1. Formação Constitucional do Brasil (2)
33 pág.

1. Formação Constitucional do Brasil (2)


Disciplina<strong>contitucional</strong>3 materiais14 seguidores
Pré-visualização3 páginas
FORMAÇÃO CONSTITUCIONAL DO BRASIL
CONSTITUIÇÃO
CONSTITUCIONALISMO
HISTÓRICO DAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988
CONCEITO DE CONSTITUIÇÃO
Constituição é um termo plurívoco, ou seja, é um termo que apresenta vários sentidos. 
A doutrina do direito Constitucional costuma apontar 3 concepções (sentidos) principais para o termo \u201cConstituição\u201d.
SENTIDO SOCIOLÓGICO DE CONSTITUIÇÃO
(Constituição em sentido material)
FERDINAND LASSALLE. \u201cO que é uma Constituição?\u201d
Só haverá Constituição se o documento escrito coincidir com os fatores reais de poder.
Constituição \u201cfolha de papel\u201d. 
Fatores reais de poder: São forças de cunho político, econômico, religioso, ativas e eficazes o bastante para informar todas as leis e instituições de uma sociedade
SENTIDO POLÍTICO DE CONSTITUIÇÃO
(Constituição em sentido substancial)
CARL SCHMITT. \u201cTeoria da Constituição\u201d
A Constituição é definida pelo seu conteúdo, as demais regras, ainda que presentes no corpo do documento político do Estado são apenas \u201cLeis Constitucionais\u201d.
A Constituição é considerada como a decisão política fundamental, decisão concreta de conjunto sobre o modo e a forma de existência do Estado.
SENTIDO JURÍDICO DE CONSTITUIÇÃO
(Constituição em sentido formal)
HANS KELSEN. \u201cTeoria pura do direito\u201d
Constituição é o documento básico do Estado. É o conjunto de normas que se distinguem das demais pelo processo pelo qual são produzidas.
O processo de elaboração da norma constitucional e de alteração da Constituição é diferente da elaboração das demais normas jurídicas (rigidez constitucional).
(distinção entre normas materialmente constitucionais e normas formalmente constitucionais).
POSIÇÃO DA CONSTITUIÇÃO NO QUADRO GERAL DO DIREITO
O ordenamento jurídico segue um sistema hierarquizado, no qual a Constituição está no topo. 
Supremacia da Constituição
As normas infraconstitucionais devem respeitar a Constituição sob pena de nulidade. 
Para resguardar a posição de superioridade da Constituição, nos países que adotam Constituições escritas, é fundamental a rigidez constitucional. 
CONSTITUCIONALISMO
O constitucionalismo é um movimento de limitação do poder absoluto, com a elevação de um documento superior acima do arbítrio dos governantes.
Supremacia das leis: \u201cé o governo das leis e não dos homens\u201d.
A Constituição (expressão da vontade geral) tem como objetivo:
Limitar o poder
Garantir direitos
Organizar o Estado e os Poderes. 
CONSTITUCIONALISMO ANTIGO
BABILÔNIA:
Código de Hamurabi (1.700 a.C)
IRÃ (PÉRSIA):
Lei dos Reis (século VI a.C)
HEBREUS:
Torah (Lei escrita) \u2013 5 primeiros livros do velho testamento
Lei divina (Bíblia) limitando o poder dos governantes
ATENAS:
Século V a.C \u2013 supremacia das leis. Instituições como a Assembleias (campo de discussões entre os cidadãos), o Conselho (500 membros que escolhiam a administração) e as Cortes órgão julgador). 
ROMA:
República implantada em 529 a.C.
Lei das Doze Tábuas, espécie de Constituição de Roma. Diversos órgãos como a Assembleia, os Cônsules e o Senado.
CONSTITUCIONALISMO MODERNO
Idade Média: o ideal de Constitucionalismo se apaga diante do Feudalismo (as relações de poder eram muito mais entre o dono da terra e seus vassalos).
Neste período, no entanto, como meros raios de luz, importantes documentos para a ascensão do constitucionalismo moderno surgem. É o caso da Magna Carta de 1.215.
 
