora: Gessica Mina Kim Jesus
Gabriel James Faga RA: 141010551 Gabriel Rodrigues Suzukayama RA: 141010134 Gabriel Wyse Burman RA: 141010476 Leonardo Parizi Bonfiglioli RA: 141010924
Rafael Braiani Santos RA: 131010425
Bauru 03/05/2018
Introdução
O projeto BAJA SAE é um projeto de engenharia que oferece a oportunidade aos estudantes de engenharia e outros cursos a aplicar os conhecimentos técnicos obtidos em sala de aula na prática, visando incrementar o conhecimento e a preparação desses alunos para o mercado de trabalho. O objetivo principal do projeto é construir um veículo \u201coff-road\u201d dentro de certas regras definidas pelo regulamento da competição. A Equipe PAC BAJA é quem faz esse projeto dentro da UNESP - BAURU. A equipe conta com alunos de diversos cursos, dentre eles: Engenharias (Civil, Elétrica, Mecânica e Produção), Relações Públicas, Design Industrial e Jornalismo. Com o recente sucesso do projeto nas competições, a vontade de participar desse projeto por parte dos universitários vem aumentando ano após ano. Com isso, para manter e até melhorar o nível da equipe, se faz necessário um processo seletivo para selecionar os novos membros que irão participar do projeto. Nos últimos quatro anos, aconteceu da seguinte forma:
2014
Empresa Jr. de psicologia participa;
Quatro fases: Prova, dinâmica de grupo, case e entrevista;
O processo seletivo era extremamente simples, tendo 40 inscritos no processo. Apenas 5 membros foram aprovados, e partir desse ano, começa a busca por uma seleção melhor.
2015
Empresa Jr. de psicologia participa;
Três fases: Dinâmica de grupo, case e entrevista;
O processo ainda é simples, e acaba tendo 55 inscritos. Apenas 3 membros foram aprovados, pois não haviam muitas vagas na equipe nesse ano. A equipe começa a averiguar aqui uma maior necessidade de uma área administrativa.
2016
Empresa Jr. de psicologia participa;
Três fases: Dinâmica de grupo, case e entrevista;
O processo começa a ser mais difícil. Temos o recorde de 87 inscritos, e um número alto de aprovados, 22. Aqui são fundadas as áreas administrativas. Os diretores da equipe passam a exigir maior participação no processo seletivo, para ver melhor quem são os aspirantes a cada área.
2017
Empresa Jr. de Psicologia participa;
Quatro fases: Carta de motivação, dinâmica de grupo, case e entrevista; Recorde de 100 inscritos no processo seletivo, que se torna ainda mais difícil.
Nesse ano, alguns candidatos desistiram do processo seletivo e outros foram para
outros projetos de extensão. Começa a se enxergar a necessidade de alguns ajustes no processo seletivo.
Estudo das causas e implicações do problema
Com o aumento do número de inscritos no processo seletivo e ascensão de outros projetos de extensão, os novos alunos da UNESP estão cada vez mais \u201cdisputados\u201d pelos projetos de extensão da faculdade. Isso ficou claro no ano de 2017, quando alguns dos possíveis novos membros da Equipe PAC BAJA foram aprovados em processos seletivos de outros projetos de extensão, e, por diversos motivos, acabaram optando para ir a um outro projeto de extensão ao invés de terminar o processo seletivo do baja e ingressar na equipe. As causas desse problema são diversas. O número de etapas do processo seletivo do baja é maior do que o dos outros projetos, a duração do processo seletivo é maior, as etapas em si são mais complexas e difíceis. Além disso, foram identificados outros problemas no processo seletivo do ano de 2017. Os aspirantes a uma vaga no baja não tiveram muito tempo disponível na etapa da dinâmica para mostrar suas habilidades, e os grupos também estavam com muitas pessoas, dificultando a avaliação durante essa etapa.
Propostas de soluções para o problema
Para a descoberta das soluções para o problema, levantamos as causas desse utilizando um diagrama de Ishikawa.
