Paula et al. (2007) Introdução à Biologia das Criptógamas
194 pág.

Paula et al. (2007) Introdução à Biologia das Criptógamas


DisciplinaBiologia e Sistemática de Fungos e Criptógamas4 materiais39 seguidores
Pré-visualização48 páginas
the fungi. 4th ed. Prentice Hall. 
Oliveira, E.C. 2003. Introdução à biologia vegetal. 2a ed. EDUSP, São Paulo, SP, Brasil. 
Pacioni, G. 1981. Guide to mushrooms. Simon & Schuster\u2019s, New York. 
Pelczar, M.; Reid, R. & Chan, E.C.S. 1980. Microbiologia Vol. l. Tradução Manuel Adolfo 
May Pereira. McGraw-Hill do Brasil. 
Raven, P.H.; Evert, R.F. & Eichhorn, S.E. 2007. Biologia Vegetal. 7a ed. Editora 
Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro. 
Rawitscher, R. 1972. Elementos básicos de botânica. Companhia Editora Nacional, São 
Paulo. 
Ribeiro, C.H. 1998. A família Parmeliaceae (Ascomycota liquenizados) em regiões 
montanhosas dos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Dissertação de 
Mestrado, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, SP. 
Scagel, R.F.; Bandoni, R.J.; Rouse, G.E.; Schofield, W.B.; Stein, T.R. & Taylor, T.M.C. 
1965. An evolutionary survey of the plant kingdom, Wadsworth Publishing Co., Inc., 
California. 
Sinnott, E.W. & Wilson, K.S. 1963. Botany: Principles and problems. 6th ed. McGraw-Hill 
Book Co. Inc. USA. 
Smith, G.M. 1971. Botânica criptogâmica. l. volume. Algas e Fungos. Fundação Caluste 
Gulbenkin, Lisboa. 
Stevenson, G.B. 1974. Biologia dos fungos, bactérias e vírus. Tradução de Denise Navas 
Pereira. Ed. da Universidade de São Paulo. 
Teixeira, A.R. 1971. Gêneros de myxomycetes. Rickia (supl): 1-150. 
Truffem, S.F.B. 1984. Mucorales do Estado de São Paulo, 4. Espécies coprófilas. Rickia ll: 
53-64. 
Truffem, S.F.B. & Bononi, V.L.R. 1985. Cogumelos comestíveis. Icone Editora LTDA., São 
Paulo. 
Webster, J. 1993. Introduction to fungi. Cambridge University Press, Cambridge. 
Whittaker, R.H. 1969. New concepts of kingdoms of organisms. Science 163: 150-160. 
 
 
 
 
Introdução ao Estudo das Algas 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
73 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO 
DAS ALGAS 
 
 
 
 
 
Introdução ao Estudo das Algas 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
74 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS ALGAS 
 
