psicologia_do_desenvolvimento
292 pág.

psicologia_do_desenvolvimento


DisciplinaPsicologia76.918 materiais522.643 seguidores
Pré-visualização50 páginas
p. 33)
Essa coordenação do ato com a fala leva a uma dupla função da linguagem 
na mente da criança, ou seja, agora, além de usar a fala como forma de comuni-
cação, a criança também a usa como planejadora da ação: ela consegue utilizar 
a linguagem interior como organizadora da sua própria atividade. Cabe ressaltar 
que essas funções eram independentes, não se correlacionavam. Agora, ao coor-
denar as funções, a criança utiliza a linguagem para o planejamento das ações. E 
a atividade assim organizada é atributo da espécie humana.
O uso da linguagem como coordenadora das ações das crianças se eviden-
cia quando elas começam a utilizar a linguagem para auxiliar o plano da ação 
que desejam realizar. Vygotsky (1988) faz uma analogia para essa fase em que 
as crianças começam a desenhar. As crianças pequenas comentam em voz alta 
62
Psicologia do Desenvolvimento
sobre a cor do lápis que irão utilizar, os traços que irão fazer, o que pretendem 
desenhar \u2013 enfim, descrevem o processo que irão realizar. No entanto, elas dão 
nome aos desenhos somente depois de completá-los, pois têm necessidade 
de ver primeiro antes de decidir o que o desenho significa. Diferentemente, as 
crianças maiores, antes de desenhar, já conseguem planejar e nomear o que vão 
fazer. Vygotsky (1988) considera que, quando a criança é pequena, a fala acom-
panha as suas ações. Em um estágio posterior, quando a criança cresce, a fala 
precede a ação.
De acordo com Oliveira (1992), em fases mais avançadas do desenvolvimen-
to da linguagem como instrumento social, a fala, que antes era utilizada para 
intercâmbio com as pessoas, passa a ser internalizada. Ou seja, a criança já não 
diz em voz alta tudo o que deseja realizar, não descreve o seu plano de ação: no 
processo de internalização da fala, a criança passa a utilizar a linguagem como 
instrumento de pensamento. A forma internalizada da linguagem é um meca-
nismo pelo qual as crianças começam a pensar antes de dizer, e já não dizem 
tudo o que pensam. Vygotsky denomina esse processo como auto-regulação.
Como é possível verificar, portanto, a relação entre pensamento e fala não é 
linear: ela é dinâmica, funcional e dialética. Para Newman e Holzman (2002), o 
estudo da fala/pensamento como instrumento/resultado e os estudos dos jogos 
de linguagem ajudam a entender como os significados são culturalmente cons-
truídos. Assim, o jogo revolucionário de criar novos significados mostra a ativi-
dade social da linguagem e do pensamento.
Texto complementar
Vygotsky e a linguagem
(FREITAS, 1996, p. 92-93)
A linguagem foi uma preocupação central para Vygotsky, desde os seus 
anos de formação. Estudou-a e deu a ela um lugar destacado em sua teoria, 
abordando-a não como um sistema linguístico de estrutura abstrata, mas 
em seu aspecto funcional, psicológico. Interessava-lhe estudar a linguagem 
como constituidora do sujeito, procurando, portanto, enfocar em seus estu-
dos a relação pensamento-linguagem.
A função do instrumento, do símbolo e da linguagem no desenvolvimento humano
63
As ideias fundamentais sobre esse tema, Vygotsky desenvolveu-as em 
seu livro \u201cPensamento e Linguagem\u201d. Escreveu a maioria de seus capítulos 
entre os anos de 1929 e 1934. O primeiro e o último capítulos, escritos pouco 
tempo antes de sua morte, encerram o núcleo essencial de sua abordagem, 
apontando uma nova concepção dos processos mentais. Infelizmente, tal 
abordagem permaneceu apenas enunciada, faltando-lhe tempo para o 
aprofundamento necessário.
Segundo Adam Schaff, essa problemática da relação pensamento-lingua-
gem sempre foi subestimada pela maioria dos psicólogos ou, então, tratada 
de maneira bastante restrita. Para esse autor, foi Vygotsky quem conseguiu 
abordar a questão em toda a sua extensão, tratando-a como um objeto con-
creto de pesquisa e captando a real importância dessa relação no processo 
de evolução do homem.
