A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Câncer de Pulmão NN

Pré-visualização | Página 1 de 4

1 Ca de Pulmão – Oncologia – Clínica Médica 
Nicolle Moraes Nunes 
 Matéria da Prova: Ca de Pulmão, Ca de mama, Ca gástrico e introdução. 
Observação: Prestar atenção aos casos clínicos dados em aula porque a prova será no mesmo molde. 
Caso Clínico 
Paciente feminina, 73 anos, deu entrada na emergência com dispneia, e cansaço aos pequenos esforços. Paciente relata 
tosse produtiva há cerca de 45 dias com piora progressiva. Paciente relata ainda perda de 9 kg no mesmo período. 
Nesse caso, como a paciente estava dando entrada na emergência, as hipóteses diagnósticas seriam bem variadas. “A 
resposta de vocês na prova também pode ser bem variada, desde que esteja dentro do contexto! Essa paciente poderia 
ter uma tuberculose, uma pneumonia... Uma série de doenças! Essa paciente vai precisar de uma boa anamnese; ela pode 
ter algumas outras comorbidades que expliquem essa sua perda ponderal. Então, os diagnósticos diferenciais vão estar 
relacionados a hipótese diagnóstica da paciente, exame físico, e exames solicitados. Nesses exames solicitados eu vou 
fornecer informações pra vocês na prova; talvez eu coloque um RX pra vocês avaliarem... Eu vou dar os dados pra vocês 
com relação aos exames, e ai sim... Com esses dados dos exames é que vocês vão fechar a hipótese diagnóstica, e o 
diagnóstico diferencial de vocês!” 
Caso clínico 
 Paciente masculino, 33 anos, referia lombalgia de forte intensidade com evolução progressiva há 2 meses. Esse paciente 
inicialmente achou que a dor tinha relação com um trauma ocorrido em jogo de futebol. No momento do exame, a 
intensidade da dor era de 10+/10+, e ela impedia o mesmo de se locomover. 
A radiografia da coluna lombar apontou fratura em L4/L5. Na TC foram observadas lesões osteolíticas. 
A professora relata que pediu a TC de corpo inteiro desse paciente, e na TC ela descobriu que ele tinha um Tumor de 
Pulmão com menos de 0,5 cm. O tumor era tão agressivo que o paciente já tinha lesões praticamente em toda coluna. 
Mesmo fazendo quimioterapia esse paciente viveu apenas 8 meses após a descoberta do tumor. 
Os exames solicitados são muito importantes porque muitas vezes só com eles é que nós vamos descobrir de onde é o 
tumor primário. As vezes o paciente tem uma doença, e ele vai abrir o quadro com sinais e sintomas que nunca vão 
indicar câncer. No caso desse paciente especificamente o tumor era muito agressivo, e por isso ele fez metástases muito 
rapidamente. 
Introdução: 
O grande problema do câncer de pulmão é que ele vem aumentando mundialmente. O Ca de pulmão é uma das 
principais causas de morte evitáveis, ele está muito relacionado ao tabagismo. Embora apenas 11% dos fumantes 
evoluam com o câncer de pulmão, o tabagismo representa o principal fator de risco para esse tumor e está envolvido 
em até 90% dos casos. Ou seja, de todos os tabagistas apenas 11% deles desenvolverão CA pulmonar. Contudo, dentre 
os pacientes com CA de pulmão 90% têm associação com cigarro. O cigarro de tabaco contém mais de 4.000 produtos 
químicos, sendo que cerca de 60 deles foram identificados como carcinógenos. 
Hoje o tratamento do CA de pulmão tem mudado muito, e isso é graças à nova fase pós-genoma. Descobriu-se que 
existem muitas mutações ativadoras ou amplificadoras de proto-oncogenes envolvidas no desenvolvimento de câncer de 
pulmão. Os genes mais frequentemente mutados nos cânceres pulmonares são EGFR e KRAS. “Eu gosto de falar sobre 
isso porque daqui há algum tempo nós não falaremos mais em quimioterapia, falaremos apenas em terapia alvo; a 
terapia alvo é baseada nesses dois proto-oncogenes. Os pacientes que tem sido submetidos às terapias alvo moleculares 
tem tido aumento significativo de sobrevida, embora não tenham tido cura.” 
Essa imagem é importante porque quando nós pensarmos em câncer de 
pulmão não podemos pensar só no câncer de pulmão propriamente dito. Nós 
temos os cânceres de pulmão broncogênicos e outras neoplasias (que ficam 
fora do brônquio). Os carcinomas broncogênicos são divididos em carcinoma 
de pequenas células e carcinoma de não pequenas células. 
 
