resenha daniel miller - trecos, troços e coisas
1 pág.

resenha daniel miller - trecos, troços e coisas


DisciplinaProjeto Experimental em Multimídia I1 materiais1 seguidores
Pré-visualização1 página
Aluna (o): Laila Farias dos Santos 
Professor (a): Aline Freitas 
Projeto Experimental em Multimídia I 
27 de março de 2019 
Resenha - Trecos, troços e coisas, por Daniel Miller 
 
O título original de trecos, troços e coisas \u2013 Stuff -, já denuncia o quão incomum é o 
conceito que Daniel Miller trás para a academia. Ele sintetiza a idéia de seus artigos no termo 
mais comum e mais volátil para definir os objetos, para introduzir uma argumentação forte 
para defender o conceito de que os objetos fazem o homem, assim como o homem faz os 
objetos. 
 
 \u201cA melhor maneira para entender, transmitir e apreciar nossa humanidade é dar 
atenção à nossa materialidade fundamental.\u201d, é o argumento central de Daniel Miller. Ele 
bate na tecla de que os objetos que nos cercam não se restringem apenas isto, e sim são parte 
das construções sociais. Independente do quão industrializada a sociedade é, ela pode ser tão 
materialista quanto. Para exemplificar, ele cita os potes de uma aldeia na Índia. Eram usados 
mais de 50 tipos de potes para armazenamento, com formatos variados e de difícil manuseio 
há gerações, pois eles eram parte de uma tradição. A tradição, como valor afetivo e 
simbólico, é o que impede as pessoas desta aldeia de usarem recipientes mais funcionais. 
 
A narrativa incansável de Miller é movida pelo questionamento da oposição entre 
pessoa e coisa, imposta no senso comum.\u200b.\u200b"A análise da cultura material é uma via indireta 
para compreender as pessoas e os relacionamentos". Ainda na Índia, os adornos que as 
mulheres usam, às vezes sem ao menos ter o poder aquisitivo necessário, estão associados ao 
\u201cser mulher\u201d. Dezenas de jóias e calçados finos são parte da representação feminina básica 
naquela sociedade. 
 
Miller usa uma linguagem acessível para falar de conceitos de grandes nomes como 
Bourdieu, Lévi-Strauss e Hegel, através de seus inúmeros exemplos. É uma característica 
marcante e o faz ser popular entre os iniciantes na antropologia, o qual é meu caso. Me 
concentrei nos primeiros capítulos da obra e fui convencida por Miller e sua visão de Cultura 
Material.