Paula et al. (2007) Introdução à Biologia das Criptógamas
194 pág.

Paula et al. (2007) Introdução à Biologia das Criptógamas


DisciplinaBiologia e Sistemática de Fungos e Criptógamas4 materiais39 seguidores
Pré-visualização48 páginas
um mecanismo eficiente de dispersão a longa 
Introdução ao Estudo das Criptógamas 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
28 
distância. As plantas são caracteristicamente sésseis, portanto, sua dispersão é 
dependente de unidades reprodutivas. Os esporos são produzidos em grande número, 
sendo unidades independentes, isto é germinam diretamente, sem necessidade de 
fertilização. Na água podem ter mobilidade através de flagelos e no ar podem apresentar 
paredes celulares com envoltórios que protegem contra o dessecamento. Podem ser leves 
e resistentes, sendo dispersos pelo vento, pela água de chuva ou por animais. Muitas 
briófitas, pteridófitas e fungos apresentam adaptações morfo-fisiológicas responsáveis por 
mecanismos higroscópicos dependentes da umidade relativa do ar que auxiliam na 
disseminação dos esporos. Assim, a reprodução por esporos também é amplamente 
distribuída nas algas, outras plantas e fungos. 
 A reprodução gamética também pode representar um mecanismo de dispersão, mas 
menos eficiente que os anteriores. O encontro dos gametas masculinos e femininos 
implica em mecanismos mais complexos, envolvendo o transporte de pelo menos um dos 
gametas. A reprodução gamética sempre requer um meio aquático, pois os gametas não 
possuem resistência ao dessecamento. As desvantagens desse tipo de reprodução, 
entretanto, são pequenas se comparadas a uma vantagem vital oferecida pelos gametas: 
o sexo. 
 
 
4) SEXUALIDADE 
 
 Durante o histórico de vida de um organismo, o processo de sexualidade envolve, 
necessariamente, três etapas: PLASMOGAMIA \u2192 CARIOGAMIA \u2192 MEIOSE 
 Plasmogamia é a fusão dos citoplasmas, enquanto que a cariogamia, a fusão dos 
núcleos. Durante a meiose podem ocorrer recombinações gênicas. Assim, a função 
primordial da sexualidade é introduzir mudanças genéticas nos organismos resultantes. 
 É importante notar que o processo sexual nem sempre está associado ao aumento 
do número de indivíduos. É distinto da reprodução (multiplicação), mas muitas vezes os 
dois processos ocorrem simultaneamente. Multiplicação é um processo conservativo, 
enquanto o sexo introduz mudanças genéticas. Sexo é um processo de adaptação e não 
de reprodução (= aumento do número de indivíduos). 
 
 
5) HISTÓRICOS DE VIDA 
 
Introdução ao Estudo das Criptógamas 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
29 
 Ocorrem três tipos básicos de históricos de vida entre as criptógamas: haplobionte 
haplonte, haplobionte diplonte e diplobionte. 
 5.1) HAPLOBIONTE HAPLONTE. Ocorre apenas uma fase de vida livre, haplóide. 
O zigoto é a única fase diplóide do histórico, sendo a meiose zigótica. 
 5.2) HAPLOBIONTE DIPLONTE. Ocorre apenas uma fase de vida livre, diplóide. A 
meiose ocorre na formação dos gametas. 
 5.3) DIPLOBIONTE. Ocorrem duas fases de vida livre, uma haplóide (gametófito) 
e outra diplóide (esporófito). A meiose ocorre na formação dos esporos. Esse histórico 
pode ser isomórfico (gametófito e esporófito semelhantes morfologicamente) ou 
heteromórfico (gametófito e esporófito diferentes morfologicamente). Esse histórico pode 
apresentar pequenas modificações em alguns grupos vegetais, como em Rhodophyta, 
onde existem três fases, uma haplóide e duas diplóides, ou em Bryophyta, onde a fase 
esporofítica é dependente da gametofítica. 
 Vários tipos de desvios podem ser observados nesses históricos básicos, podendo 
ser causados pelos seguintes processos: 
 a) Partenogênese \u2013 as gametas germinam antes de serem fertilizados (fecundados), 
originando gametófitos. 
 b) Aposporia \u2013 o esporófito pode dar origem a gametófito sem que haja meiose. 
 c) Apogamia \u2013 o gametófito pode dar origem a esporófito sem que haja fusão de 
gametas. 
 
