resumo farmacologia
73 pág.

resumo farmacologia


DisciplinaFarmacodinâmica614 materiais2.215 seguidores
Pré-visualização20 páginas
oxigênio. Ademais , reduz o risco de morte após infarto do miocardio, através de sua ação antiarritmica. 
Caderno 
 Presente no miocárdio, dim o consumo de oxigênio pelo coração, dim DC, inibe a secreção de renina nos rins, 
dim o tônus. Ex.: Propanolol, metropolol 
 
\u2022 Bloqueadores do canais de cálcio (ou antagonistas de cálcio) \u2013 bloqueiam a entrada de cálcio, impedindo a 
abertura dos canais de cálcio controlados por voltagem. Impedem espasmos e a vasoconstrição. Ex.: verapamil, 
diltiazem. 
Efeitos sobre a musculatura lisa \u2013 dilatação arteriolar generalizada 
Efeito cardíaco \u2013 proteção isquêmica, vasodilatação e a dim do trabalho cardíaco reduzem a demanda 
metabólica cardíaca. 
Reação adversa- constipação, hipotensão postural, cefaleia. 
 
__________________________________________________________________________________________________ 
Cardiotônicos 
 
Cardiotônicos: Aumentam a força de contração e o DC, indicados no tratamento de Insuficiência Cardíaca.. 
Tratamento de ICC e aritimias cardíacas 
Fisiologia da Insuficiência Cardíaca 
Insuficiência Cardíaca: falha do coração em bombear sangue suficiente para suprir as necessidades de O2 e nutrientes 
do organismo. Causando dim do DC, e excesso de trabalho para o coração. 
 
 
 Fármaco 55 
 
 
Insuficiência cardíaca aguda: 
\u2193DC 
 
Baroreceptores 
 
 Taquicardia \u2191 RVP \u2191 Sistema RAA 
 
 
Insuficiência Cardíaca (resposta tardia): 
DC 
 
Compensação renal (retenção de água e sódio) 
 
 
 
 
Edema 
 
Sinais e Sintomas: Taquicardia, \u2193 tolerância exercício, dispnéia, edema periférico e pulmonar, cardiomegalia. 
 
 
Medicamentos Cardiotônicos: 
\ufffd Digitálicos (inibição de na+/K+/ Atpase) \u2013 inibe a saída de [Na+]i despolarizando a fibra abrindo Voc\u2019s de Ca++, que 
estimula a saída de calcio do reticulo. 
Ex.: digoxina, oubaina, digitoxina (deve-se evitar o uso desses medicamentos com cafeína pois potencializa seu efeito). 
Efeitos: aum [Ca++] dentro do miocito, aum FC = ionotropismo positivo 
Dim FC = cronotropismo negativo. Levam tbm a uma inibição da atividade simpática adrenérgica. 
 
\ufffd Não digitálicos \u2013 aum [Ca++]i sobre dois mecanismo: 
- agonistas B1 (dopamina, dobutamina) aum a síntese de AMPc e produção de Ca++ 
- inibidores da fosfodiesterase (PDE) reduzem a degradação de AMPc. Ex.: milrirona 
 
Efeitos \u2013 aum [AMPc]= aum o inotropismo, vasodilatação. 
 
 
Dilatação coração 
Edema pulmonar 
Desoxigenação 
Edema periférico 
 Fármaco 56 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Fármaco 57 
 
Secreção gástrica 
As principais secreções do estômago são: Ácido Clorídrico (HCl), Pepsinas, Fator Intrínseco, Muco, Bicarbonato, 
Gastrina, Histamina. 
Glândulas gástricas 
\u2022 Glândulas mucosas do colo: recobrem a superfície da mucosa gástrica 
\u2022 Glândulas gástricas (ou oxínticas): 
\u2022 ácido clorídrico 
\u2022 pepsinogênio 
\u2022 histamina 
\u2022 fator intrínseco 
 
\u2022 Glândulas pilóricas: 
\u2022 gastrina 
 
Secreção Ácida Gástrica 
O líquido secretado e lançado no estômago é denominado suco gástrico, sendo uma mistura de secreções das células 
epiteliais superficiais e das secreções das glândulas gástricas. Os componentes do suco gástrico: Água, HCl, Pepsina, 
Fator Intrínseco, Muco, Bicarbonato 
 
