A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
av1 Direito penal aplicado

Pré-visualização|Página 1 de 3

21/04/2019 Conteúdo Interativo
estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2560712&classId=1158787&topicId=2121539&p0=03c7c0ace395d80182db07ae2c30f034&en
1/3
1a Questão
Qual das afirmações abaixo define corretamente o conceito do princípio da reserva legal?
A pena só pode ser imposta a quem, agindo com dolo ou culpa, e merecendo juízo de reprovação, cometeu um fato típico e
antijurídico
A pena deve estar proporcional ou adequada à magnitude da lesão ao bem jurídico representada pelo delito e a medida de
segurança à periculosidade criminal do agente.
Não há crime sem lei que o defina; não há pena sem cominação legal.
A criminalização de uma conduta só se legitima se constituir meio necessário para a proteção de determinado bem jurídico;
Nenhuma pena passará da pessoa do condenado
Explicação:
O princípio da reserva legal limita o poder estatal de interferir na esfera de liberdades individuais, ou seja, a infração penal somente
pode ser criada por lei em sentido estrito.
2a Questão
O estudo da evolução histórico-penal é de suma importância para uma avaliação correta da mentalidade e dos princípios que
nortearam o sistema punitivo contemporâneo. Assim, assinale a alternativa CORRETA:
nenhuma das afirmativas
a novatio legis in mellius é uma causa de extinção da punibilidade
a novatio legis incriminadora deixa de considerar como crime um fato que anteriormente era criminalizado.
a abolitio criminis é a lei posterior que deixa de considerar como crime, uma conduta que anteriormente era considerada
criminosa, a exemplo do que ocorreu com a lei que revogou o antigo crime de adultério.
a abolitio criminis não opera seus efeitos quando houver sentença condenatória com trânsito em julgado, em respeito ao
princípio da coisa julgada.
Explicação:
O ALUNO DEVERÁ DIFERENCIAR OS Princípios constitucionais e infraconstitucionais
3a Questão
O inciso XXXIX do artigo 5.º da Constituição Federal de 1988 repete o artigo 1.º do Código Penal que preceitua o seguinte: ¿Não há
crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal¿. Nesse sentido, é correto dizer que tal princípio é
denominado de:
Princípio do Livre Convencimento
Princípio da Dignidade Humana
Princípio da Legalidade
Princípio da retroatividade.
Princípio do Contraditório
Explicação: O inciso XXXIX do artigo 5.º da Constituição Federal de 1988 repete o artigo 1.º do Código Penal que preceitua o
seguinte: ¿Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal¿. Nesse sentido, é correto dizer que tal
princípio é denominado de Princípio da Legalidade.
4a Questão
A vida em sociedade impõe ao ser humano uma série de relações com seus semelhantes. Nem sempre essas relações serão
pacíficas. Os conflitos podem surgir e, dessa forma, a vida em sociedade depende de uma regulamentação. No que tange à disciplina
em estudo, Direito Penal, cumpre destacar que o Estado, criado para proteger os seres humanos e lhes garantir um bem-estar,
protege os bens mais importantes da sociedade erigindo a condução de bens tutelados pelo direito penal. Assim, quando os bens do
homem (vida, patrimônio liberdade, dignidade sexual etc.) recebem essa proteção de uma norma elaborada pelo Estado. Nesse
sentido, a função do Direto Penal é:
Proteger os direitos humanos
Proteger a ordem pública

