Conhecimentos logicos matematicos apol nota 100
4 pág.

Conhecimentos logicos matematicos apol nota 100


DisciplinaEstudos Lógicos Matemáticos I23 materiais64 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Qu estão 1/5 - Funda men tos e Me to dologias Para Aq uis ão do Conhec ime nto L ógic o
Cons ide re as infor mações do fra gme nto de te xto a se guir :
“A ep iste mo lo gia ge nét ica co mpree nde a apre nd iza ge m co mo um proce sso q ue o a luno co ns t i, opo ndo - se fir me me nte co ntra o s mé todos tra ns mis s ivos
de ens ino
Fo n te: C itação elab o rad a p elo au to r d a q u estão .
Le va ndo e m co ns ide ração o fra gme nto do te xto ac ima e o co nte údo do te xto ba se A ulas inve stigativas e a cons tr ução de co nce ito s de ma te má t ic a : um
est udo a par t ir da teor ia de P ia get a abs tr ão se gundo P ia ge t se mostra de d uas fo r ma s : a abs traç ão e mp íric a e a o ut ra abs tração
re fle xio na nte /re fle xiva . As d uas fo r mas es tão re lac io nada s aos esq ue ma s de ass imila ção do suje ito. A na lise as ass ert ivas q ue se gue m e ma rq ue V para
as asserçõ es verdade ira s e F para as fa lsas.
I. A abs tração e mp ír ica não se apo ia e m obj etos s icos, so me nte e m co gnit ivo s.
II. A ab stra ção re fle xiva/ Re fle xio na nte se apo ia e m todas as for mas e a t ivid ades co gnit ivas do s uj e ito.
III. A abst ração e mp ír ica fo r nece co nce ituaçõ es at ra vés do pro cesso mecâ nico d e me mor ização.
IV. A abst ração Re fle xio na nte co mpo rta do is aspec tos : o re fle xio na me nto e a re fle xão.
A gora, as s ina le a a lter na t iva q ue aprese nta a seq uê nc ia co rret a :
A
V - V - V - F
B
F - F - F - V
C
F - V - F - V
D
V - V - F - V
E
F - F - V - V
Qu estão 2/ 5 - Funda men to s e Me to dologias Par a Aq uisiç ão do Conhec ime nto L ógic o
Le ia o fra gme nto de te xto :
“A preoc upaç ão co m o co nhec ime nto huma no não é no va. Pra t ica me nte todos os po vo s da a nt iguidade de senvo lvera m for mas d iversa s de sabe r. Ao se
deparare m co m um mundo e xtre ma me nte co mp le xo, os gre gos t ivera m uma p reoc upação ma is s is te má t ica e filo fic a co m as co nd ições d e for mação do
conhec ime nto : Fo i e ntão q ue s ur giu o p r ime iro t ipo d e co nhec ime nto huma no e laborado ": o co nhec ime nt o mít ico. A p a la vr a mito ve m d e myt hos,
or ige m gre ga, q ue q uer d izer : pa la vra q ue s imbo liza o mundo .
Apó s esta a v a lia çã o , caso q u eira ler o texto in teg ralmen te, ele está d i sp o n ív el em: NOVA S KI, L. K arina. A Or ig em e a C o n s tru ção d o co n h ecimen to h u man o : Uma Pers pectiv a F ilo fica. B ib lio teca Dig ital d a Un ica mp.
< h tt p ://www.b ib lio tecad ig ital.u n icamp .b r/d o cument/?co d e=0 0 0 2 96 9 08>. A cess o em: 1 9 ab r. 201 7
Te ndo e m vis ta a dada c itação e o co nte údo do te xto - base M ate mát ica Co nc re ta X M ate má tica A bs tra t a: M ito ou R e ali da de sobre a or ige m do
conhec ime nto, se gundo P ia get, a na lis e as se guinte a sserçõ es :
I. O conhec ime nto te m s ua or ige m na at ividade do s uje ito sobr e o me io e, não ape nas, na s propr iedades ob jet ivas da rea lidad e.
PARA PIA G ET
II. A o r ige m do co nhec ime nto huma no pode se r e xp licada a pa rt ir da inter ão e ntr e o ind id uo e a rea lid ade atra vé s da at ivi dade huma na.
A respe ito de ssas as seõe s, ass ina le a a lte r nat iva cor reta :
A
As as s erções I e II s ão v erd ad eir as.
B
As as s erções I e II s ão fa ls as .
