Paula et al. (2007) Introdução à Biologia das Criptógamas
194 pág.

Paula et al. (2007) Introdução à Biologia das Criptógamas


DisciplinaBiologia e Sistemática de Fungos e Criptógamas4 materiais39 seguidores
Pré-visualização48 páginas
a e b: 
Divisões Chlorophyta e Euglenophyta 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
96 
 2) Cloroplastos - Os tilacóides estão associados em número de três por banda. 
Existem três membranas envolvendo o cloroplasto, sendo a mais externa de retículo 
endoplasmático rugoso. 
 3) Pigmentos - As euglenofíceas fotossintetizantes possuem clorofila a e b, \u3b2-
caroteno e xantofilas exclusivas do grupo (neoxantina e anteraxantina). 
 4) Pirenóides - Podem ocorrer em algumas euglenofíceas. 
 5) Reserva - O produto de reserva está na forma de grãos de paramilo, que é 
também um carboidrato como o amido, mas que não apresenta reação com o iodo. Esses 
grãos acumulam-se no citoplasma. 
 6) Núcleo - Os cromossomos permanecem condensados mesmo durante a 
interfase (núcleo mesocariótico), semelhante aos encontrados em Pyrrophyta, que será 
tratada mais adiante. 
 7) Flagelos - Os indivíduos dessa divisão possuem um ou dois flagelos (geralmente 
um). 
 
 
REPRODUÇÃO 
 
 Conhece-se apenas reprodução vegetativa, através de divisão longitudinal da célula. 
 Quando as condições ambientais tornam-se desfavoráveis, o indivíduo, que é 
constituído por apenas uma célula, transforma-se em cisto, o qual permanece dormente 
até que as condições se tornem favoráveis. 
 
 
CLASSIFICAÇÃO 
 
 São referidos cerca de 40 gêneros e aproximadamente 800 espécies distribuídas em 
apenas uma classe: Euglenophyceae. 
 
 
CONSIDERAÇÕES EVOLUTIVAS 
 
 O cloroplasto de Euglenophyta é considerado como tendo uma origem endo-
simbiótica com algas verdes. Essa suposição está baseada na semelhança entre os 
Introdução ao Estudo das Algas \u2013 Caracterização e Tendências Evolutivas das Algas com Clorofilas a e b: 
Divisões Chlorophyta e Euglenophyta 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
97 
cloroplastos desses dois grupos. O principal suporte para essa afirmação poderia ser a 
existência de formas sem cloroplasto e presença de um envelope triplo nos cloroplastos 
nas formas clorofiladas (para maiores informações consultar Lee, 1989; Szé, 1989). 
 
 
 
 
Introdução ao Estudo das Algas \u2013 Caracterização, Biologia e Importância das Algas com Clorofilas a e c e Fucoxantina: 
Divisões Phaeophyta, Bacillariophyta e Pyrrophyta 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
98 
CARACTERIZAÇÃO, BIOLOGIA E IMPORTÂNCIA 
DAS ALGAS COM CLOROFILAS a E c E FUCOXANTINA: 
DIVISÕES PHAEOPHYTA, BACILLARIOPHYTA E 
PYRROPHYTA 
 
 
 Aqui serão abordados organismos de duas linhagens filogenéticas distintas dentro 
dos eucariontes: os estramenopilas e os alveolados, que são considerados grupos irmãos, 
ou seja, originaram-se de um ancestral comum a menos tempo do que as demais 
linhagens eucarióticas. 
 
 
1) Linhagem das Estramenópilas: 
 Essa linhagem inclui organismos autotróficos (algas heterocontes) e heterotróficos 
(oomicetos e labirintomicetos, que são estudados no capítulo de Fungos) em função da 
presença de uma estrutura flagelar característica. As algas heterocontes (hetero = 
diferentes, contes = flagelo), possuem geralmente dois flagelos, um liso e outro plumoso, 
formam um agrupamento monofilético com três grupos principais: 1) Bacillariophyta 
(diatomáceas), que por sua vez se divide em dois subgrupos também monofiléticos, as 
penadas e as cêntricas; 2) Chrysophyta e Eustigmatophyta; 3) Phaeophyta e Xantophyta. 
 