Ácido Clorídrico 
Produzido pelas células parietais. 
Três agonistas fisiológicos da secreção de HCl por parte das células parietais: 
1. Histamina (parácrino) (inibição da cimetidina) 
2. Acetilcolina (neurócrino) 
3. Gastrina (endócrino) 
Destrói a maioria dos microorganismos digeridos. Catalisa a clivagem dos Pepsinogênios inativos em Pepsinas ativas. 
Proporciona um ambiente com pH baixo que é necessário à ação das Pepsinas na digestão de proteínas e peptídeos. 
Mecanismo de secreção do HCl 
O íon H+ é bombeado para o estômago contra um gradiente de concentração (pH de 7 para pH de 1). Bomba de H+-K+-
ATPase (inibição do omeprazol). 
Gastrina 
Liberada pelas células G, no antro gástrico, promove a secreção de HCl e dos Pepsinogênios. Estimula a produção de 
histamina, que irá estimular as células parietais a produzirem HCl. A secretina e o peptídeo inibitório gástrico, 
produzidos no intestino delgado inibem a produção de gastrina. Quando o pH do suco gástrico cai abaixo de 3,0 à 
secreção de gastrina é inibida. Estímulos nervosos vagais liberam o Peptídeo liberador de gastrina - GRP (ou 
bombesina). 
 
 Fármaco 58 
 
Pepsinas 
Grupo de proteases secretadas pelas células principais das glândulas gástricas. São secretadas como pró-enzimas 
inativas, denominadas pepsinogênios. Os pepsinogênios são transformados em pepsinas ativas pela clivagem das 
ligações ácido-lábeis, quanto mais baixo é o pH mais rápido é a conversão. As pepsinas podem digerir até 20% das 
proteínas existentes em uma refeição típica. Quando o conteúdo duodenal é neutralizado, as pepsinas são inativadas 
irreversivelmente pelo pH neutro. 
Fator Intrínseco 
Glicoproteína secretada pelas células parietais do estômago, necessário a absorção normal de Vitamina B12 (fixa a 
Vitamina B12 e permite que seja absorvida no íleo). É liberado em resposta aos mesmos estímulos que induzem a 
secreção de HCl pelas células parietais. A secreção do fator intrínseco é única função gástrica essencial para a vida 
humana. 
Secreção de Muco 
As mucinas são secretadas pelas células mucosas, localizadas nos colos das glândulas gástricas, e pelas células epiteliais 
superficiais. A manutenção da camada mucosa protetora requer a síntese contínua de novas mucinas que deverão 
substituir aquelas que são clivadas pelas pepsinas. A secreção do muco é estimulada por alguns dos mesmos estímulos 
que aceleram a secreção do ácido e dos pepsinogênios, especialmente pela acetilcolina. 
Secreção de Bicarbonato 
As células epiteliais superficiais secretam também um líquido aquoso que contém Bicarbonato (HCO3-). O Bicarbonato é 
aprisionado pelo muco viscoso, tornando alcalina a camada mucosa. O gel mucoso protetor, que se forma sobre a 
superfície luminal do estômago, e as secreções alcalinas nele contidas constituem uma barreira mucosa gástrica que 
previne o ataque da mucosa pelo conteúdo gástrico. O muco permite que o pH das células epiteliais (pH=7) seja 
mantido nas vizinhanças de um valor neutro, apesar de pH luminal baixo (pH=2). 
Barreira Mucosa Gástrica 
A proteção do epitélio gástrico depende da secreção de muco e Bicarbonato, isolados nenhum dos dois consegue 
manter próximo dos valores neutros o pH da superfície das células epiteliais. 
Mecanismo protetor da mucosa \u2013 prostaglandinas E2 e I2 (aum a produção de muco e de bicarbonato -> dim a secreção 
acida, aum a vasodilatação). 
 
Secreção gástrica 
Plexo submucoso \u2013 relacionado com secreção 
Plexo mioentérico \u2013 relacionado com contração 
 
Secreção gástrica 
\u2022 Reduzir: terapia antissecretória (inibe H+/K+/ATPase) 
\u2022 Neutralizar: terapia por antagonismo químico. 
Obs.: a cafeína e o cálcio estimulam as cels pépticas e parietais. A elevação do pH na região gástrica estimula a secreção 
de mais acido = REBOTE ÁCIDO. 
Estimulado pela Ach 
 Fármaco 59 
 
 
 
 
 
1) Terapia antissecretória (reduz a secreção de intrínseco, importante para absorção da vitamina B12 na região 
intestinal) 
\u2022 Antagonista de receptor H2 (um grupo de fármacos, que são usados no tratamento e úlceras gastrointestinais)- 
Cimetidina, ranitidina, loxatidina 
Mecanismo de ação - São antagonistas competitivos (bloqueadores) do receptor da histamina das células parietais e 
nos mastócitos do estômago. 
 
\u2022