Penal I - TEORIA GERAL DO CRIME
8 pág.

Penal I - TEORIA GERAL DO CRIME


DisciplinaDireito Penal I73.922 materiais1.222.337 seguidores
Pré-visualização2 páginas
TEORIA GERAL DO CRIME
Aspecto Formal: Infração penal é o que está rotulado em uma norma penal incriminadora, sob ameaça de pena.
Aspecto Material: Comportamento humano causador de relevante e intolerável lesão, ou perigo de lesão ao bem jurídico tutelado, passível de sanção penal.
Aspecto Analítico:
Conceito Analítico de Infração Penal: 
		Fato Típico + Ilícito + Culpabilidade
O fato típico é composto dos seguintes elementos:
> conduta dolosa ou culposa, comissiva ou omissiva;
> resultado;
> nexo de causalidade entre a conduta e o resultado;
> tipicidade (formal ou conglobante).
A ilicitude (ou antijuricidade) é aquela relação de contrariedade que se estabelece entre a conduta do agente e o ordenamento jurídico.
Culpabilidade é o juízo de reprovação pessoal que se faz sobre a conduta ilícita do agente. Elementos da culpabilidade:
> imputabilidade;
> potencial consciência sobre a ilicitude do fato;
> exigibilidade de conduta diversa.
espécies
O CP adotou o sistema dualista, ou seja, adota como infração penal o crime ou delito (estes
 
como sinônimos) e a contravenção penal.
Crime ou delito
Contravenção penal
gêneroINFRAÇÃO PENAL
	
Infração Penal, portanto, como gênero, refere-se de forma abrangente aos crimes/delitos e às contravenções penais como espécies.
CRIME X CONTRAVENÇÃO
Diferenças:
	> Quanto à pena privativa de liberdade imposta:
Art. 1º Lei de Introdução ao CP.
CRIME: reclusão, detenção, multa.
CONTRAVENÇÃO: prisão simples, multa.
	> Quanto à ação penal:
Condicionada
 representação do ofendido ou requisição do MJ
.
Incondicionada
 titularidade do MP
.
APPública
APPrivada
Exclusiva
 a vítima deve prestar a queixa-crime
.
Subsidiária da públicaCRIME
Pública 
Privada
INFRAÇÃO PENAL
INQUÉRITO
JUSTIÇA (fase processual)
AÇÃO
DENÚNCIA
quand
o
 o MP não propõe a denúncia, a vítima 
pode fazer a queixa- crime
.
CONTRAVENÇÃO PENAL
Art. 17 Lei de Introdução ao CP
Todas as contravenções são de APPública Incondicionada
Quanto à tentativa:
> Crime:art. 14 CP
> Contravenção:art. 4º Decreto Lei 3.688/41 (pág. 557- Vade Mecum)
TENTATIVA: crime não se consuma por circunstância alheia a vontade do agente.
	CRIME
(Rogério Greco)
	FATO TÍPICO
	ANTIJURÍDICO
	CULPÁVEL
	
Dolosa/culposa
Comissiva/omissiva
Conduta
Resultado
Nexo de causalidade
Formal
Conglobante
Tipicidade 
	Obs: quando o agente não atua em:
Estado de necessidade
Legítima defesa
Estrito cumprimento do dever legal
Exercício regular de direito
Quando não houver o consentimento do ofendido como causa supralegal de exclusão da ilicitude
	