 
 Alga é um termo genérico, desprovido de significado taxonômico, que inclui 
organismos que possuem clorofila a e um talo não diferenciado em raiz, caule ou folhas, 
com hábito predominantemente aquático. Esses organismos não são necessariamente 
semelhantes entre si e nem sempre possuem origem evolutiva próxima. Desempenham 
um papel ecológico importante como produtores primários dos ecossistemas onde 
ocorrem, sendo provavelmente responsáveis por mais de 50% do total da produção 
primária de todo o planeta. O fato de serem clorofilados, não implica que sejam verdes, 
pois além da clorofila, possuem outros pigmentos denominados acessórios, que podem 
mascarar a presença da clorofila, proporcionando às algas colorações avermelhadas, 
azuladas, pardas ou até enegrecidas. 
 Quanto à organização do talo as algas apresentam uma diversidade muito grande. 
Existem desde formas microscópicas até formas que atingem 60 m de comprimento, 
como as algas pardas do gênero Macrocystis. 
 As algas podem ser encontradas nos mais diversos ambientes, existindo desde 
formas terrestres e aquáticas, até formas que vivem em associações com outros 
organismos (ex. liquens: fungo + alga). As formas mais comuns são aquáticas, podendo 
ocorrer em rios, lagos, mangues e mares. Nesses ambientes, podem fazer parte do 
bentos (conjunto de indivíduos que vivem fixos ao substrato) ou plâncton (conjunto de 
indivíduos que vivem em suspensão na coluna de água devido à sua pequena ou nula 
capacidade de locomoção). 
 Quando se consideram organismos marinhos bentônicos (algas e animais), pode-se 
fazer uma distinção quanto à faixa do litoral que ocupam. O litoral pode ser dividido em 
supra-litoral, médio-litoral e infra-litoral. O supra-litoral corresponde a faixa mais 
alta do litoral, que mesmo nas marés mais altas não fica submerso. Está sujeito apenas a 
borrifos de água salgada, especialmente em locais muito batidos. O médio-litoral 
corresponde à faixa que pode ser temporariamente descoberta nas marés-baixas. O infra-
litoral corresponde à faixa que nunca fica exposta ao ar, mesmo nas marés mais baixas. 
 Dentre as algas figuram os organismos mais antigos da Terra (cianobactérias ou 
algas azuis), havendo evidências de sua existência já no Pré-Cambriano, há 
aproximadamente 3,5 bilhões de anos. Possivelmente, foram os responsáveis pela 
produção e acúmulo de oxigênio na atmosfera primitiva e ainda hoje, desempenham 
papel importante na manutenção dos níveis desse gás, especialmente as formas marinhas 
Introdução ao Estudo das Algas 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
75 
planctônicas. Além disto, as algas têm sido reconhecidas como os organismos que deram 
origem a todos os outros vegetais existentes atualmente. 
 O termo alga inclui organismos de linhagens filogenéticas completamente 
diferentes. A Ficologia, ciência que estuda as algas (phykos, do grego = alga), é o ramo 
da biologia que abrange a maior diversidade de grandes grupos de organismos (incluindo 
organismos procariontes e eucariontes). Harvey em 1836 classificou as algas baseadas na 
sua composição pigmentar. Essa classificação básica persiste até hoje; entretanto, as 
relações evolutivas entre os grupos de algas nunca foram muito claras devido a um 
registro fóssil muito limitado para a maioria dos grupos, a uma morfologia simples e a 
uma grande plasticidade fenotípica. Muitos avanços foram obtidos com a microscopia 
eletrônica que permitiu um detalhado estudo da ultraestrutura das células, e mais 
recentemente da biologia molecular que tem sido uma ferramenta importante para 
estabelecer hipóteses sobre as relações evolutivas entre as várias linhagens de algas. 
Estudos moleculares mostraram definitivamente que as algas formam um grupo artificial 
que inclui táxons que muitas vezes são mais relacionados com organismos não 
fotossintetizantes do que com outras algas. 
 Os eucariontes diversificaram-se em várias linhagens filogenéticas (\u201ccrown 
lineages\u201d) das quais as principais são: i) os animais (Metazoa: invertebrados e 
vertebrados); ii) os fungos verdadeiros; iii) as plantas verdes (com clorofila a e b que 
incluem as algas verdes); iv) as algas vermelhas; v) os estramenópilas (inclui os 
oomicetos e as algas heterocontes: pardas, diatomáceas e outras algas com clorofilas a e 
c); e vi) os alveolados (inclui os dinoflagelados, ciliados, entre outros). 
 Dentre as principais linhagens de algas eucarióticas podemos citar: Chlorophyta, 
Rhodophyta, Glaucocystophyta, Euglenophyta, Chlorarachniophyta, Heterokonta 
(Raphidophyta, Chrysophyta, Bacillariophyta, Xanthophyta, Eustigmatophyta e 
Phaeophyta), Haptophyta (= Prymnesiophyta), Cryptophyta e Dinophyta (Tabela 1). Os 
últimos quatro grupos foram denominados de algas cromófitas devido à presença de 
clorofila a e c e várias xantofilas. Apenas parte dessas divisões será abordada aqui em 
maior detalhamento: Chlorophyta, Euglenophyta, Rhodophyta, Phaeophyta, 
Bacillariophyta e Dinophyta. 
 
Home-pages relacionadas ao tema algas: 
http://seaweed.ucg.ie/ 
http://www.botany.uwc.ac.za/algae/ 
http://www.start1.com 
www.ib.usp.br/algamaris 
Introdução ao Estudo das Algas 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
76 
ORGANIZAÇÃO VEGETATIVA DAS