A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Revisão para prova objetiva

Pré-visualização | Página 1 de 3

Revisão para prova objetiva- 1º ano 
 1º Bimestre – 2019
O QUE É A SOCIEDADE?
A VIDA EM SOCIEDADE - As pessoas vivem juntas, ou seja, em sociedade. E os cientistas sociais estão interessados em entender como acontece essa vida em sociedade. As Ciências Sociais se dedicam a fazer boas perguntas sobre a vida social, sobre o conjunto de relações que as pessoas estabelecem quando vivem juntas.
O que é mesmo sociedade? - Sociedade é um conjunto de pessoas, de tamanho variável, imensamente complexo, mesmo quando é um conjunto pequeno, caracterizado por múltiplas normas, regras e conflitos. As regras e normas nem sempre são explícitas, ou seja, nem sempre são ditas ou admitidas de forma clara. Muitas vezes as pessoas nem se dão conta de que estão seguindo certas regras.
 Entretanto, a sociedade vai muito além de normas, regras e concentração de poder. A convivência social dá sentido ao cotidiano das pessoas, criando desejos que muitas vezes tomamos como individuais, mas que na verdade são sociais. O desejo de consumir, por exemplo, é incentivado por uma sociedade organizada para a produção de bens em larga escala, como o capitalismo, que depende de consumidores para seus bens.
AS CIÊNCIAS SOCIAIS - as Ciências Sociais possam ser objetivas e universais, mas foi esse espírito, no final do século XIX, que conduziu a sua formação. As Ciências Sociais se manifestaram inicialmente como o lado científico da análise social: os primeiros cientistas sociais imaginavam poder entender a sociedade do mesmo modo que um físico entendia o fenômeno da gravidade, por exemplo. Hoje já não se imagina que as Ciências Sociais sejam tão semelhantes às ciências exatas ou biológicas. Mas a ideia de que as Ciências Sociais são científicas porque elaboram métodos sistemáticos e testam detalhadamente suas hipóteses ainda é muito importante. Nesse sentido, elas são distintas da opinião do senso comum.
Antropologia - A Antropologia se dedicou a entender as sociedades à época chamadas “primitivas”, sociedades não ocidentais, que hoje os cientistas denominam sociedades de pequena escala ou, ainda, sociedades simples (embora muitos questionem essas classificações). Antropologia tornou-se fonte de conhecimentos sobre a diferença cultural entre as sociedades, desempenhando papel importante na garantia e na defesa dos direitos de diversas populações consideradas “diferentes”.
Sociologia- Sociologia, a tentativa de entender as transformações causadas pela mudança das formas de trabalho na sociedade ocidental, decorrente do capitalismo, conduziu-a para uma reflexão sobre a sociedade capitalista.
Ciência Política - A Ciência Política dedica-se ao estudo da política e das formas de poder.
A Ciência Política tem dedicado grande atenção às estratégias e táticas que os atores políticos empregam para conseguir seus objetivos. A Ciência Política se desenvolveu como campo científico no final do século XIX, e tornou-se disciplina nas universidades ao longo do século XX, principalmente após a Segunda Guerra Mundial.
 COMO FUNCIONAM AS CIÊNCIAS SOCIAIS? As Ciências Sociais têm dois instrumentos principais para analisar, explicar o mundo e refletir sobre ele: os conceitos e os métodos. Intimamente ligados, esses dois instrumentos são ferramentas básicas do cientista social.
Conceitos- Os conceitos são a porta de entrada para uma explicação da realidade. Um conjunto de conceitos forma uma teoria, espécie de regra geral de análise para determinados fenômenos.
Métodos- O método permite ao cientista reunir dados e informações de forma sistemática, a fim de usá-los para chegar a certas conclusões.
CIÊNCIAS SOCIAIS: INFORMAÇÕES E PENSAMENTO CRÍTICO- As Ciências Sociais nos ensinam a pensar criticamente, a não aceitar qualquer argumentação. Os critérios exigidos para a realização de uma boa pesquisa também são úteis para analisar argumentos, ideias e debates variados.