Imputabilidade
Potencial consequência sobre a ilicitude do fato
Exigibilidade da conduta diversa
Fonte: Aula de Penal I, em 04/10/2013 e GRECO, Rogério. Curso de Direito Penal Parte Geral
SUJEITO DO CRIME/ CONTRAVENÇÃO
ATIVO: 
Pessoa que pratica a infração;
Pessoa física capaz e com 18 anos completos;
Pessoa jurídica pode figurar como sujeito ativo de crime?
	Art. 225, § 3º CF
	Art. 3º Lei nº 9605/98
Correntes doutrinárias:
A pessoa jurídica é ficção jurídica, logo não pode praticar crime.
A pessoa jurídica e seus representantes devem ser responsabilizados penalmente.
Pessoas jurídica é ente autônomo de seus membros dotada de vontade própria.
Crimes quanto ao sujeito ativo pode ser:
Próprio: praticado por determinada categoria de sujeito e admite co-autoria.
Ex.: Peculato (art. 312 CP), Infanticídio (art. 123 CP)
Mão-própria: praticado por determinada pessoa e não admite co-autoria.
Ex.: Falso testemunho (art. 342 CP)
Simples ou comum: qualquer pessoas pode praticar.
PASSIVO:
Pessoa que sofre as consequências da infração penal.
Pode ser:
Pessoa física;
Pessoa jurídica;
Ente indeterminado (arts. 286, 338, 359-A CP)
Crimes de dupla subjetividade passiva: tem pluralidade de vítimas
Ex.: arts. 151, 209-212 CP.
Pode ser:
	Comum: 
	Próprio: condição especial
CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DE CRIMES:
Quanto ao momento consumativo:
Permanente: o momento consumativo se protrai no tempo e o bem jurídico é continuamente agredido. Ex.: art. 148 CP
Instantâneo: consuma-se em um dado instante, sem continuidade no tempo (ex.: desacato). 
De efeitos permanentes: consuma-se em um dado momento, mas seus efeitos perpetuam-se no tempo (ex.: bigamia, dano, homicídio). 
Quanto ao meio de execução:
Comissivo: são os crimes praticados mediante ação.
Omissivos próprios: podem ser imputados a qualquer pessoa. São crimes ligados à conduta omitida.
Omissivos impróprios/comissivos por omissão: somente podem ser praticados pelas pessoas referidas no §2º do art. 13 do CP. É preciso que o agente se encontre na posição de garante ou garantidor.
Quanto ao resultado:
Material: a lei descreva a conduta, o resultado e exige a produção do resultado para consumar o delito.
Formal: a lei descreve a conduta, o resultado, mas não exige a produção do resultado para a consumação do delito. Ex.: art. 140 CP.
Mera conduta: a lei descreve apenas a conduta. Ex.: art. 150 CP.
Quanto à lesão ou risco ao bem jurídico:
Crime de dano: lesão ao bem jurídico.
Crime de perigo: se consumam com a mera possibilidade de lesão ao bem.
Crime de perigo abstrato ou presumido: mera exposição do bem à risco. Ex.: art.137 CP.
Crime de perigo concreto: o perigo precisa ser demonstrado, não aceitando-se presunção. Ex.: arts. 130,131.
Crime de perigo coletivo: exposição de risco à um grupo, ou número indeterminado de pessoas.
Crime de perigo individual: exposição de risco à um grupo determinado de pessoas, ou a uma só pessoa. Ex.: arts. 132 a 135 CP.
Quanto ao bem jurídico tutelado:
Simples: apenas um bem jurídico. Ex.: homicídio.
Complexo: dois ou mais bens jurídicos. Ex.: latrocínio.
Quanto à intenção:
Culposos (art. 18,II CP) : consiste numa conduta voluntária que realiza um fato ilícito não querido pelo agente, mas que foi por ele previsto ou lhe era previsível e que podia ser evitado se o agente atuasse com o devido cuidado.
Dolosos (art. 18,I CP): é aquele em que o agente prevê o resultado lesivo de sua conduta e, mesmo assim, leva-a adiante, produzindo o resultado.
Preterdolosos (art. 19 CP): o agente pratica um crime distinto do que havia projetado cometer, advindo resultado mais grave, decorrência de negligência, imprudência ou imperícia. 
Quanto a pluralidade de ações:
Unissubsitente: é o que se perfaz com um único ato (ex.: injúria verbal). Não admite a tentativa. 
Plurissubistente: é o que exige mais de um ato para a sua realização (ex.: estelionato). 
Quanto à pluralidade de agentes:
Monosubjetivo: cometido por um único agente.
Plurisubjetivo: exige que mais de um agente pratique o crime.
Outras classificações:
Crimes multitudinários: é o cometido por influência de uma multidão em tumulto (ex.: linchamento). 
Crime falho: é o nome que se dá à tentativa perfeita ou acabada, em que se esgota a atividade executória sem que se tenha produzido o resultado (ex.: agente desfere contra a vítima todas as balas existentes no tambor de seu revólver mas não consegue matá-la como pretendia). 
Crime vago: é aquele que tem por sujeito passivo entidade sem personalidade jurídica (ex.: art. 233 \u2013 crime de ato obsceno \u2013 o sujeito passivo é a coletividade em seu pudor). 
Crime de atentado: ocorre nos tipos legais que preveem a punição da tentativa com a mesma pena do crime consumado (ex.: art. 309 do Código Eleitoral \u2013 votar ou tentar votar duas vezes).
Crime transeunte: é o que não deixa vestígios.
Crime não transeunte: é o que deixa vestígios.
ESTRUTURA DA INFRAÇÃO PENAL
CONCEPÇÕES:
Tripartite:
Crime= fato típico + antijuricidade + culpabilidade.
Neste caso a culpabilidade é mero pressuposto para aplicação da pena.Bipartite: (adotada pelo nosso CP)
Crime= fato típico + antijuricidade
FATO TÍPICO:
Conceito de Rogério Sanches:
Elementos:
Conduta;
Nexo causal;
Resultado;