A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
TPI 02 1 Algoritmos1

Pré-visualização | Página 1 de 2

1
Algoritmos
LINGUAGEM ALGORÍTMICA
Universidade CEUMA
2
LINGUAGEM ALGORíTMICA
• Para uma melhor padronização do estudo de algoritmos,
é necessário definir uma linguagem para sua
construção.
– Portugol
– Nos exemplos a seguir, será utilizado o VisuAlg 2.0,
para trabalharmos com o Portugol.
– O VisuAlg é um software que pode ser baixado
gratuitamente pela internet e é um interpretador de
pseudocódigo.
3
Portugol
• É uma psudolinguagem de programação.
• Derivada da aglutinação de Português + Algol.
Algol é o nome de uma linguagem de
programação estruturada usada no final da
década de 50.
• A idéia é permitir que com um conjunto básico
de primitivas seja possível pensar na “solução
de um problema” e não na máquina que vai
executar o algoritmo.
• Usado para gerar uma solução facilmente
implementável.
4
Portugol
• Conjunto básico de primitivas:
– Conjunto básico de ações necessárias para a
determinação de um algoritmo.
– Ações como do tipo: unte a fôrma e leve-a ao
forno, são consideradas atividades primitivas
(comandos simples), porque suas ações são
as mais simples possíveis dentro de um
algoritmo, não envolvendo, portanto,
instruções mais complexas.
5
Variação do Portugol
– Utilizaremos em nosso curso uma variação
do Portugol.
– Utilizaremos uma linguagem estruturada em
que a preocupação na escrita não é com as
regras rígidas de sintaxe (construção), mas
sim com sua lógica.
– Será utilizada a estrutura geral do algoritmo
definida anteriormente.
6
Memória
• A memória principal (MP) de um computador
pode ser comparada a uma seqüência de
células numeradas, na qual cada célula
corresponde a um espaço da memória onde, a
cada instante, uma dada informação é
armazenada.
• A referência a cada célula da memória é
realizada através de seu endereço numérico.
• Podemos alterar o conteúdo da célula mas o
endereço de uma posição de memória não pode
ser mudado.
7
Memória 
• Para criar um determinado valor em uma célula uma
ação primitiva é expressa da seguinte forma:
– Armazene o valor 25 na posição de memória de
(endereço) 2
– O resultado obtido pode ser representado,
esquematicamente, como na figura.
– A gerência dos endereços das células utilizadas em
um algoritmo é deslocada do programador para a
máquina.
0 1 2
25
3 4 5 6 7
8
VARIÁVEL
• Na Matemática uma variável é a representação
simbólica dos elementos de um certo conjunto
• Nos algoritmos destinados a resolver um
problema no computador, a cada variável
corresponde uma posição de memória, cujo
conteúdo pode variar ao longo do tempo
durante a execução de um algoritmo.
• Embora a variável possa assumir diferentes
valores, ela só pode armazenar um valor a cada
instante.
9
QUAIS SERIAM AS VARIÁVEIS NESTE ALGORITMO?
Nome: Média
Objetivo: Calcular a média de um aluno e apresentar a mensagem 
“aprovado” ou “reprovado”.
Entrada de dados: Notas do 1º e 2º bimestre (Nota1 e Nota2)
Saída de dados: Exibir a média e resultado “aprovado” ou 
“reprovado”
Início
1. Ler a nota do primeiro bimestre (Nota1)
2. Ler a nota do segundo bimestre (Nota2)
3. Calcular a média Media = (Nota1 + Nota2)/2
4. Se Media >= 6,0 então
4.1 imprimir “aprovado”
senão
4.2 imprimir “reprovado”
fim se
5. Imprimir o valor da Media
Fim
VARIÁVEL
10
VARIÁVEL
– Toda variável é identificada por um nome ou
identificador.
– Exemplo: em um algoritmo para calcular a área de um
triângulo retângulo: A = (B * C)/2.
– os identificadores A, B e C podem representar as
posições de memória que armazenam o valor da
hipotenusa (maior lado) e dos catetos (menores lados).
• IMPORTANTE: nunca use uma palavra reservada, isto é,
que faça parte da linguagem algorítmica, como um
identificador, pois poderá causar erros e ambiguidades no
entendimento do algoritmo.
