DIREITO AMBIENTAL 2014-1.pdf
181 pág.

DIREITO AMBIENTAL 2014-1.pdf


DisciplinaAmbiental1.358 materiais4.775 seguidores
Pré-visualização50 páginas
da Constituição Federal de 1988:
CAPÍTULO VI
DO MEIO AMBI ENTE
Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, 
bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se 
ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as 
presentes e futuras gerações.
§ 1º\u2013Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:
I\u2013preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo 
ecológico das espécies e ecossiste mas;
II\u2013preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e 
fi scalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genéti co;  
III\u2013defi nir, em todas as unidades da Federação, espaços territoriais e seus 
componentes a serem especialmente protegidos, sendo a alteração e a supressão 
permitidas somente através de lei, vedada qualquer utilização que comprometa 
a integridade dos atributos que justifi quem sua prote ção; 
IV\u2013exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencial-
mente causadora de signifi cativa degradação do meio ambiente, estudo prévio 
de impacto ambiental, a que se dará publicidade;
V\u2013controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos 
e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio 
ambiente;
VI\u2013promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a cons-
cientização pública para a preservação do meio ambiente;
VII\u2013proteger a fauna e a fl ora, vedadas, na forma da lei, as práticas que 
coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou 
submetam os animais a crueldade. 
§ 2º\u2013Aquele que explorar recursos minerais fi ca obrigado a recuperar o meio 
ambiente degradado, de acordo com solução técnica exigida pelo órgão público 
competente, na forma da lei.
§ 3º\u2013As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeita-
rão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, 
independentemente da obrigação de reparar os danos causados.
DIREITO AMBIENTAL
FGV DIREITO RIO 19
§ 4º\u2013A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o 
Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utili-
zação far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação 
do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.
§ 5º\u2013São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados, por 
ações discriminatórias, necessárias à proteção dos ecossistemas naturais.
§ 6º\u2013As usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua localização 
defi nida em lei federal, sem o que não poderão ser instaladas.
4) Para ilustrar a infl uência dos textos das Declarações de Estocolmo e do Rio 
na formação de princípios que, posteriormente, são incorporados ao direito 
ambiental brasileiro, bem como dos confl itos de interesse existentes à época 
e que dividiam os países do Norte e do Sul, considere o quadro abaixo, pre-
parado pelos alunos da graduação da Escola de Direito da Fundação Getulio 
Vargas no Rio de Janeiro (FGV DIREITO RIO), Adriana Reino, Marcus 
Vinicius Rondinelli e Luiz Phillippe D´Eça:
Princípios e Interesses dos países do \u201cNorte\u201de do \u201cSul\u201d | Declaração da Conferên-
cia de ONU no Ambiente Humano \u201972
Estocolmo \u201872
Princípios Norte Sul
Direito à sadia quali-
dade de vida
- 1 > Primeira parte (bem comum); 
- 1 > primeira parte interesse comum 
(bem comum), segunda parte proble-
mas históricos dos países do sul;
- 8 > Interesse do sul que busca se de-
senvolver
Acesso equitativo aos 
recursos naturais
- 2 > interesse comum (preserva-
ção);
- 3 > interesse comum contudo 
uma preocupação primordial do 
norte devido a escassez de terra;
- 4 > interesse do norte ao querer 
delimitar a forma de desenvolvi-
mento;
- 5 > Interesse do norte de ter aces-
so aos recursos naturais do sul;
- 2 > interesse comum (preservação);
- 10 > interesse do sul, versa unicamente 
sobre os países e, desenvolvimento
Precaução e preven-
ção
- 14 > interesse do norte ao querer 
delimitar a forma de desenvolvi-
mento;
- 16 > Interesse do Norte preocu-
pação demográfi ca. 
- 15 > interesse do sul ao determinar o 
abandono dos projetos colonialistas;
- 16 > interesse do sul em controlar o 
consumo nos países do norte
Reparação
- 22 > interesse comum
DIREITO AMBIENTAL
FGV DIREITO RIO 20
Informação 
- 19 > Interesse do Norte em disse-
minar suas regras; 
- 11 > Interesse do sul pois determina o 
incentivo ao crescimento dos países 
em desenvolvimento;
- 20 > Interesse do Sul de ter acesso a 
tecnologia
Participação
- 1, primeira parte > interesse 
comum (bem comum);
- 4 > Interesse do Norte ao querer 
delimitar a forma de desenvolvi-
mento;
- 6 > Interesse do Norte contra a 
industrialização do sul;
- 24 > Interesse comum (origem 
norte);
- 25 > Interesse Comum. 