Figura 1 - Diagrama de Ishikawa para o processo seletivo ineficiente
Além disso, fizemos o mapeamento do processo seletivo para verificarmos o sequenciamento das etapas bem como suas importâncias e avaliarmos a necessidade de cada uma:
Figura 2 - Mapeamento das etapas do processo seletivo
Algumas soluções foram propostas para esse problema. Alteração da complexidade das etapas do processo seletivo, eliminação de alguma das etapas, mais tempo para realização de cada etapa, menos aspirantes e grupos menores nos grupos das dinâmicas e realizar o processo seletivo antes dos outros projetos de extensão.
Análise da solução factível (restrições)
Julga-se não ser possível alterar a complexidade das etapas do processo seletivo e também não é possível eliminar nenhuma etapa. O processo seletivo como é feito hoje, é desafiador e seleciona os membros que tem o perfil mais próximo ao que a equipe deseja. Existiram casos de aspirantes a entrar na equipe que não foram em alguma das etapas, ou desistiram de alguma etapa, por causa de sua complexidade (o case é um dos motivos de desistência). Isso já seleciona os membros para a equipe. Não é possível selecionar alguém que desista de forma fácil para a equipe, visto que não desejamos esse perfil. O perfil desejado é de pessoas com comprometimento e vontade, principalmente. Assim, esse tipo de atitude é filtrado por essa etapa mais complexa. A eliminação de alguma etapa também não é plausível para a equipe, visto que as 4 etapas (carta de motivação, dinâmica, case e entrevista) parecem ser o mínimo para se conhecer alguém minimamente. A carta de motivação elimina apenas quem não a envia, e ela vem eliminando uma porcentagem alta dos inscritos no processo seletivo. Com essa etapa, evitamos que pessoas que tenham se \u201cinscrito por se inscrever\u201d continuem no processo seletivo e detenham nossa atenção. A dinâmica busca ver o trabalho dos aspirantes em grupo, algo fundamental para a equipe que conta com diversas pessoas de cursos diferentes. O case busca ver o quanto a pessoa está disposta a fazer um bom trabalho e o quanto ela se dedica em algo que deseja. Por último, a entrevista, realizada com os diretores da equipe, busca sanar dúvidas dos diretores sobre os aspirantes, sendo o último desempate para a escolha final. Com a importância de todas essas etapas, não é plausível a eliminação de nenhuma destas. Porém, o intervalo de tempo entre as etapas pode ser realizado, visto que outros processos seletivos fazem isso de forma mais rápida. Assim, essa será uma medida que será tomada. Também é fácil alterar o tamanho dos grupos da dinâmica, o que será uma solução adotada para o próximo processo seletivo.
Início da implementação
A implementação das soluções apresentadas acima se dará no processo seletivo de 2018 e 2019. O calendário abaixo mostra a diferença de tempo da duração do processo seletivo de 2017 e 2018. As alterações feitas podem ser observadas no calendário.
Figura 3 - Calendário do processo seletivo de 2017
Figura 4 - Calendário do processo seletivo de 2018
Também foram feitas alterações nos grupos da dinâmica. Em 2017, pode se observar alguns dos grupos com até 6 pessoas. Em 2018, o número máximo de pessoas em cada grupo passa a ser 4.
Figura 5 - Grupos do processo seletivo 2017
Figura 6 - Grupos do processo seletivo de 2018
Acompanhamento, Controle e Verificação dos resultados
Em 2018, o processo seletivo obteve 89 inscritos na sua 1a fase. Desses, 20 não enviaram a carta, e temos 69 candidatos para as dinâmicas. Aqui, 12 são eliminados, e 57 candidatos apresentam o case. O case continua sendo a etapa mais difícil, onde 19 candidatos são eliminados. Na entrevista, dos 38 candidatos restantes, 16 são eliminados e a equipe acaba com 22 novos integrantes. A Tabela 1 abaixo mostra esse processo.
Tabela 1 - Número de candidatos, desistentes/eliminados e etapas
	Número de candidatos
	Etapa
	Desistentes/Eliminados
	89
	Carta
	20
	69