A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Caderno de Técnicas de Reportagem e Entrevista (UFMT)

Pré-visualização | Página 1 de 2

Técnicas de Reportagem e 
Entrevista 
 
Prof. Dr. Edson Luiz Spenthof 
 
Comunicação Social / Habilitação em Jornalismo 
Campus Universitário do ​Araguaia 
 
 
4° Semestre 
2018/2 
 
GABRIEL GREEN FUSARI  
fvsari@icloud.com 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 
 
 
 
E-mail do professor: ​edsonspenthof@uol.com.br 
Whatsapp: (66) 
 
[Reportagem é um gênero jornalístico (apuração / levantamento / busca).] 
 
Manual de Redação da UNESCO; Manual de Jornalismo Investigativo (UNESCO) 
 
ENEDITI, Carina Andrade. A qualidade da informação jornalística: do conceito à prática. 
Florianópolis, insular, 2009, página 15 a 76 
 
SPENTHOF, Edson Luiz. Jornalismo e Sociedade: O luar da mediação profissional e da formação 
tratada como ser pública. Brasília, tese de doutorado apresentada ao programa de pós graduação em 
comunicação na UNB. 2015. Páginas 24-36; 48-61; 81-145. 
 
MAGNO, Ana Beatriz. A agonia da reportagem. Brasília. Dissertação de mestrado apresentado ao 
programa de pós graduação em comunicação da UNB. 
 
 
 
 
 
 
 
Terça Feira, 06 de Novembro de 2018 
 
1° fase do jornalismo​ ​(Europa, Século XVI e XVII) 
Lettere d’avisi (Letras de aviso, em italiano. Cartas de aviso para comerciantes sobre ações de 
governo e informações de oportunidades de negócios como comércio de escravos e diplomacia com o 
oriente médio) Pequenos panfletos surgem na época. 
 
 
Spoken News (pessoas pagas para ficarem em lugares públicos e de grande circulação, em metrópolis 
para ficarem gritando informações). 
 
Ambos fazem parte da era do jornalismo econômico onde os comerciantes eram o target da 
comunicação. 
 
2° Fase do Jornalismo (Europa, Século XVII e Século XVIII) 
Jornalismo opinativo/literário (em tese de ​Spenthof​ como jornalismo político-opinativo e literário) 
Em salões e cafés europeus havia uma efervescência cultural sobre a nova onda da liberdade de 
expressão com base do renascimento político e cultural, e tem por Habermas uma esfera pública ideal, 
para os cidadãos liberarem livremente suas ideias como poemas e debates culturais assim como 
política. Existe um movimento republicano forte contra os governos monarquistas. Embora continue 
existindo e se estruturam jornais importantes na europa, se esquece da ideia de informar algo para 
opinar sobre. O conteúdo dessa opinião era essencialmente a política e a literatura, no caso da política 
era o caso da efervescência de jornais “de fundo de quintal” para expressar a opinião impressa 
favorável ou contrária a política. Era um extremo debate político feito por jornais. O movimento 
republicano ele se instaura via a Revolução Francesa. 
 
3° Fase do Jornalismo (EUA, Meados do século XIX) 
Os historiadores dizem que seu marco foi em 1930 com os surgimentos das Penny press, jornais 
vendidos a 1 penny de Dólar (Centavos), um jornal barato para a popularização de informações, logo 
jornalismo informativo. O jornalismo nesta fase se desenvolveu por base econômica e técnica que é a 
modernização da imprensa e das formas de distribuições de jornais. O marco da instalação de 
indústrias começa em Londres (com máquinas a vapor) em tecelagem e imprensa são atingidas pelo 
melhoramento de bens materiais e técnicas para a produção. Há também o desenvolvimento de 
transportes para a entrega dos jornais. 
Quando fala-se sobre o regime republicano entende-se sobre a coisa pública, como a separação das 
coisas do povo para o governante. 
 
