A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
102 pág.
Dir. Trabalho - TRT3 aula 01

Pré-visualização | Página 6 de 21

Comentadas 
Prof. Mário Pinheiro / Prof. Antonio Daud Jr ± 
Aula 01 
 
 
 
Prof. Mário Pinheiro / 
Prof. Antonio Daud Jr www.estrategiaconcursos.com.br Página 29 de 101 
 
 
Notem que, após a EC 72/2013, o doméstico também passou a fazer jus ao 
salário família, direito este que depende de regulamentação. 
 
 Assim, o benefício é pago em cota(s), a depender da quantidade de filho(s) 
ou equiparado(s) de qualquer condição, até 14 (quatorze) anos de idade ou 
inválido de qualquer idade. 
 
 É importante frisar que a cota do salário-família não será incorporada, para 
qualquer efeito, ao salário (ou ao benefício que o segurado esteja recebendo). 
 
XIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e 
quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a 
redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho; 
 
 A duração normal da jornada de trabalho é de 08 horas, e do módulo 
semanal de trabalho 44 horas (seria o caso, por exemplo, de jornadas de 08 
horas de segundas-feiras a sextas-feiras e 04 horas aos sábados). 
 
 Falaremos sobre compensação de jornada (compensar trabalho a mais num 
dia reduzindo a jornada em outro) e demais assuntos correlatos na aula sobre 
jornada e descansos. 
 
XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos 
ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva; 
 
 Nos turnos ininterruptos de revezamento há alternância de horários (num 
dia o empregado labora de manhã, no outro de tarde e no outro à noite), o que 
causa prejuízos à sua saúde e inserção social. Por este motivo a jornada é de 06 
horas (salvo negociação coletiva) ao invés das 08 horas normais. 
 
 Comentaremos sobre os turnos ininterruptos de revezamento (TIR) na aula 
sobre jornada e descansos. 
 
XV - repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos; 
 
 O repouso semanal remunerado (RSR), também conhecido como descanso 
semanal remunerado (DSR) p�QRUPDWL]DGR�SHOD�/HL���������VHJXQGR�D�TXDO�³todo 
empregado tem direito ao repouso semanal remunerado de vinte e quatro 
horas consecutivas, preferentemente aos domingos �����´� 
 
 Direito do Trabalho p/ TRT3 (Minas Gerais) 
Teoria e Questões Comentadas 
Prof. Mário Pinheiro / Prof. Antonio Daud Jr ± 
Aula 01 
 
 
 
Prof. Mário Pinheiro / 
Prof. Antonio Daud Jr www.estrategiaconcursos.com.br Página 30 de 101 
 
 
 
 Em regra o repouso semana remunerado (RSR) não necessariamente deve 
coinciGLU�FRP�R�GRPLQJR��SRLV�D�&)����IDOD�HP�³SUHIHUHQFLDOPHQWH´� 
 
 Comentaremos mais sobre o DSR na aula sobre jornada e descansos. 
 
 
 
XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em 
cinqüenta por cento à do normal; 
 
 A partir da CF/88 o adicional de horas extraordinárias é de, no mínimo, 
50%. Deste modo, as passagens onde a CLT17 estabelece adicionais de hora extra 
em alíquotas inferiores não foram recepcionadas pela CF/88. 
 
 Nos casos em que haja negociação coletiva estabelecendo alíquotas 
superiores a este patamar mínimo constitucional, valerão os percentuais 
negociados por meio do sindicato. 
 
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a 
mais do que o salário normal; 
 
 As férias serão gozadas durante o período concessivo (que ocorre após o 
período aquisitivo), e sua remuneração consiste no terço constitucional, que 
representa 1/3 do salário normal do empregado. 
 
 Discorreremos sobre o assunto ³férias´ na aula respectiva. 
 
XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a 
duração de cento e vinte dias; 
 
 A licença-maternidade tem a duração de 120 dias, durante os quais o 
contrato de trabalho é interrompido. 
 