 
2 Ca de Pulmão – Oncologia – Clínica Médica 
Nicolle Moraes Nunes 
Atenção! Sempre que falarmos em câncer de pulmão É MUITO IMPORTANTE saber se esse câncer é primário, ou 
metastático. O risco do câncer ser metastático é muito grande, haja vista que a maioria dos tumores fazem metástase 
pulmonar por disseminação hematogênica. É fundamental saber sobre a origem do tumor; isso porque se tivermos um 
paciente com câncer de pulmão primário e tratarmos como metástase NÃO VAI ADIANTAR NADA! Cada órgão tem um 
quimioterápico específico que trata para a resposta específica do tipo de câncer. 
Observação: O carcinoma de pequenas células é o tipo mais agressivo, e com pior prognóstico. Apenas 5% dos 
pacientes tem possibilidade de cura cirúrgica quando descobrem o tumor. Esse carcinoma faz metástases muito 
rapidamente, e a sobrevida desses pacientes é mínima. 
 Anatomia Pulmonar 
É fundamental conhecer a anatomia pulmonar para entendermos que tipos de exames 
devem ser solicitados para cada tipo de tumor. Por exemplo, sabemos que para tumores 
de localização central podemos solicitar uma broncoscopia. Por outro lado, se o tumor for 
periférico a broncoscopia não vai alcança-lo. 
 
Epidemiologia 
 É um dos mais comuns dos tumores malignos 
 Apresenta um aumento de 2% ao ano no mundo 
 Acomete mais homens do que mulheres; o que é muito associado também ao fato do homem fumar mais do 
que a mulher. 
 Cerca de 31.270 novos casos no ano de 2018. 
 A última informação de mortalidade por ca de pulmão é de 2013. O prognóstico é muito reservado, 
expectativa de vida muito ruim, e ainda assim os últimos dados são de 2013! Deveriam ser pelo menos de 
2018! 
Fatores de risco – É CERTO DE CAIR NA PROVA!!!!!!! 
 Tabagismo (tanto o tabagismo ativo quanto o passivo são fatores de risco para câncer pulmonar). 
Demora 20 anos para que o risco de um paciente ex tabagista desenvolver câncer se iguale ao de um paciente 
que nunca fumou. (Ou seja, você precisa parar de fumar por pelo menos 20 anos para que o tabaco deixe de ser 
um fator de risco para ca pulmonar). 
 Exposição a agentes químicos- Pessoas que trabalham direto com arsênico, asbesto, urânio, berílio, radônio, 
cádmio, cloreto de vinil, gás mostarda, cromo, níquel. 
 Exposição à poluição do ar – “Viver da câncer, né?! Todo lugar tem poluição!” 
 Infecções pulmonares de repetição 
 Irradiação ionizante 
(Pacientes que fizeram radioterapia ou quimioterapia para tratamento de algum tipo de tumor na adolescência 
ou na infância podem desenvolver ca de pulmão pela radiação). 
 Infecção pelo HIV 
 Síndrome de Li-Fraumeni 
(Essa síndrome é causada por uma alteração genética; ela faz com que o paciente tenha pré-disposição a 
desenvolver diversos tipos de câncer. Pacientes portadores dessa síndrome costumam ter cerca de 3 ou 4 
tumores diferentes antes dos 30 anos. Para descobrir se o paciente tem essa síndrome o exame usado é 
mapeamento genético). 
 Fatores genéticos e história familiar de câncer no pulmão. 
PROVA: TEM QUE SABER FATOR DE RISCO, TEM QUE SABER SINAIS E SINTOMAS, TEM QUE SABER OS EXAMES A SEREM 
SOLICITADOS. 
Sinais e sintomas 
Ao falarmos em sinais e sintomas de câncer pulmonar precisamos nos atentar primeiro na localização do tumor. Se o 
tumor estiver localizado no centro (próximo ao hilo pulmonar) o paciente vai ser rico em sintomas; por outro lado, os 
 
 
3 Ca de Pulmão – Oncologia – Clínica Médica 
Nicolle Moraes Nunes 
tumores periféricos só causam sintomas quando estão grandes, ou invadindo alguma estrutura. Sendo assim, tumores 
periféricos só costumam se manifestar em estágios avançados, e não costumam