DIREITO AMBIENTAL 2014-1.pdf
181 pág.

DIREITO AMBIENTAL 2014-1.pdf


DisciplinaAmbiental1.402 materiais4.797 seguidores
Pré-visualização50 páginas
de alterações 
causadas por interferência humana, admitido apenas o uso indireto dos seus atributos 
naturais.\u201d8 Ou seja, uma manifestação de vontade que pode facilmente ser justifi cada 
por escolhas ecocêntricas dentro do direito ambiental.
NOMENCLATURA E DIMENSÕES CONCEITUAIS
O direito ambiental, enquanto regulador de condutas das pessoas em relação ao 
meio em que estão inseridas, foi constitucionalizado e marcado pela expressão \u201cmeio 
ambiente\u201d. Aparece em capítulo próprio, Capítulo VI \u2013 \u201cDo Meio Ambiente\u201d \u2013 além 
de em outros dispositivos da Constituição.9 Aliás, como observado por José Afonso da 
Silva, a Constituição de 1988 foi \u201ca primeira a tratar deliberadamente da questão am-
biental\u201d.10 Da mesma forma, referência expressa ao termo \u201cmeio ambiente\u201d nas Cons-
tituições brasileiras só aparece na de 1988.11 Nas Constituições anteriores, a proteção 
ambiental era garantia indireta de outros valores constitucionais como, por exemplo, o 
direito à saúde e à vida e enquanto normas meramente de competência legislativa que 
permitiam instrumentos legais infraconstitucionais.12 Ao ser inserida na Constituição 
Federal, a expressão \u201cmeio ambiente\u201d ganha contornos jurídicos, o que enseja uma con-
ceituação própria e distinta das propostas por outras áreas do conhecimento científi co.
7. Artigo 2º, inciso V, da Lei n. 9.985 
de 18 de julho de 2000, disponível em 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
Leis/L9985.htm. 
8. Artigo 2º, inciso VI, da Lei n. 
9.985, de 18 de julho de 2000, dispo-
nível em http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/Leis/L9985.htm. 
9. Ver José Afonso da Silva, Direito 
Ambiental Constitucional, 47-50 (Ma-
lheiros Editores, 7ª Ed., 2009) (listando 
os dispositivos constitucionais que 
fazem menção explícita e implícita ao 
meio ambiente). 
10. José Afonso da Silva, Direito Am-
biental Constitucional, 46 (Malheiros 
Editores, 7ª Ed., 2009)
11. Paulo Aff onso Leme Machado, 
Direito Ambiental Brasileiro, 128 (Ma-
lheiros Editores, 18ª Ed., 2010) (\u201cA 
Constituição da República Federativa 
do Brasil de 1988 é a primeira Consti-
tuição Brasileira em que a expressão 
\u2018meio ambiente\u2019 é mencionada\u201d)
12. José Afonso da Silva, Direito Am-
biental Constitucional, 46 (Malheiros 
Editores, 7ª Ed., 2009) (\u201cAs Constitui-
ções Brasileiras anteriores à de 1988 
nada traziam especifi camente sobre 
a proteção do meio ambiente natural. 
Das mais recentes, desde 1946, apenas 
se extraía orientação protecionista do 
preceito sobre a proteção da saúde e 
sobre a competência da União para le-
gislar sobre água, fl orestas, caça e pes-
ca, que possibilitavam a elaboração de 
leis protetoras como o Código Florestal 
e os Códigos de Saúde Pública, de Água 
e de Pesca.\u201d). 
DIREITO AMBIENTAL
FGV DIREITO RIO 27
Enquanto disciplina autônoma, a expressão direito do meio ambiente é apenas uma 
dentre várias utilizadas para se referir a este ramo do direito. Alguns exemplos incluem: 
direito ecológico,13 direito da natureza, direito ambiental, direito do meio ambiente e 
direito do ambiente. As duas primeiras expressões são mais utilizadas quando se pre-
tende delimitar o objeto da tutela. Nesses casos, reduzido ao ambiente natural apenas. 
Nas demais, o objeto da tutela incluiria também o meio artifi cial. Na prática, indepen-
dentemente da abrangência da tutela, a nomenclatura mais usual é direito ambiental ou 
direito do ambiente. A abrangência da tutela seria determinada não pela nomenclatura, 
mas sim pela delimitação conceitual deste ramo do direito. Assim, uma noção estrita 
limita a tutela ao meio ambiente natural apenas. Uma noção ampla estende a tutela para 
incluir também o meio ambiente artifi cial e cultural.