 1RV�WHUPRV�GD�/HL����������3ODQRV�GH�%HQHItFLRV�GD�3UHYLGrQFLD�6RFLDO���³R 
salário-maternidade é devido à segurada da Previdência Social, durante 120 
 
17
 CLT, art. 59, § 1º - Do acordo ou do contrato coletivo de trabalho deverá constar, obrigatoriamente, a 
importância da remuneração da hora suplementar, que será, pelo menos, 20% (vinte por cento) superior à da 
hora normal. 
 
 Direito do Trabalho p/ TRT3 (Minas Gerais) 
Teoria e Questões Comentadas 
Prof. Mário Pinheiro / Prof. Antonio Daud Jr ± 
Aula 01 
 
 
 
Prof. Mário Pinheiro / 
Prof. Antonio Daud Jr www.estrategiaconcursos.com.br Página 31 de 101 
 
 
(cento e vinte) dias, com início no período entre 28 (vinte e oito) dias antes do 
parto e a data de ocorrência deste, observadas as situações e condições previstas 
na legislação no que concerne à proteção à maternidade´� 
 
 Desde 2002, quando foram alteradas a CLT e a lei 8213/91, à empregada 
que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança também será 
concedida licença-maternidade. 
 
 Por fim, em 2008 foi publicada a Lei 11.770/08, que institui o Programa 
Empresa Cidadã. Este programa concede incentivo fiscal para empresas que 
prorroguem em 60 (sessenta) dias a licença-maternidade de suas empregadas. 
 
XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei; 
 
 Ainda não há lei fixando prazo para a licença, então continuam válidos os 
05 dias previstos no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). 
 
 Caso haja alguma previsão em convenção ou acordo coletivo de trabalho 
com prazo maior, aplicar-se-á a disposição do diploma coletivo. 
 
XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos 
específicos, nos termos da lei; 
 
 O dispositivo também não foi regulamentado por legislação 
infraconstitucional. 
 
XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de 
trinta dias, nos termos da lei; 
 
 O aviso prévio será objeto de estudo em aula específica do curso. É um 
instituto que se aplica nos contratos por prazo indeterminado. 
 
 Em 2011 foi regulamentada a proporcionalidade deste instituto, pela Lei 
12.506/11, segundo a qual ao aviso prévio serão acrescidos 3 (três) dias por ano 
de serviço prestado na mesma empresa, até o máximo de 60 (sessenta) dias, 
perfazendo um total de até 90 (noventa) dias. 
 
XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de 
saúde, higiene e segurança; 
 
 Direito do Trabalho p/ TRT3 (Minas Gerais) 
Teoria e Questões Comentadas 
Prof. Mário Pinheiro / Prof. Antonio Daud Jr ± 
Aula 01 
 
 
 
Prof. Mário Pinheiro / 
Prof. Antonio Daud Jr www.estrategiaconcursos.com.br Página 32 de 101 
 
 
 
 Este dispositivo é um dos fundamentos de validade das Normas 
Regulamentadoras (NR) expedidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, que 
objetivam resguardar a segurança e saúde dos trabalhadores regidos pela CLT. 
 
 
XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres 
ou perigosas, na forma da lei; 
 
 Os adicionais são devidos nas situações definidas na CLT, segundo a qual o 
exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância 
estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional 
respectivamente de 40%, 20% ou 10% do salário-mínimo da região, segundo se 
classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo. 
 
 &RPR� FRPHQWDPRV� DQWHULRUPHQWH�� D� &/7� IDOD� HP� ³VDOirio-mínimo da 
UHJLmR´, mas com a CF/88 o salário mínimo é nacionalmente unificado (inciso IV). 
 
 Quanto à periculosidade, esta se configura quando há contato permanente 
com inflamáveis ou explosivos, em condições de risco acentuado. Nestes casos os 
empregados fazem jus a um adicional de 30% sobre o salário sem os acréscimos 
resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa. 
 
XXIV