 Para as Ciências Sociais, certo e errado são termos complexos, que sempre dependem de uma reflexão crítica e cuidadosa. A única forma de distinguir bons e maus argumentos, ideias e práticas é pensar criticamente. Exercitar o pensamento crítico prepara você para não se deixar enganar facilmente, e por isso as Ciências Sociais podem ser muito úteis. É importante decifrar o que muitas vezes está por trás dos discursos políticos, questionar as informações da mídia, contrapor argumentos e deduzir a melhor opção, identificar discursos que só pretendem ganhar você por motivos econômicos, políticos ou outros.
Boa Prova!
Revisão para prova objetiva – 2º ano
1º Bimestre - 2019
MUNDOS DO TRABALHO
O TRABALHO EM DURKHEIM, WEBER E MARX- Durkheim era de origem francesa e Marx e Weber, de origem alemã, eles foram influenciados pela Revolução Industrial e pela Revolução Francesa, marcos de um novo modo de vida no Ocidente.
Durkheim - Para Durkheim, quanto mais especializado é o trabalho, mais laços de dependência se formam. A divisão do trabalho, na concepção de Durkheim, é um fato social presente em todos os tipos de sociedade. Há sociedades com menor ou maior divisão do trabalho, mas em todas elas são encontradas funções diferenciadas entre os indivíduos, o que os divide em grupos funcionais distintos com condutas sociais também distintas. Durkheim entende a divisão social entre trabalhadores e empregadores como uma divisão funcional. Divisão entre aqueles que devem cumprir uma atividade de organização da produção e mando (os empregadores) e os que devem desenvolver uma atividade produtiva (os trabalhadores).
Weber- Segundo ele, não há algo geral e comum a todas as sociedades. Cada sociedade obedece a situações históricas exclusivas; e no capitalismo, por condições específicas, o trabalho teria se tornado uma atividade fundamental. Segundo Weber, não bastou o desenvolvimento do mercado, da moeda, do dinheiro, das relações de troca em geral para que o capitalismo se constituísse como uma sociedade particular. Essas condições estavam presentes em sociedades passadas, como na antiga Roma e durante a Idade Média, quando já existiam vários elementos que hoje governam as relações monetárias, comerciais e de troca. Para Weber, tais características, típicas de uma estrutura mercantil, não são suficientes para explicar a formação do capitalismo.
Marx- Marx destacou a diferença entre o trabalho em geral e o trabalho particularizado em suas formas históricas. O trabalho em geral é toda atividade que relaciona a humanidade à natureza, isto é, toda e qualquer atividade que envolve a transformação da natureza para suprir nossas necessidades, mas que envolve um processo teleológico: primeiro pensamos, concebemos mentalmente a atividade, e depois a realizamos. Para Marx, o trabalho assalariado é uma manifestação histórica da organização do capitalismo como sociedade. Com base na exploração do trabalho, por meio do pagamento de salários, a sociedade capitalista produz e reproduz sua existência. A reprodução dessa divisão social se dá com base na exploração do trabalho assalariado que o trabalhador vende para o capitalista em troca de um salário.
FORÇA DE TRABALHO E ALIENAÇÃO - A desigualdade econômica é estrutural em nossa sociedade: está presente desde o início do capitalismo, ganhando novos contornos e feições em cada conjuntura histórica. Na formação do capitalismo, classes sociais distintas se estruturaram e com base nelas estruturou-se também uma forma de viver e de consumir. Essa divisão estabeleceu uma separação entre aqueles que têm os meios de produção e os que não os têm. 
Segundo Marx, essa relação não é apenas uma relação econômica. A divisão entre classes sociais impõe formas de vida específicas. 
Para Marx, essa questão é estrutural nas sociedades divididas em classes, como a sociedade capitalista. Segundo Marx, a desigualdade social é fruto da divisão da sociedade em classes. Aqueles que têm os meios de produção (dinheiro, prédios, capital, ações na Bolsa de Valores, etc.) compram o trabalho daqueles que não têm esses meios.
Quando alguém recebe seu salário mensal, acredita

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.