Aula 16Direito do Trabalho I

Aula 16Direito do Trabalho I


DisciplinaDireito do Trabalho I27.446 materiais482.292 seguidores
Pré-visualização1 página
DIREITO DO TRABALHO I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
1
Direito do Trabalho I
Conteúdo desta Aula
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Compensação 
de jornada
1
Horas in
 itinere
3
Trabalho em 
tempo parcial
2
Trabalho 
noturno
4
INTERVALOS
5
2
Direito do Trabalho I
Compensação de Horário: Semanal, Mensal e Anual (Banco de Horas)
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Compensação de jornada 
Conceito:
O acordo de compensação da jornada de trabalho pode ser conceituado como o acordo por escrito, realizado entre empregado e empregador, com a finalidade de admitir a compensação do aumento da carga horária de 1 (um) dia, pela diminuição em outro dia, dispensando o acréscimo de salário.
3
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Compensação de jornada 
Segundo o artigo 59, parágrafo 2º da CLT, poderá ser dispensado o acréscimo de salário se, por força de acordo ou convenção coletiva de trabalho, o excesso de horas em um dia for compensado pela correspondente diminuição em outro dia, de maneira que não exceda, no período máximo de um ano, a soma das jornadas semanais de trabalho previstas, nem seja ultrapassado o limite máximo de dez horas diárias. 
Compensação de Horário: Semanal, Mensal e Anual (Banco de Horas)
4
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Compensação de jornada 
Conforme dispõe o § 3º, do artigo 59, na hipótese de rescisão do contrato de trabalho sem que tenha havido a compensação integral da jornada extraordinária, na forma do parágrafo anterior, fará o trabalhador jus ao pagamento das horas extras não compensadas, calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão. 
Compensação de Horário: Semanal, Mensal e Anual (Banco de Horas)
5
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Compensação de jornada 
Características:
Acordo por escrito previsto em CCT/ACT;
Compensação - 2 horas por dia;
Proibição: aprendizes, contratados por tempo parcial, atividades insalubres e perigosas (autorização do MT, ou CCT/ACT).
Compensação de Horário: Semanal, Mensal e Anual (Banco de Horas)
6
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Compensação de jornada 
Peculiaridades:
Súmula n. 85, inciso III do TST: o mero não atendimento das exigências legais para a compensação de jornada, inclusive quando encetada mediante acordo tácito, não implica a repetição do pagamento das horas excedentes à jornada normal diária, se não dilatada a jornada máxima semanal, sendo devido apenas o respectivo adicional.
Compensação de Horário: Semanal, Mensal e Anual (Banco de Horas)
7
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Compensação de jornada 
Habitualidade:
Súmula 85 do TST, IV: A prestação de horas extras habituais descaracteriza o acordo de compensação de jornada. Nesta hipótese, as horas que ultrapassarem a jornada semanal normal deverão ser pagas como horas extraordinárias e, quanto àquelas destinadas à compensação, deverá ser pago a mais apenas o adicional por trabalho extraordinário. 
Compensação de Horário: Semanal, Mensal e Anual (Banco de Horas)
8
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Trabalhador Externo e Gerentes Ocupantes de Cargo de Gestão
O empregado que exerce atividade externa, incompatível com a fixação de horário de trabalho, não se submete às regras contidas na CLT quanto à jornada de trabalho.(art. 62, I, da CLT). Ex.: vendedor externo;
Os empregados ocupantes de cargo de confiança, não estão sujeitos a controle de horário, de acordo com o contido no artigo 62, inciso II, da CLT.
9
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Trabalho em Regime de Tempo Parcial
Conforme disposto no artigo 59, parágrafo 4º, da CLT, os empregados sob o regime de tempo parcial não poderão prestar horas extras. 
10
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Horas in Itinere
Conceito:
Súmula 90, do TST: o tempo despendido pelo empregado, em condução fornecida pelo empregador, até o local de trabalho de difícil acesso ou não servido por transporte regular público, e para o seu retorno, é computável na jornada de trabalho.
11
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Horas in Itinere
Artigo 58, parágrafo segundo da CLT: o tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e para o seu retorno, por qualquer meio de transporte, não será computado na jornada de trabalho, salvo quando, tratando-se de local de difícil acesso ou não servido por transporte público, o empregador fornecer a condução. 
Previsão legal:
12
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Trabalho noturno
Empregado urbano:
22h00 às 05h00
52min30s
Adicional de 20%
Empregado rural:
21h00 às 05h00 (agricultura)
20h00 às 04h00 (pecuária)
60min
Adicional de 25%
Prorrogação da hora noturna
13
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Peculiaridades:
Prorrogação da hora noturna;
Súmula 213 do STF: é devido o adicional noturno ainda que sujeito o empregado ao regime de revezamento. 
Trabalho noturno
14
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Sobreaviso
Caracteriza-se pelo fato de o empregado ficar em sua casa aguardando ser chamado para o serviço.
Art. 244, parágrafo 2º da CLT: prevê o pagamento da hora de sobreaviso ao empregado ferroviário, que permanece em sua própria casa, aguardando a qualquer momento o chamado para o serviço;
Cada escala de horas de sobreaviso, será, no máximo, de vinte e quatro horas, sendo contadas à razão de 1/3 sobre a hora normal.
15
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Peculiaridades:
A nova redação dada em 2005 à Orientação Jurisprudencial n. 49 da SDI-I é no sentido de que \u201co uso do aparelho bip pelo empregado, por si só, não caracteriza o regime de sobreaviso, uma vez que o empregado não permanece em sua residência aguardando, a qualquer momento, convocação para o serviço\u201d (BARROS, 2014).
Sobreaviso
16
Direito do Trabalho I
Intervalo Intrajornada
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Jornada de 4 a 6 horas diárias \u2013 15 minutos;
Jornada de 6 a 8 horas diárias \u2013 1 a 2 horas;
Proibição: supressão do intervalo.
17
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Intervalo Intrajornada
Peculiaridades:
A Orientação Jurisprudencial n. 342 da SDI-1 do TST, dispõe ser \u201cinválida cláusula de acordo ou convenção coletiva de trabalho contemplando a supressão ou redução do intervalo intrajornada porque este constitui medida de higiene, saúde e segurança do trabalho, garantido por norma de ordem pública (art. 71 da CLT e art. 7º, XXII, da CF/88), infenso à negociação coletiva\u201d.
18
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Segundo o artigo 66 da CLT, entre duas jornadas de trabalho haverá um período mínimo de onze horas consecutivas para descanso;
Qualquer violação a este intervalo, será devido ao empregado o pagamento de horas extras e seus respectivos adicionais.
Intervalo Intrajornada
19
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Repouso Semanal Remunerado:
24 horas consecutivas;
Preferencialmente aos domingos;
Exceções: comerciários. (folga 1 domingo ao mês)
20
Direito do Trabalho I
AULA 16: DURAÇÃO DO TRABALHO II
Repouso Semanal Remunerado:
Súmula n. 146 do TST: o trabalho realizado aos domingos ou em feriados sem a folga compensatória dará direito ao empregado de receber esse dia em dobro, independentemente do salário fixo mensal e das sanções de ordem administrativa.
Trabalho em domingos e feriados:
21
 
22