 
REFERÊNCIAS 
 
Bicudo, C. & Bicudo, R. 1970. Algas de águas continentais brasileiras. Fundação Brasileira 
para o desenvolvimento do Ensino de Ciências, São Paulo. 
Bold, H.C. & Wynne, M.J. 1978 Introduction to the algae. Structure and reproduction. 
Prentice-Hall, Inc., New Jersey. 
Joly, A.B. 1975. Botânica. Introdução à taxonomia vegetal. Edusp, São Paulo, SP, Brasil. 
Lee, R.E. 1989. Phycology. 2nd ed. Cambridge University Press, Cambridge. 
Oliveira, E.C. 2003. Introdução à biologia vegetal. 2a ed. Edusp, São Paulo, SP, Brasil. 
Raven, P.H.; Evert, R.F. & Eichhorn, S.E. 2007. Biologia Vegetal. 7ª ed. Editora 
Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 
Scagel, R.F.; Bandoni, R.J.; Rouse, G.E.; Schofield, W.B.; Stein, T.R. & Taylor, T.M.C. 
1965. An evolutionary survey of the plant kingdom, Wadsworth Publishing Co., Inc., 
Introdução ao Estudo das Criptógamas 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
30 
California. 
Smith, G.M. 1971. Botânica cryptogâmica. Volume I. Algas e Fungos. Fundação Caluste 
Gulbenkian, Lisboa. 
Szé, P. 1986. A biology of the algae. Wm C. Brown Publishers, Dubuque. 
Weberling, F. & Schawantes, O. 1986. Taxonomia vegetal. Editora Pedagógica e 
Universitária Ltda, São Paulo, SP, Brasil. 
Van den Hoek, C.; Mann, D.G. & Jahns, H.M. 1995. Algae - an introduction to phycology. 
Cambridge University Press, Cambridge. 
Weisz, P.B. & Fuller, M.S. The science of botany. 1962. McGraw-Hill Book Company, Inc., 
New York. 
 
 
Caracterização, Biologia e Importância dos Fungos 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
31 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CARACTERIZAÇÃO, BIOLOGIA E 
IMPORTÂNCIA DOS FUNGOS 
 
 
 
 
 
 
Caracterização, Biologia e Importância dos Fungos 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
33 
CARACTERIZAÇÃO, BIOLOGIA 
E IMPORTÂNCIA DOS FUNGOS 
 
 
INTRODUÇÃO 
 
 O estudo dos fungos compreende uma vasta área de pesquisas, a Micologia é 
relativamente recente (cerca de 250 anos), se comparada à Botânica e à Zoologia. Muitos 
grupos de fungos são conhecidos somente há 30-40 anos. Poucas pessoas têm 
consciência da importância dos fungos em nosso dia-a-dia. Basta lembrar que a Micologia 
tem ramificações, aplicações e disciplinas na Medicina, Veterinária, Zootecnia, Agronomia, 
Bioquímica, Genética, Citologia, etc. Cerca de 70.000 espécies foram descritas (Tabela 2), 
contudo, estima-se que este número representa apenas cerca de 5% das espécies 
existentes (de um total de 1,5 milhões de espécies). Esta afirmação demonstra o quanto 
o grupo é pouco conhecido. 
 
 
O QUE SÃO FUNGOS? 
 
 Os organismos tradicionalmente tratados como fungos são muito diversificados e, 
em muitos casos, pouco relacionados filogeneticamente. Sua posição entre os seres vivos 
tem sido polêmica e continuamente reinterpretada. Tradicionalmente, têm sido estudados 
em disciplinas de Botânica, embora reconhecidamente distintos das plantas e dos 
animais. 
 No sistema de cinco reinos, proposto por Whittaker (1969) para a classificação dos 
seres vivos, o grupo adquiriu identidade própria: Reino Fungi (Gr. sphongos = esponja, 
latim - fungus) ou Reino Myceteae (Gr. mykes, miketes = cogumelo) (Alexopoulos & 
Mims, 1979). Essa classificação, entretanto, não resolveu muitas dúvidas quanto à 
posição de alguns grupos que foram mantidos arbitrariamente entre os fungos. 
 Estudos ultraestruturais e moleculares recentes