Historia Direito UNIDADE IV
27 pág.

Historia Direito UNIDADE IV


DisciplinaHistória do Direito9.402 materiais332.816 seguidores
Pré-visualização10 páginas
dos Antoninos (96-192): marcou o apogeu do Império 
Romano. Dentre os imperadores dessa dinastia, podemos citar: 
Marco Aurélio (que cultivava os ideais de justiça e bondade) e 
Cômodo que por ser corrupto, acabou sendo assassinado em uma 
das conspirações que enfrentou. 
\uf07d Dinastia dos Severos (193-235): várias crises internas e pressões 
externas exercidas pelos bárbaros (os povos que ficavam além das 
fronteiras) pronunciaram o fim do Império Romano, a partir do 
século III da era cristã. 
\uf07d Alguns fatores contribuíram para a crise do império: colapso do 
sistema escravista, a diminuição da produção e fluxo comercial e 
a pressão dos povos que habitavam as fronteiras do Império 
(bárbaros). 
\uf07d A partir do ano 235, o Império começou a ser governado pelos 
imperadores-soldados (que tinham como principal objetivo 
combater as invasões). 
\uf07d Com a ascensão de Diocleciano no poder, em 284, o Império foi 
dividido em dois: Oriente (governado por ele mesmo) e Ocidente 
(governado por Maximiniano). Cada um deles era ajudado por um 
imperador subalterno \u2013 o César. Diocleciano acreditava que essa 
estrutura de poder (Tetrarquia) aumentava a eficiência do Estado 
e facilitava a defesa do território.Diocleciano tomou várias 
medidas para controlar a inflação. 
\uf07d Seu sucessor (Constantino) governou de 313 até 337. 
\uf07d Constantino legalizou o cristianismo e fundou Constantinopla \u2013 
para onde transferiu a sede do governo, além de ter abolido o 
sistema de tetrarquia. 
\uf07d A partir do século IV, uma grave crise econômica deixou o Império 
enfraquecido e sem condições de proteger suas fronteiras, isso 
fez com que o território romano fosse ameaçado pelos bárbaros 
que aos poucos invadiram e dominaram o Império Romano do 
Ocidente formando vários reinos 
(Vândalos, Ostrogodos, Visigodos, Anglo-Saxões e Francos). 
5 
 
\uf07d Em 476 (ano que é considerado pelos historiadores um marco 
divisório entre a Antiguidade e a Idade Média), o Império Romano 
do Ocidente desintegrou-se restando apenas o Império Romano 
do Oriente (com a capital situada em Constantinopla é também 
conhecido como Império Bizantino \u2013 por ter sido construído no 
lugar onde antes existia a colônia grega de Bizâncio), que ainda se 
manteve até o ano de 1453 quando Constantinopla foi invadida e 
dominada pelos turcos. 
\uf07d Durante toda a Idade Média, Roma manteve parte da sua antiga 
importância, mesmo com a população reduzida. Era apenas uma 
modesta cidade quando foi eleita capital da Itália em 1870. 
\uf07d A civilização romana deixou para a cultura ocidental uma herança 
riquíssima. 
- A legislação adotada hoje em vários países do mundo tem como 
inspiração o Direito criado pelos romanos 
- Várias línguas (inclusive o português) derivaram do latim falado 
pelos romanos 
- Arquitetura 
- Literatura 
\uf07d Os deuses romanos eram os mesmos da Grécia, porém com 
outros nomes. 
\uf07d Durante o período republicano e imperial, os romanos seguiram a 
religião politeísta (crença em vários deuses), muito semelhante à 
religião praticada na Grécia Antiga. Esta religião foi absorvida 
pelos romanos, graças aos contatos culturais e conquistas na 
península balcânica. 
UTILIDADE DO ESTUDO DO DIREITO ROMANO 
\uf0a7 O direito romano apresenta as categorias jurídicas fundamentais 
nas quais o direito moderno se baseia; 
\uf0a7 Presta a dar uma visão geral de todo o sistema jurídico, 
especialmente do direito civil; 
\uf0a7 Auxilia o iniciante ou não na técnica do raciocínio jurídico; 
\uf0a7 Explica as categorias básicas conforme sua evolução histórica; 
\uf0a7 O d. r. é um complexo de normas vigentes em Roma desde a 
fundação até a codificação de Justiniano. 
\uf0a7 Fases do Direito Romano 
 