 
2) Linhagem dos alveolados: 
 Essa linhagem também inclui organismos autotróficos (parte dos dinoflagelados ou 
Pyrrophyta) e heterotróficos (outra parte de Pyrrophyta, ciliados e foraminíferos, 
\u201capicoplexas\u201d - Plasmodium), e foi estabelecida em função da presença de alvéolos 
(vesículas membranosas, achatadas que se localizam sob a membrana plasmática). 
 
 
 
 
 
 
 
Introdução ao Estudo das Algas \u2013 Caracterização, Biologia e Importância das Algas com Clorofilas a e c e Fucoxantina: 
Divisões Phaeophyta, Bacillariophyta e Pyrrophyta 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
99 
DIVISÃO PHAEOPHYTA 
 
phaios (grego) = pardo 
phyton (grego) = planta 
 
 
CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 
 
 - Eucarióticas. 
 - Clorofila a, c
1
 e c
2
. 
 - Xantofilas (principalmente fucoxantina) e carotenos (principalmente \u3b2-caroteno). 
 - Reserva: laminarina e manitol. 
 - Parede celular: celulose, ácido algínico e fucoidina. 
 - Presença de flagelos nos gametas e/ou esporos. 
 
 
OCORRÊNCIA 
 
 São descritos aproximadamente 250 gêneros que se encontram em sua maioria em 
águas frias. Existem apenas 4-5 gêneros de água doce sendo o restante marinho. Em 
águas claras podem atingir até 220 metros de profundidade. 
 
 
MORFOLOGIA 
 
 Não existem formas coloniais nem unicelulares, exceto gametas e esporos. As 
formas mais simples são pluricelulares microscópicas epífitas. As mais complexas podem 
atingir até 60 m de comprimento (Macrocystis sp.). A organização do talo pode ser 
filamentosa, pseudoparenquimatosa ou parenquimatosa. 
 1) Talo filamentoso - presente nas formas mais simples, sendo unisseriado ereto, 
ramificado ou não, partindo de uma porção prostrada. Portanto, é possível a distinção de 
filamentos rasteiros de fixação e filamentos axiais eretos. 
 2) Talo Pseudoparenquimatoso - é composto por filamentos justapostos, unidos 
por mucilagem, em uma massa amorfa ou formando crostas. 
Introdução ao Estudo das Algas \u2013 Caracterização, Biologia e Importância das Algas com Clorofilas a e c e Fucoxantina: 
Divisões Phaeophyta, Bacillariophyta e Pyrrophyta 
 
 
 
 
Introdução à Biologia das Criptógamas 
Departamento de Botânica \u2013 Instituto de Biociências \u2013 Universidade de São Paulo 
100 
 3) Talo Parenquimatoso - é formado por células que podem se dividir em vários 
planos, formando um verdadeiro tecido. Esse talo pode ser cilíndrico ou achatado na 
forma de fita ou lâmina. Existe uma diferenciação entre medula e córtex. A medula é 
constituída por células incolores, enquanto que cloroplastos estão presentes no córtex. 
 Na medula de certas feófitas como as da Ordem Laminariales, as células cessam a 
divisão em determinada fase do crescimento. No entanto, a planta continua a crescer e 
essas células passam a ser esticadas. Desta forma, originam-se células longas que na 
região de contato com as células adjacentes permanecem com a largura original. Nessa 
região de contato, existem poros nas paredes que permitem o transporte de produtos da 
fotossíntese, principalmente de manitol. Essas células assemelham-se aos tubos crivados 
das plantas vasculares, sendo anucleadas e apresentando muitas mitocôndrias. 
 
 
CRESCIMENTO 
 
 O crescimento das feófitas pode ocorrer de diferentes formas: 
 1) Crescimento intercalar ou difuso - ocorre quando a maioria das células da 
alga é capaz de se dividir. Está presente na Ordem Ectocarpales (ex. Giffordia). 
 2) Crescimeto tricotálico - as divisões celulares estão localizadas na base de um 
ou vários filamentos. Ex. ordens Desmarestiales, Cutleriales e Chordariales (ex. 
Levringia). 
 3) Crescimento apical - ocorre através de uma célula apical (Sargassum), um 
grupo de células apicais - meristema apical (Chnoospora), ou uma margem de células 
apicais (Padina). Ex. ordens Sphacelariales, Dictyotales e Fucales. 
 4) Meristema intercalar - o crescimento ocorre através de divisões