A relevância prática desta teorização se justifi ca apenas enquanto defi nidora da 
abrangência da tutela. Ao delimitar o objeto da tutela, o conceito de direito am-
biental pode ser dividido em duas categorias distintas de nomenclatura: uma que 
associa o ramo do direito à natureza, preservação dos ecossistemas, ecologia, etc.; 
e outra que tenha o condão de englobar o meio como um todo. A diferença entre 
nomes somente terá algum efeito prático se a distinção for entre uma ou outra ca-
tegoria. Assim, dependendo da categoria utilizada, a nomenclatura estará limitando 
ou expandindo o objeto da tutela. Mas ainda que partindo da nomenclatura mais 
usual para defi nição deste direito, ou seja, direito ambiental ou do ambiente, por 
exemplo, pode-se pensar numa distinção ligada ao objeto da tutela a partir de uma 
noção estrita ou de uma noção ampla de meio ambiente. Ou seja, focando apenas os 
elementos naturais, no primeiro caso, e englobando também os elementos naturais, 
no segundo caso.14
Em acórdão de 2005, em medida cautelar em ação direta de inconstitucionalida-
de, o STF fez constar que a \u201cdefesa do meio ambiente\u201d (...) \u201ctraduz conceito amplo e 
abrangente das noções de meio ambiente natural, de meio ambiente cultural, de meio 
ambiente artifi cial (espaço urbano) e de meio ambiente laboral.\u201d15 Ao se admitir que o 
objeto da tutela do direito ambiental é tão amplo quanto à abrangência conceitual da 
palavra \u201cmeio ambiente\u201d, surge a necessidade de compatibilização das regras de condu-
ta impostas pelo ordenamento jurídico ambiental com as de outros ramos do direito. 
Existe, portanto, uma relação diretamente proporcional entre a abrangência da tutela a 
partir da delimitação conceitual e os potenciais confl itos dentro de uma ordem consti-
tucional complexa, como é a brasileira. Assim, quando a abrangência da tutela engloba 
também o meio ambiente artifi cial e cultural, o conceito jurídico de meio ambiente 
pode suscitar confl itos endógenos. Ou seja, com outros valores e normas produzidos 
pela própria ciência do direito.
Como o direito ambiental é um ramo da ciência jurídica que cria regras de condutas 
diante de situações de incerteza, a expansão do conceito de meio ambiente para além da 
ordem jurídica em que se insere pode confl itar com outros direitos igualmente funda-
mentais e, com isso, pode acabar diminuindo a proteção que supostamente o julgador 
quis garantir em decisão singular.
13. A expressão \u201cDireito Ecológico\u201d 
foi utilizada em obra pioneira, de 1975, 
de Diogo de Figueiredo Moreira Neto, 
com base em conceito que já havia sido 
proposto em um artigo de Sérgio Ferraz 
publicado na Revista da Consultoria-
Geral do Rio Grande do Sul em 1972. 
Para Diogo F. M. Neto, \u201cDireito Ecológico 
é o conjunto de técnicas, regras e ins-
trumentos jurídicos sistematizados e 
informados por princípios apropriados, 
que tenham por fi m a disciplina do 
comportamento relacionado ao meio-
ambiente.\u201d. Diogo de Figueiredo Morei-
ra Neto, Introdução ao Direito Ecológico 
e ao Direito Urbanístico, p. 26, Editora 
Forense, 1975. 
14. Ver Cláudia Maria Cruz Santos et 
al., Introdução ao Direito do Ambiente, 
21-24, (Universidade Alberta, Coord. 
científi ca de José Joaquim Gomes Ca-
notilho, 1998).
15. Med. Caut. Em Ação Direta de 
Inconstitucionalidade 3.540-1, Dis-
trito Federal, STF, Tribunal Pleno, 1º/
set.2005. 
DIREITO AMBIENTAL
FGV DIREITO RIO 28
ATIVIDADES16
1. Quais as razões que tornam a proteção do ambiente uma das preocupações 
fundamentais dos cidadãos atualmente?
2. Por que razão os juristas encaram as questões ambientais com base numa 
abordagem interdisciplinar?
3. Quais os principais problemas com que se defrontam os juristas na regulação 
jurídica dos problemas ambientais?
4. Quais as pré-compreensões do Direito do Ambiente? Como se caracterizam?
5. De que forma a opção pela abordagem teórica ecocêntrica ou antropocên-
trica na construção de ordenamento jurídicos ambientais pode infl uenciar 
decisivamente questões práticas de conciliação entre desenvolvimento e con-
servação ambiental?
6. Qual é a diferença entre o conceito de meio ambiente e o conceito de direito
Elena
Elena fez um comentário
Excelente material de apoio. Muitíssimo grata.
1 aprovações
Suzyane
Suzyane fez um comentário
o site era útil, mas agora não é mais, uma vez que só conseguimos visualizar online e não temos mais a opção de baixar os arquivos, que são enviados por nós, alunos. Uma pena!
2 aprovações
robson
robson fez um comentário
O Governador do Estado, após estudos técnicos do órgão ambiental, criou um Parque Estadual numa serra de Mata Atlântica, por meio de um decreto do Poder Executivo. Posteriormente, após consulta à população residente na sua área de amortecimento, diminuiu a sua extensão territorial, por meio de outro decreto do Executivo. Tais medidas são constitucionais e legais? Justifique e fundamente as respostas... Veja mais
0 aprovações
Lincoln
Lincoln fez um comentário
Agora tem que pagar para abrir arquivos, lixo de site.
1 aprovações
abiqueila
abiqueila fez um comentário
Não consigo abrir
3 aprovações
Carregar mais