Constitucionalismo moderno: Surgimento das Constituições Escritas, que terminaram com período das Monarquias Absolutas.
 Constituição dos Estados Unidos da América de 1787.
 Constituição Francesa de 1791.
O povo passa a ser o titular do poder constituinte e são declarados os direitos e garantias individuais. 
LIMITAÇÃO AO PODER
Limites materiais:
Garantia dos direitos fundamentais (direitos individuais, sociais, políticos e de solidariedade
Estrutura orgânica:
Exercício das funções estatais por órgãos distintos e independentes (Executivo, Legislativo e Judiciário)
Checks and balances 
Limites procedimentais:
Processo legislativo
Devido processo legal formal (p. ex. contraditório, ampla defesa) e material (proporcionalidade e razoabilidade). 
HISTÓRIA CONSTITUCIONAL DO BRASIL
Constituição Politica do Imperio do Brazil de 1824.
Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1891.
Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1934
Constituição dos Estados Unidos do Brasil de 1937
Constituição dos Estados Unidos do Brasil de 1946
Constituição da República Federativa do Brasil de 1967
Emenda Constitucional nº. 1 de 1969
Constituição da República Federativa do Brasil de 1988
CONSTITUIÇÃO DE 1824
 Independência do Brasil 07/09/1822.
 Constituinte de 1823
Convocada pelo Imperador (Decreto de 03 de junho de 1822).
Dissolvida pelo Imperador 
 Constituição de 1824 outorgada em 25/03/1824 (teve vigência por mais de 65 anos \u2013 Decreto de 15/11/1889 \u2013 maior longevidade)
CONSTITUIÇÃO DE 1824
 Características principais:
- Desenhava-se com caráter liberal, mas de fato a autoridade era toda do imperador.
- Divisão dos poderes:
 PODER LEGISLATIVO: Assembleia Geral \u2013 bicameral (Câmara dos Deputados e Câmara dos Senadores).
PODER JUDICIÁRIO: Juízes e Jurados 
PODER EXECUTIVO: Imperador (chefe) e Ministros de Estado
PODER MODERADOR: Imperador \u2013 manutenção da independência, equilíbrio e harmonia dos demais poderes.
Religião Oficial: Católica.
Sufrágio: voto censitário (renda mínima anual de 100 mil réis nas eleições primárias e 200 mil réis nas eleições para Deputados, Senadores e Conselheiros das Províncias)
Constituição semirrígida (algumas normas dependiam de procedimento mais solene para a sua aprovação, outras eram alteradas pelo mesmo procedimento das leis ordinárias).
CONSTITUIÇÃO DE 1891
 Proclamação da República e da Federação 15/11/1889
Decreto de 15 de novembro de 1889 \u2013 proclamou provisoriamente a forma de estado e de governo da nação: República Federativa.
Antigas províncias foram transformadas em Estados e o Município Neutro (Rio de Janeiro) tornou-se o DF.
 Assembleia Constituinte de 1890/1891 
 Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil promulgada em 24/02/1891 (vigência até 11/11/1930 \u2013 Decreto 19.398)
CONSTITUIÇÃO DE 1891
 Características principais:
Religião Oficial: Estado laico.
Divisão dos Poderes (Tripartição dos Poderes):
PODER LEGISLATIVO (Congresso Nacional \u2013 Câmara dos Deputados e Senado Federal)
PODER EXECUTIVO (Presidente da República e Vice-Presidente da República \u2013 eleições diretas)
PODER JUDICIÁRIO (Supremo Tribunal Federal \u2013 mais alta corte)
Constituição rígida
Primeira Constituição Brasileira a prever o habeas corpus
Forte inspiração no modelo norte-americano.
Coronelismo \u2013 política dos governadores.
CONSTITUIÇÃO DE 1934
 Revolução de 1930 \u2013 Fim da República Velha \u2013 tomada de poder por Getúlio Vargas.
 Decreto nº. 19.398 (11/11/1930)
O Governo Provisório exercia discricionariamente o Poder Executivo e o Poder Legislativo
 Revolução Constitucionalista de 1932 em São Paulo
Constituição promulgada pela Assembleia Nacional Constituinte em 16/07/1934 (vigente até 10/11/1937 \u2013 Eclosão do Estado Novo com a outorga da Constituição de 1937).
- Constituição com a menor duração: apenas 3 anos.
CONSTITUIÇÃO DE 1934
 Características principais:
Garantia dos direitos sociais e econômicos (2ª Geração/Dimensão dos Direitos Fundamentais):
Título sobre a ordem econômica e social
Título sobre a família, a educação e a cultura.
Constitucionalização do voto feminino 
Garantia do voto secreto
Garantias Constitucionais:
Mandado de Segurança
Ação Popular
CONSTITUIÇÃO DE 1937
 Golpe de 1937 \u2013 Ditadura de Getúlio Vargas.
 Constituição de 1937 outorgada por Getúlio Vargas em 10/11/1937 (vigente até 19/09/1946 \u2013 promulgação da Constituição de 1946).
 \u201cConstituição Polaca\u201d \u2013 Constituição de 1937 foi inspirada na Constituição Polonesa de 1935.
 Constituição fascista e autoritária.
 A Constituição estava submetida à plebiscito