 
A) De acordo com as mudanças da organização do estado romano. 
\uf07d I- Período Régio - da fundação de Roma (754 A.C.) até a 
República (510 A.C.) - governo monárquico patriarcal - Direito 
baseado no costume (mores)- ....consuetudinário. O Direito 
Sagrado (fas) ligado ao humano (jus). O Colégio Sacerdotal dos 
Pontífices tinha o monopólio dos dois direitos. 
\uf07d II- Período Republicano - de 510 A.C. até a instauração do 
Principado com AUGUSTO em 27 A.C. - Ius distingue-se do FAS e 
formava-se uma classe de juristas leigos. Lei da XII Tábuas, de 450 
A.C. Roma era governado por dois cônsules. 
LUÍS ANTONIO
Realce
6 
 
\uf07d III- Período do Principado - de AUGUSTO até o Imperador 
DIOCLECIANO (284 D.C.) - foi o período de maior poder de Roma. 
A obra dos juristas manifestou-se na órbita do poder imperial. 
CARACALA (212) estendeu a cidadania romana a todos homens 
livres, habitantes do Mundo Romano. 
\uf07d IV- Período da Monarquia Absoluta - de DIOCLECIANO até a 
morte do Imperador JUSTINIANO, em 565 - O centro de gravidade 
do império deslocou-se para Constantinopla. O imperador 
(Dominus et Dei) era o único órgão revelador do Direito. O Estado 
burocratizou-se. Faltaram grandes juristas e a evolução realizou-
se como resultado do conhecimento jurídico dos períodos 
anteriores. 
\uf07d Nos treze séculos da história romana o direito sofreu mudanças 
contínuas. 
Outra divisão tendo conta a evolução interna: 
\uf07d O período arcaico (da fundação de Roma no sec VIII a.C. até o séc. 
II a.C.) 
\uf07d O período clássico (até o séc. III d.C.) 
\uf07d O Período pós-clássico (até o Séc. VI d.C.) 
O PERÍODO ARCAICO 
\uf07d Formalismo e rigidez, solenidade e primitividade; 
\uf07d O Estado tinha funções limitadas a questões fundamentais para 
sua sobrevivência: guerra, punição dos delitos mais graves e 
observância das regras religiosas; 
\uf07d Os romanos eram considerados mais como membros de uma 
comunidade familiar do que como indivíduos; 
\uf07d O marco mais importante é a codificação do direito vigente nas 
XII Tábuas (451 e 450 a.c.) por um decenvirato, especialmente 
nomeado para esse fim. Foram chamadas na época de Augusto 
(séc. I) fonte de todo o direito. Foram uma codificação de regras 
provavelmente costumeiras, primitivas e, às vezes, até cruéis. 
\uf07d Segundo relatos históricos semilendários preservados por Lívio, 
no início da República Romana as leis eram guardadas em segredo 
pelos pontífices e por outros representantes da classe 
dos patrícios, sendo executadas com especial severidade contra 
os plebeus. Um plebeu chamado Terentílio (Gaius Terentilius) 
propôs em 462 a.C. a compilação e publicação de um código legal 
oficial, de modo que os plebeus pudessem conhecer a lei e não 
serem surpreendidos pela sua execução. 
\uf07d Os patrícios opuseram-se à proposta por vários anos, mas em 451 
a.C. um decenvirato (um grupo de dez homens) foi designado 
para preparar o projeto do código. Supõe-se que os romanos 
enviaram uma embaixada para estudar o sistema legal dos 
gregos, em especial as leis de Sólon, possivelmente nas colônias 
7 
 
gregas do sul da península Itálica, conhecida então como Magna 
Grécia. 
\uf07d Dez primeiros códigos foram preparados em 451 a.C. e, em 450 
a.C., o segundo decenvirato concluiu os dois últimos. As Doze 
Tábuas foram então promulgadas, havendo sido literalmente 
inscritas em doze tabletes de madeira que foram afixados 
no Fórum romano, de maneira a que todos pudessem lê-las e 
conhecê-las. 
\uf07d Não são uma compilação abrangente e sistemática de todo o 
direito da época (e, portanto, não formam códigos na acepção 
moderna do termo). São, antes, uma série de definições de 
diversos direitos privados e de procedimentos. Consideravam de 
conhecimento geral algumas instituições como a família e vários 
rituais para negócios formais. 
\uf07d O texto original perdeu-se quando 
os gauleses incendiaram Roma em 390 a.C. 
\uf07d Nenhum outro texto oficial sobreviveu, mas apenas versões não-
oficiais. O que existe hoje são