A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
TCC DESENVOLVIMENTO (2)

Pré-visualização | Página 1 de 5

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL
CRUZ, Shirly Macklane Morais[1: Aluno do Centro Universitário Internacional UNINTER. Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso. 2º semestre 2018.]
RU 116141
CORDEIRO, Profª. Me. Gisele do Rocio[2: Professor Orientador no Centro Universitário Internacional UNINTER.]
RESUMO
O presente artigo é a conclusão de toda uma pesquisa efetuada no decorrer do curso de Licenciatura em Pedagogia. No decurso de pesquisas e investigações bibliográficas foi possível reforçar e ressaltar, a partir desse trabalho, o brincar na educação infantil como recurso didático de grande importância no processo de ensino aprendizagem. Trata-se de uma ferramenta relevante no desenvolvimento da criança, seja ele cognitivo, motor e/ou social. Nota-se que as brincadeiras têm um papel fundamental e considerável no âmbito escolar, contribuindo para a interação e o convívio afetivo, a socialização e o desenvolvimento das habilidades físicas e mentais da criança. As brincadeiras motivam o interesse no aprendizado e na descoberta do novo. Enfatiza-se neste artigo, como a brincadeira contribui na capacidade dos sentidos como a fala, a imaginação, o canto, a coordenação motora, enfim, as várias vertentes do aprendizado e desenvolvimento da criança mediante as brincadeiras. Mostrando assim, que a brincadeira deve ser utilizada em todo contexto escolar e é de importância significativa na vida humana e principalmente no processo educacional infantil.
Palavras-chave: Brincar. Aprendizagem. Desenvolvimento.
1 INTRODUÇÃO
	A partir dos conteúdos estudados no decorrer do curso, juntamente com pesquisas para Portfólios e os estágios realizados, foi possível observar de forma prática os objetivos alcançados a partir da prática das brincadeiras na educação infantil, no que diz respeito ao desenvolvimento e aprendizagem da criança. Observando que as brincadeiras, trabalham as potencialidades, limitações, e habilidades da criança, abriu-se um olhar crítico do brincar como ferramenta pedagógica, e daí veio então, o interesse pelo tema proposto. Entre os objetivos desse artigo e das coletas de pesquisas, concentrou-se principalmente em explorar ao máximo os aspectos pedagógicos obtidos por meio do uso das brincadeiras na educação infantil e como elas auxiliam na constituição e desenvolvimento geral da criança. E para tanto foi evidenciado com afinco a importância do brincar como ferramenta pedagógica no desenvolvimento e aprendizagem das mesmas na educação infantil. Para Vygotsky (1988), aprendizado e desenvolvimento estão inter-relacionados desde o primeiro dia de vida. 
		Desde a antiguidade e ao longo da história da humanidade, há evidências de 
que o homem brincou. O brincar já existia na vida dos seres humanos bem antes de se pesquisar a respeito. Entretanto, é bem provável que devido às várias circunstâncias e tecnologias tais como: aparecimento das escolas, brinquedos eletrônicos, televisão, multimídias e redes sociais, iniciaram-se a preocupação com a diminuição do interesse pelo brincar e uma necessidade de mostrar a utilidade do mesmo e sua importância em estudos e pesquisas.
		A infância é a parte menor de nossas vidas, mas que fica registrada intrinsecamente e de forma bem particular em todos nós, por trazer consigo memórias marcantes por toda a vida. A brincadeira certamente está nas primeiras linhas da lista dessas vastas lembranças dessa época, por ser o homem um ser brincante. Por isso brincar é um direito garantido da criança e é tão importante. Para Didonet (2012, p.12) “Quem não brinca cresce amarrado. Quem brinca experimenta o mergulho profundo na alma das coisas. E se torna livre para criar soluções, inovar caminhos, inventar futuro”.