As concepções clássicas sobre a relação pensamento e linguagem con-
sideravam-na como invariável ao longo do desenvolvimento. Vygotsky, ao 
contrário, percebia a conexão entre pensamento e linguagem, como originá-
ria do desenvolvimento, evoluindo ao longo dele, num processo dinâmico. 
Ele estudou o tipo de relacionamento existente entre pensamento e lingua-
gem na criança e como essa relação se modifica ao se aproximar da idade 
adulta. Considerou que pensamento e linguagem têm \u2013 na filogênese e na 
ontogênese \u2013 raízes genéticas diferentes, mas se sintetizam dialeticamente 
no desenvolvimento.
Nas crianças pequenas, o pensamento evolui sem a linguagem. Os pri-
meiros balbucios se formam sem o pensamento e têm como objetivo atrair a 
atenção do adulto. Percebe-se assim a presença de uma função social da fala, 
desde os primeiros meses da criança. Segundo Vygotsky, pode-se estabele-
cer no desenvolvimento da fala da criança uma linguagem pré-intelectual e 
no desenvolvimento de seu pensamento, um pensamento pré-linguístico. 
Aos dois anos de idade, o pensamento pré-linguístico e a linguagem pré-
intelectual se encontram e se juntam, surgindo um novo tipo de orga-
nização linguístico-cognitivo. A essa altura, quando essas duas linhas se 
encontram, o pensamento se torna verbal e a linguagem racional. A partir daí 
a criança começa a perceber propósito da fala e que cada coisa tem um nome. 
A fala começa a servir ao intelecto e o pensamento começa a ser verbalizado. 
Desse momento em diante, a criança passa a sentir a necessidade das palavras, 
tenta aprender os signos: é a descoberta da função simbólica da palavra.
64
Psicologia do Desenvolvimento
As posições tradicionais compreendiam pensamento-linguagem como 
elementos de desenvolvimento autônomo ou então reduzidos às explica-
ções de hábitos reflexos. Vygotsky, procurando superá-las, compreendeu 
que era necessário definir uma unidade de análise adequada para estudar as 
relações entre pensamento e linguagem.
Dessa maneira, procurou entender o pensamento verbal \u2013 não analitica-
mente separado em seus componentes: pensamento e palavra \u2013 mas através 
de uma unidade, contendo a propriedade de um todo. Essa unidade, para 
compreender o pensamento verbal, é o significado das palavras. O signifi-
cado é um fenômeno da fala: palavras sem significado são apenas um som 
vazio. É um fenômeno de pensamento: o significado de cada palavra é uma 
generalização, um conceito que, por sua vez, são atos do pensamento.
Atividades
1. Qual estágio representa um momento expressivo no desenvolvimento do 
bebê?
A função do instrumento, do símbolo e da linguagem no desenvolvimento humano
65
2. O brinquedo foi um instrumento elaborado historicamente para criança 
brincar e também traz modas aparentes nas suas representações. Descreva 
os significados simbólicos dos brinquedos:
a) boneca Barbie;
b) boneca Africana.
 Como esses podem ser usados na educação?
Dicas de estudo
LURIA, Alexander R; YODOVICH, F. I. Linguagem e Desenvolvimento Intelectu-
al na Criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
Indicação de filme: Ninguém Segura esse Bebê (EUA, 1994). Direção de Patrick 
Read Johnson.
Sem ser notado, um bebê escapa de três sequestradores e vive diversas aven-
turas na cidade de Nova York. O filme retrata o universo americano na perspec-
tiva de um \u201cbebê falante\u201d.
A formação de conceitos elementares
A apropriação da linguagem é um processo muito dinâmico, relacio-
nado a diferentes fatores determinantes. O meio cultural, as pessoas nele 
inseridas, os costumes sociais e familiares, a relação com a comunidade, 
a escola: essa multideterminação faz com que cada criança, de modo di-
ferenciado, vá se apropriando da linguagem à medida que participa ati-
vamente das interações com esses segmentos. Assim, notamos que a so-
ciedade organiza e estrutura o ambiente social e natural mediante o uso 
de elementos classificadores. Por exemplo, percebemos