Conceitos/Noções sobre Jornalismo 
- O jornalismo como forma de comunicação 
- O jornalismo como mediação da realidade 
- O jornalismo como forma de conhecimento 
- O jornalismo como interdiscurso 
- A questão da objetividade e da verdade no jornalismo 
 
 
(1) O Jornalismo como forma de comunicação​: 
O Jornalismo é sim uma forma de comunicação específica pois ele passa as informações para todo o 
mundo de diversas formas. 
 
O que é a esfera pública: é o debate e uma esfera ampla e abstrata que significa o ambiente e espaço 
de discussão e a circulação de informações da sociedade. A esfera política é alimentada pela esfera 
pública e social. 
 
 (2) ​O jornalismo como mediação da realidade​. 
 Mediação espaço temporal: grande especificidade do jornalismo, as diversas formas de mediação. 
 
 
 
Quarta feira, 21 de Novembro de 2018 
 
O Jornalismo como forma de Conhecimento​ (Adelmo Genro Filho) 
 
Andelmo define o jornalismo como ‘forma social de conhecimento cristalizado no singular’ se 
baseando no método dialético, dizendo que haveria três dimensões onde se encontram todas as coisas 
do universo. De acordo com a dialética, todas as dimensões estão contidas e contém as demais. O 
singular responde ao específico irrepetível. O particular é típico conjunto, onde ele mesmo pertence a 
algo coletivo. O Universal é algo total. 
 
Método Dialético 
● Singular - efêmero, provisório - tese, hipótese 
● Particular - Típico, grupo, conjunto - antítese (anti tese) 
● Universal - total, concreto pensado - Síntese 
 
O objeto do jornalismo sempre é a fixação do singular, por ser novo e irrepetível. O Singular 
corresponde ao​ lead​. 
 
O universal se faz na cabeça do leitor, ele não necessariamente está no texto. 
 
Exemplos: 
 
 
Singular: Desfile da Louis Vuitton no Louvre 
Particular: Desfiles no Louvre 
Universal: Desfiles 
 
Por que forma social? Porquê jornalista trabalha em grupo, com fontes, com o processo de 
produção… e ele vai na história do jornalismo investigativo, houve uma construção social da 
dialética. 
 
 
Terça-feira, 27 de Novembro de 2018 
 
Jornalismo e Teorias da Verdade 
 
Um publicitário pode mentir? Talvez, pois na publicidade tolera-se parte da verdade. Ele não pode 
falar contra o produto que ele vende, ele então seleciona o que falar, ele não mente, omite. 
Qual a diferença entre a realidade e a ficção? A leitura da realidade não é meramente subjetiva, 
pois o jornalismo tem regras como uma ciência. A ficção é o não real, uma invenção de um sonho, e 
se ela for muito boa ela é uma antecipação do real. A ficção não precisa se preocupar com a verdade, 
sem haver nenhum problema. O jornalista precisa se preocupar com toda a verdade. 
 
TRÊS GRANDES TEORIAS 
● Verdade como correspondência aos fatos - correspondência - adequação 
● Verdade como coerência - coerência 
● Verdade como pragmática - Utilitarista 
 
“S” É verdadeiro se, e somente SE, corresponde um fato “A lousa é verde” 
 A teoria da correspondência é a mais pertinente e eloquente ao jornalismo. 
Comprara a afirmação do texto com o objeto / referente que está fora do texto. 
- falseamento 
- mentira 
- engano 
Tudo é relativo, mas nem tudo é relativo por tudo ser relativo. (what the fuck?) 
 
 
 
O Discurso Jornalístico Como Interdiscurso 
 
 
A notícia em si, é um discurso da realidade, fazendo sentido ao receptor - começando a idéia 
entendendo que há vários tipos de gêneros ou tipos de discurso havendo uma série de características 
passando pela ideia de mediação, antecipando: a característica do discurso jornalístico é uma 
estratégia de mediação do próprio discurso de jornalismo. Bakhtin que é o pioneiro do discurso diz 
que todas as atividades humanas