		Pensar no brincar, é muito mais que vê-lo sob um viés lúdico. Mas também entender, que pode ter as potencialidades, limitações, habilidades sociais, afetivas, cognitivas e físicas da criança, trabalhadas, obtendo as aprendizagens desejadas. É importante compreender que ao brincar na educação infantil, a criança não está ali só se divertindo e sendo entretida, mas aprendendo e socializando.
		Brincar tem uma grande relevância na vida do ser humano. Na brincadeira a criança traz para perto de si o faz de conta, a magia do imaginar e realizar seus intentos de forma lúdica e inofensiva.
		De acordo com o Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil (BRASIL, 1998, p. 27, v.01): 
O principal indicador da brincadeira, entre as crianças, é o papel que assumem enquanto brincam. Ao adotar outros papéis na brincadeira, as crianças agem frente à realidade de maneira não-literal, transferindo e substituindo suas ações cotidianas pelas ações e características do papel assumido, utilizando-se de objetos substitutos.
O brincar é a atividade principal de toda criança as creches e escolas no dia a dia, sendo importante valorizar essa criança como um ser que brinca, toma decisões e tem saberes, que é agente e se relaciona com as pessoas e os objetos para se expressar, comunicar e compreender o mundo. 
Como seria proveitoso se a principal preocupação da educação fosse propiciar a todas as crianças um desenvolvimento integral e dinâmico, desafiando sempre sua inteligência. 
	Brincar é uma atividade fundamental para crianças pequenas e é um direito de todas elas. As atividades lúdicas favorecem um aumento da autoestima da criança, contribuindo para interiorizar determinado valor. 
	Na pesquisa bibliográfica feita para este artigo, foi observado o quanto o brincar contribui no processo de socialização e memorização, dentre outras coisas e como recurso didático agrega grande valor na educação infantil, no desenvolvimento social, motor, cognitivo, psíquico e emocional da criança.
2 O BRINCAR E SUAS POTENCIALIDADES 
2.1 O BRINCAR E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA
	É muito interessante como até muito pouco tempo, o brincar era visto apenas como passa tempo e uma diversão. E até hoje muitos pais ainda o veem dessa forma. Mas ele vai muito além. Brincar abre o espaço para o desenvolvimento global do indivíduo, deixando a liberdade de criar, bem à vontade.
	A criança é um ser integral, embora muitas vezes não seja vista assim. Pois em cada momento está seguindo uma rotina e horários estabelecidos onde suas atividades ficam bem direcionadas. Tem o momento de trabalhar a coordenação motora, outro para linguagem, outro para brincadeiras direcionadas e livres. Porém essa segmentação não vai necessariamente à formação de sua personalidade integral, e, essa formação se dá em interação com o meio físico e social, passando assim pelo processo de desenvolvimento. Isso acontece na brincadeira com seus pares, onde aparentemente nada está acontecendo e parece ser apenas uma diversão. Mas é nesse compartilhar das brincadeiras que a criança interage e adquire meios para o seu desenvolvimento de forma bem espontânea.
	Partindo da concepção sócio construtivista na perspectiva do brincar, passamos a vê-lo como um meio que garante a construção de conhecimento e interações entre os indivíduos, e, a atividade lúdica pode e deve ser vinculada à função da escola. Nesse ambiente, a criança tem a oportunidade por meio do professor de maneira direcionada e ordenada, de ser levada a crescer e desenvolver suas potencialidades cognitivas.
	No brincar vencemos e, outras vezes perdemos. Mas é importante salientar, o quanto isso é enriquecedor para a criança, pois é ali que ela aprende as regras, os limites, mas de uma forma prazerosa, sem se preocupar com o seu desempenho ou do colega, mas pelo prazer da diversão. Os combinados e regras tendem a despertar na criança a atenção e o interesse em cumprir os desafios propostos. O desenvolvimento social da criança é indispensável para chegar ao desenvolvimento moral e cognitivo.
	É na brincadeira com seus jogos e regras, que as crianças desenvolvem seus aspectos sociais, políticos e cognitivos também. 
	Vygotsky acredita que (1984, p.162), "ao brincar, a criança está acima da própria idade, acima de