- 25 > Interesse Comum;
- 26 > Interesse do Sul que não Possui 
tais armas.
Obrigatoriedade de 
intervenção do 
Poder Público
- 7 > Interesse comum;
- 11 > Interesse do sul pois deter-
mina o incentivo ao crescimento 
dos países em desenvolvimento;
- 13 > Interesse do Norte que bus-
ca delimitar a forma de cresci-
mento do sul;
- 17 > interesse do sul em proteger 
das infl uências externas;
- 22 > Interesse comum
- 7 > Interesse comum
Acesso à tecnologia - 18 > Interesse comum - 18 > Interesse comum
Desenvolvimento 
Sustentável
- 2; 3; 4; 5; 6; 7; 13; 14; 15; 16
Soberania Nacional 
- 21 > Interesse comum;
- 17 > interesse do sul em proteger 
das infl uências externas.
- 21 > Interesse comum;
- 23 > Interesse do sul ao se proteger de 
normas adequadas apenas aos países 
do norte e dos altos custos de imple-
mentação destas.
Princípios e Interesses dos países do \u201cNorte\u201de do \u201cSul\u201d | Declaração do Rio sobre 
Meio Ambiente e Desenvolvimento \u201892
DIREITO AMBIENTAL
FGV DIREITO RIO 21
Princípios das Declarações de Estocolmo que aparecem na CF/88 CF/88
Princípios CF/ 88
Direito à sadia qualidade de 
vida
Art. 225, caput: \u201c(...) bem de uso comum do povo e essencial à sadia 
qualidade de vida (...)\u201d;
Art 225, § 1º, V: \u201ccontrolar a produção, a comercialização e o emprego 
de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a 
qualidade de vida (...)\u201d
Acesso equitativo aos recur-
sos naturais
Art. 225, caput: \u201c(...) todos têm direito ao meio ambiente (...)\u201d.
Usuário-pagador e Poluidor-
pagador
Art. 225, § 2º: \u201cAquele que explorar recursos minerais fi ca obrigado a 
recuperar o meio ambiente degradado (...)\u201d.
Art 225, § 3º: \u201csanções penais e administrativas, independente da obriga-
ção de reparar os danos causados.\u201d
Precaução e prevenção
Art 225, § 1º, IV: \u201cexigir, na forma da lei, para a instalação de obra ou 
atividade potencialmente causadora de signifi cativa degradação do meio 
ambiente, estudo prévio de impactos ambiental (...)\u201d;
Art 225, § 1º, V: \u201ccontrolar a produção, a comercialização e o emprego de 
técnicas, métodos e substâncias que comportem risco (...)\u201d
Art 225, § 1º, VII: \u201cvedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em 
risco sua função ecológica (...)\u201d;
Art 225, §6º (limitação na instalação e localização de usinas nucleares).
Reparação
Art 225, § 2º: \u201cAquele que explorar recursos minerais fi ca obrigado a 
recuperar o meio ambiente\u201d;
Art 225, § 3º: \u201csanções penais e administrativas, independente da obriga-
ção de reparar os danos causados.\u201d
Informação 
Art 225, § 1º, VI: \u201cpromover a educação ambiental em todos os níveis de 
ensino e a consciência pública para a preservação do meio ambiente.\u201d
Participação
Art 225, caput: \u201cimpondo-se (...) e a coletividade o dever de defendê-lo e 
preservá-lo (...)\u201d.
Obrigatoriedade de inter-
venção do Poder Público
Elena
Elena fez um comentário
Excelente material de apoio. Muitíssimo grata.
1 aprovações
Suzyane
Suzyane fez um comentário
o site era útil, mas agora não é mais, uma vez que só conseguimos visualizar online e não temos mais a opção de baixar os arquivos, que são enviados por nós, alunos. Uma pena!
2 aprovações
robson
robson fez um comentário
O Governador do Estado, após estudos técnicos do órgão ambiental, criou um Parque Estadual numa serra de Mata Atlântica, por meio de um decreto do Poder Executivo. Posteriormente, após consulta à população residente na sua área de amortecimento, diminuiu a sua extensão territorial, por meio de outro decreto do Executivo. Tais medidas são constitucionais e legais? Justifique e fundamente as respostas... Veja mais
0 aprovações
Lincoln
Lincoln fez um comentário
Agora tem que pagar para abrir arquivos, lixo de site.
1 aprovações
abiqueila
abiqueila fez um comentário
Não consigo abrir
3 aprovações
Carregar mais