C
A ass erçã o I é fa ls a e a as s erçã o II é ver da de ira.
D
A ass erçã o I é v erd ad eir a e a as s erç ã o II é f als a.
E
A ass erçã o I n ão tra ta do m es m o c o nt eú do d a as s erç ão II.
Le ia a se guinte a fir mat iva :
“A teo r ia dos números é o est udo do s núme ros nat ura is o u int e iro s pos it ivos 1, 2, 3, 4,... e s uas prop r iedad es. O ma te t ico Leopo ld K ro necker cert a ve z
obser vo u q ue, ao se trat ar de ma te mát ica, De us cr io u os número s na t ura is e o re sto é obr a da huma nidade .
Apó s esta a v a lia çã o , cas o q u eira ler o tex to in teg ralmen te, ele está d is p o n ív el em: T eo ria do s mero s: a ra inh a da ma temá tica . O s eu p o rtal mate tico - Só m ate tic a. <h ttp ://www.s o mate mati ca.co m. b r/ co lu n a/g is ele/25 0 5 20 01 .p h p >. Acess o em 0 4 ab r. 2 01 7 .
Cons ide ra ndo o e xce rto de te xto e o co nte údo do te xto- base A A bs t ração R e fle xiona nte e a Pro dução do Conhe ci me nto M ate mático sobre o
ca minho da a na lis e ep is te mo gic a da ma te má t ica, ass ina le a a fir mat iva cor reta :
A
Na m at em á tic a, n ad a é r eal .
B
A m at em át ic a é um a c i ênc i a e x ata , por ém, nã o ri go ros a .
C
Não nov os co nh ecim e ntos m atem átic os sen do pr od uz i dos n o m un do h oje .
D
A m at em át ic a t em ac ordo com o r ea l e p erm a nec e ri gor os a ap es ar d o se u car át er co ns trut i vo e de t od a a s ua fec un di da de .
E
Tud o é co nc ret o, bas ea do n o rac ioc ínio mat emát ico.
Qu estão 4/ 5 - Funda men to s e Me to dologias Par a Aq uisiç ão do Conhec ime nto L ógic o
Le ia o e xcer to de te xto a se guir :
“Há um mundo secre to lá fora. U m univer so para le lo oc ulto de be le za e ele gâ nc ia, e nt re la çado intr icada me nte co m o no sso. É o mundo da mate mát ica.
E é invis íve l pa ra a ma io r ia de nós .
Apó s esta a v a lia çã o , cas o q u eira ler o tex to in teg ralmen te ele es tá d is p o n ív el em: F REN KEL, Ed ward . O A mo r e a M ate mátic a: O co raç ão d a R ealid ade Escon d i da. C asa d as Letras . p . 1 1 <h ttp ://mult imed ia. fn ac.p t/mu lti media/P T/p d f/97 8 989 741 3 36 0 .p d f> . Acess o em 2 1 abr. 20 1 7 .
Cons ide ra ndo o dado fra gme nto d e te xto e o te xto - base M ate mát ica Co nc re ta X M ate mát ica A bs trata : M ito o u R e alida de ? , sob re a abstração
re fle xiva, ass ina le a a lter na t iva co rre ta :
A
Tem c omo s uport e o m u nd o das id ei as e das r el açõ es .
B
Tem c omo s uport e o m u nd o das c o is as, dos ob jet os.
C
A a bstraçã o r efl e xi va tem c omo s u por te a r e ali da de conc r et a.
D
Na a bstr ação ref le xi v a t ud o é co nc ret o.
E
A a bstraçã o r efl e xi va tem c omo s u por te o c oti di an o.
Qu estão 5/ 5 - Funda men to s e Me to dologias Par a Aq uisiç ão do Conhec ime nto L ógic o
Cons ide re as infor mações do fra gme nto de te xto a se guir :
[... ]a for ma co mo ve mo s/e nte nde mos a M ate t ica te m for tes imp licaçõe s no modo co mo e nte nde mo s e pra t ica mos o e ns ino da Mate mática e vice-
ver sa.
Apó s esta a v a lia çã o , caso q u eira ler o t exto in teg ralmen te ele es tá d is p o n ív el em: F IOR ENT IN I, D. Alg u ns Mo d o s d e v er e co n ceber o en s in o d a matemáti ca n o B ras il. In : FIOR E NT I NI, D. R ev ista Ze tetik ê, ano 3 , n .4 , Campin as /SP: Un icamp , 1 9 9 5 , p. 1 -35.p . 4 .