Anemia - metabolismo do ferro
5 pág.

Anemia - metabolismo do ferro


DisciplinaBioquímica I39.354 materiais1.068.544 seguidores
Pré-visualização1 página
ANEMIA \u2013 METABOLISMO DO FERRO 
 
 O ferro é um mineral (metal de transição) vital para a homeostase celular cuja habilidade em aceitar e 
doar elétrons o torna essencial para diversas reações biológicas. Essencial para a formação da molécula heme 
(transporte de O2, geração de energia celular e detoxificação) e participa da formação de diversas proteínas. 
O heme responde por ¾ do ferro presente no corpo e sua síntese ocorre em todas as células nucleadas e em 
especial no tecido eritróide. 
 
Anemia 
 É caracterizada por uma diminuição da quantidade total do número de glóbulos vermelhos ou de he-
moglobina do sangue. 
 A deficiência de ferro resulta em anemia, contudo, seu excesso também é prejudicial à saúde, pois o 
ferro livre pode reagir com o O2 gerando radicais hidroxil e ânions superóxidos (reação de Fenton), os quais 
oxidam proteínas, lipídios e DNA causando graves lesões celulares e teciduais. 
 
Aquisição do ferro 
 O ferro utilizado pelo organismo é obtido de duas fontes principais \u2192 da dieta e da reciclagem de 
hemácias senescentes, e pode ser disponibilizado ao organismo em três formas: 
\uf0be Heme (origem animal): anel tetrapirrólico com um íon central de ferro 
\uf0be Fe2+ (origem vegetal): ferro II ou ferroso 
\uf0be Fe3+ (origem vegetal): ferro III ou férico 
 
Absorção intestinal 
 A absorção acontece pelo epitélio duodenal superior (borda em escova). O transporte do ferro do lúmen 
intestinal até a circulação sanguínea ocorre em três fases principais: 
1. Captação e internalização na membrana apical do enterócito; 
a. Fe3+ \u2192 Dcytb \u2192 Fe2+ \u2192 DMT-1 (transportador) \u2192 citoplasma 
b. Ferro no grupo heme \u2192 hemeoxigenase \u2192 remoção do Fe2+ do grupo heme 
c. Ferro intracelular muito alto: o transportador é removido da membrana 
d. Ferro intracelular baixo: o transportador volta à membrana 
2. Deslocamento intracelular; 
a. Alta quantidade de ferro intracelular: ferro fica retido na ferritina (impedir o excesso e reserva) 
b. Baixa quantidade de ferro intracelular: ferro passa pela ferroportina e é exportado 
3. Exportação para o plasma 
a. Fe2+ \u2192 ferroportinha \u2192 hefaestina \u2192 Fe3+ \u2192 transferrina \u2192 circulação 
 
 
Reciclagem 
 A fagocitose e degradação de hemácias senescentes é uma fonte importante de ferro (de 25 a 30 
mg/dia), suficiente para manter a necessidade diária de ferro para a eritropoese. Macrófagos do baço e da 
medula óssea e, em menor extensão, células de Küpffer no fígado reconhecem modificações bioquímicas na 
superfície da hemácia que vão se acumulando à medida que a célula torna-se senescente. 
 
Hemoglobina fagocitada \u2192 heme \u2192 Fe2+ \u2192 ferritina (caso em excesso \u2013 armazenamento) ou ferroportina 
(caso em baixa quantidade intracelular) \u2192 ceruloplasmina \u2192 Fe3+ \u2192 transferrina 
 
Transporte e captação do ferro 
 O ferro é transportado no plasma pela transferrina, uma glicoproteína sintetizada e secretada pelo fí-
gado, retina, testículos e cérebro capaz de transportar dois átomos de Fe3+. Em condições normais, a trans-
ferrina plasmática tem a capacidade de transportar até 12 mg de ferro, mas essa capacidade raramente é utili-
zada e, em geral, 3 mg de ferro circulam ligados à Tf (transferrina), ou seja, 30% da Tf está saturada com o 
ferro. 
 
 Mitocôndria 
 A mitocôndria é essencial para o metabolismo do ferro, já que é o único local onde ocorre a síntese do 
heme e a biossíntese dos centros de Fe-S. Após o ferro ser transportado através da membrana mitocondrial, a 
frataxina regula sua utilização destinando o ferro à síntese do heme ou à gênese dos centros de Fe-S. 
 
Ferro no citosol \u2192 entra na mitocôndria \u2192 frataxina destina o ferro para a formação do grupo heme 
 
 
 
Armazenamento de ferro 
 
 O ferro fica estocado nas células reticuloendoteliais no fígado, baço e medula óssea, nas formas de 
ferritina e hemossiderina. A apoferritina, a proteína livre do ferro, forma uma concha esférica capaz de abrigar 
até 4500 átomos de ferro na forma de Fe3+. A hemossiderina corresponde à forma degradada da ferritina, em 
que a concha proteica foi parcialmente desintegrada, permitindo que o ferro forme agregados. 
 
Homeostase do ferro 
 
 É regulada por dois mecanismos principais: um deles intracelular, de acordo com a quantidade de ferro 
que a célula dispõe, e o outro sistêmico. 
\uf0be Mecanismo intracelular: para evitar excesso de ferro livre ou falta dele dentro da célula, proteínas 
reguladoras do ferro (IRP1 E IRP2) controlam a expressão pós-transcricional dos genes moduladores 
da captação e estoque do ferro por meio da ligação a elementos de resposta ao ferro (IRE). 
 
 
 
\uf0be Mecanismo sistêmico: o ferro é eliminado do organismo pelas secreções corpóreas, descamação de 
células intestinais e epidermais ou sangramento menstrual. Assim, o controle do equilíbrio do ferro 
requer uma comunicação entre os locais de absorção, utilização e estoque. Essa comunicação é feita 
pela hepcidina, um hormôno peptídeo sintetizado no fígado que coordena o uso e estoque do ferro com 
a sua aquisição.