21/04/2019 Conteúdo Interativo
estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2560712&classId=1158787&topicId=2121539&p0=03c7c0ace395d80182db07ae2c30f034&en
2/3
Proteger os bens jurídicos.
Proteger a honra.
Proteger o patrimônio
Explicação:
Os bens jurídicos são os bens da vida, tutelados por uma norma penal que incrimina quem os atinge ou coloca em risco. A partir da
prática de uma dessa condutas incriminadas pelo direito penal, surge para o Estado o poder-dever de exercer seu ius puniendi
(direito de punir).
5a Questão
Parece existir uma relevante importância do processo histórico na compreensão da filosofia e dos princípios do Direito Penal
Contemporâneo. Crimes e castigos existiram na sociedade humana desde os primórdios. Assim, relativamente aos princípios de
Direito Penal, assinale a alternativa INCORRETA:
não há pena sem prévia cominação legal.
nenhuma das alternativas
Os crimes hediondos não estão sujeitos ao princípio da anterioridade da lei penal.
Não há crime sem lei anterior que o defina.
A lei posterior que de qualquer modo favorece o agente aplica-se aos fatos anteriores.
Explicação:
O ALUNO DEVERÁ DIFERENCIAR OS Princípios constitucionais e infraconstitucionais
6a Questão
Em relação ao princípio da insignificância, assinale a afirmativa correta:
A mínima ofensividade da conduta, a ausência de periculosidade social da ação, o reduzido grau de reprovabilidade do
comportamento e a inexpressividade da lesão jurídica constituem, para o Supremo Tribunal Federal, requisitos de ordem
objetiva autorizadores da aplicação do princípio da insignificância.
O princípio da insignificância funciona como causa de diminuição de pena.
O princípio da insignificância funciona como causa de exclusão da culpabilidade. A conduta do agente, embora típica e ilícita,
não é culpável.
A jurisprudência predominante dos tribunais superiores é acorde em admitir a aplicação do princípio da insignificância em
crimes praticados com emprego de violência ou grave ameaça à pessoa (a exemplo do roubo).
O princípio da insignificância juntamente com o princípio da máxima intervenção atuam como limitadores ao poder punitivo
do Estado.
Explicação:
Esse é o posicionamento do Supremo Tribunal Federal com relação a aplicação do princípio da insignificância.
7a Questão
A pena não é senão a sanção do preceito ditado pela lei eterna, que sempre tende à conservação da humanidade e a proteção de
seus direitos, que sempre procede com observância às normas de Justiça, e sempre responde ao sentimento da consciência universal
- Carrara. Assim, o princípio da ultima ratio:
praticamente erradica a responsabilidade objetiva enunciando que não há crime sem culpabilidade.
implica na irretroatividade da lei penal.
estabelece que, a elaboração de normas incriminadoras é função exclusiva da lei.
estipula que a criminalização de uma conduta só se legitima se constituir meio necessário para a proteção de determinado
bem jurídico.
nenhuma das afirmativas.

21/04/2019 Conteúdo Interativo
estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2560712&classId=1158787&topicId=2121539&p0=03c7c0ace395d80182db07ae2c30f034&en
3/3
Explicação:
O ALUNO DEVERÁ DIFERENCIAR OS Princípios constitucionais e infraconstitucionais
8a Questão
Não se pode perder de vista que ao ser humano deve ser outorgada toda a dignidade a ele inerente e que tudo que se contrapõe a
isso seja repudiado com toda a força da lei. Assim, marque a alternativa CORRETA de acordo com os princípios limitadores da
atividade penal:
O princípio da fragmentariedade informa que o Direito Penal somente pode incriminar condutas que efetivamente causem
lesão ao bem jurídico tutelado pela norma penal incriminadora.
o princípio da ultima ratio informa que o Direito Penal somente pode ser utilizado em casos extremos, que afetem os bem
jurídicos mais importantes na sociedade, quando os outros ramos do direito não conseguirem solucionar de forma efetiva a
lesão ocorrida.
o princípio da insignificância pode ser aplicado sempre que a lesão causada não houver lesionado efetivamente o bem
jurídico tutelado, inclusive nos crimes contra a administração pública.
O princípio da legalidade informa que, eventualmente, condutas criminosas podem ser caracterizadas por costumes.
nenhuma das afirmativas.
Explicação:
O ALUNO DEVERÁ DIFERENCIAR OS Princípios constitucionais e infraconstitucionais