11
VARIÁVEL
– LEMBRE-SE: As varáveis são endereços de memória
destinados a armazenar informações temporariamente.
– Deve-se atribuir às variáveis nomes que ajudem a
lembrar a finalidade de cada uma delas.
– Variáveis podem conter valores diferentes durante a
execução do programa.
• Os valores são consistentes com o tipo da variável.
– Definir uma variável significa: reservar uma posição de
memória para armazenar seus valores.
12
VARIÁVEL
– Exemplo: calcular a média entre dois valores
numéricos, é necessário que os valores estejam
previamente armazenados na memória para que a
média seja calculada. Após o cálculo, o valor da
média fica disponível em uma outra célula da
memória.
– Podemos escrever a seguinte sequência de
instruções:
leia (N1)
leia (N2)
M <- (N1 + N2)/ 2
escreva (M)
13
VARIÁVEL
– No exemplo anterior:
• N1, N2 e M são variáveis;
• leia e imprima são duas instruções primitivas;
• <- é o sinal (operador) de atribuição utilizado para
o cálculo da média
• esta atribuição é a instrução primitiva que consiste
no ato de guardar um valor em uma variável.
Como fica na memória estas variáveis?
N1 N2 M
0 1 2 3 4 5 6 7
14
VARIÁVEL
– As informações que manipulamos podem ser de
diversos tipos.
– Tipos de Dados Básicos:
• Inteiro;
• Real;
• Caracter ou Cadeia de caracteres;
• Lógico;
OBS: Iremos gradativamente trabalhar com cada um desses tipos
e mostrar suas características.
15
VARIÁVEL
– Inteiro:
• Números inteiros, positivos ou negativos.
• Palavra-chave que o define: inteiro.
• Exemplo:
12
-1000
0
2498
-500
400233900
16
VARIÁVEL
– Real:
• Números com casa decimal (representado por um
ponto decimal e ñ uma vírgula). Positivos ou negativos.
• Palavra-chave que o define: real.
• O VisuAlg também não suporta separadores de
milhares.
• Exemplos:
13.5
123.56
5.5
-125.40
-20.8
0.0
17
VARIÁVEL
– Caracter (apenas um):
• Letras, números (interpretados como texto), caracteres
especiais (símbolos).
• Palavra-chave que o define: caractere.
• Devem estar delimitados por aspas duplas.
• Exemplos:
“A”
“b”
“4”
“9”
“*”
“)”
“%”
18
VARIÁVEL
– Caracter
• Também pode representar um conjunto ou string de
caracteres.
• Exemplos:
“Bola1”
“4321MM”
“CEUMA”
“A”
“345,00”
Importante! No VisuAlg, as comparações entre strings não
diferenciam as letras maiúsculas das minúsculas. Ex: "ABC" é
igual a "abc".
19
VARIÁVEL
– Lógico
• Também conhecidos como booleanos (Álgebra de
Boole).
• Palavra-chave que o define: logico.
• Representa somente valores especiais referentes à:
verdadeiro
falso
Atenção!
• Os valores Verdadeiro e Falso são lógicos aqui e isto é 
diferente de “Verdadeiro” e “Falso”.
• Valores lógicos obedecem à seguinte ordem: FALSO < 
VERDADEIRO. 
20
VARIÁVEL
– Declaração de Variáveis
• Indica o tipo de cada uma das variáveis.
• Reserva de memória as variáveis a serem utilizadas.
• Quando se declara uma variável é feita uma
associação do seu nome com seu respectivo lugar
na memória (reserva).
• O VisuAlg permite apenas um comando por linha:
desse modo, não há necessidade de tokens
separadores de estruturas, como o ponto e vírgula.
• Quando nos referirmos à sintaxe no VisuAlg, serão
utilizados os símbolos de < e > para sinalizar os
identificadores a serem utilizados pelo programador.
21
VARIÁVEL
– Declaração de Variáveis
• O VisuAlg também não distingue maiúsculas e
minúsculas no reconhecimento de palavras-chave
e nomes de variáveis.
• Todas as palavras-chave do VisuAlg foram
implementadas sem acentos cedilha, etc.
• No VisuAlg, os nomes das variáveis devem
começar por uma letra e depois conter letras,
números ou underline, até um limite de 30
caracteres.
22
VARIÁVEL