A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
08 - Karl Marx continuação - 04-09-2017

Pré-visualização|Página 1 de 2

08- Ka rl Ma rx conti nua çã o 04/09/ 20 17
Aula gravada em áudio
A e vo l ã o da hi stóri a pa ra Ma rx (luta de cla sse s ) No li vro O Ma ni fe sto Co munista
Fa z uma e xpla na çã o da evol ã o do modo de pro duçã o, de sde o Es tado Na tu ral a té o
fe uda li smo e po r fi m che ga r no ca pi ta li sta . Pa ra Ma rx, o home m evol u i a s ua forma de
p roduçã o e m ca da mome nto. A Hi s tó ria d o Home m é a hi stó ria da Lu ta de Cla sse s” que
a con te ce u a té o ca pi ta li s mo e que no fu tu ro não i rá a conte ce r, no so cialismo e comuni smo
não exis te a l uta de cl asse s, poi s no co muni smo tod os se ri a m i guai s. Toda via dentro d o p róp ri o
so cial i smo a in da e xi sti ra Lu ta de Cl asse s, poi s o Es ta do se ria o dono da pro pri e dade e o po vo
tra bal ha ria pa ra o e sta do, re toma n do a Lu ta de Cl asses.
Feudal ismo (V-XV) ->capital ismo ( XVI X IX ) - > soci al ismo -> comunis mo
Pa ra Ma rx, n o fu tu ro, o pro l eta ria do i ri a se orga ni za r, po r me io de si ndi ca tos e pa rti dos
ope rá ri o s, p a ra pe ga r em a rmas e iria m de s trui r os burgue se s e por conse quên cia o
ca pi ta lismo. Isso a conte ce e m Pa ri s, na cha ma da Comuna de Pa ri s, que nã o de u ce rto. Só
a con te ce no va me nte , na Rússia , e m 1917, na cha ma da Re vol ã o Russa , ou Re vol ã o
So vi é ti ca . A conte ce na China e m 1949, Cu ba 1959, Ni ca rá gu a 1979.
Lo go a pós a toma da do pode r, surgiri a o So cia li smo, a ditadura do pro le ta ria do. O pa rti d o do s
Tra bal ha dore s e ntra ri a no pode r e se ri a uma fa se de curta duraç ão (alguns meses ou anos),
pa ra a ca ba r com o ca pi talista , a s sa ssina ndo os ca pi talista s. Oco rreri a a esta ti za çã o da
p ropri e da de , por me i o da força , todos os me i os de produçã o se ria m de prop rieda de do
Es ta do. Isso oco rre ria e m to dos os pa íse s do mundo. No con ce i to Ma rxi s ta a Co reia do No rte ,
Cub a ai nda es tá na fas e do soci al ismo.
Co m o fim do socia lismo, su rgi ri a o co muni smo, pa ra a ca ba r co m o Es ta d o, nã o exi sti ria mai s
pa íse s inde pe nde n te s. A pro p ri eda de seria coleti va , e os donos de sta prop rie da de seria dos
tra bal ha dore s daque la p ropri e da de , uma e s cie de coope ra ti vi smo. Em uma uni ve rsi da de , os
donos se ri a m os funci o ná ri os admi ni stra ti vos, fun ci oná ri os da li mpe za , Professo res e alunos
e nqua nto e studasse m na quela uni ve rsi da de . Uma socie da de onde ha ve ria uma igua lda de tota l
e ntre as pess oa s. Pa ra Ma rx, e ssa se ri a uma s ocie dade pe rfei ta , toda via não e xpl i cou co mo iria
fun ci ona r.
O ma te ri ali smo hi stóri co ou dial é ti co
Ma rx e sta va pre ocupa do com a vi da con cre ta da s pe ssoas. El e di vi dia a s ocieda de em duas
ca te go ri as:
o Su pe re s trutu ra O que a soci e dade pe nsa , sua s ide ias. Sã o a s ideia s de uma
é poca , a cul tura , siste ma ju rídicos e pol íti co, e reli gi õe s de um pa ís. Tud o i s s o
l i gado a ide ias. É a pe nas conse quê n cia da i nfra estru tu ra .
o Inf rae stru tu ra - O q ue a soci e dade é fi si ca mente . Pa rte maus rele va nte da
so cie da de . Ma rx di zi a que a i nfrae stru tu ra de te rmi na a supe re stru tu ra . A
e stru tu ra de uma so cie da de é a sua e conomia (O Ca pi tal MAR X) , a ba se da
so cie da de é co mo a so cie da de e strutu ra sua e conomia . O que ca ra cte ri za a
so cie da de é a inf rae stru tu ra , seus pi la re s. Era a ba se da soci eda de . Di vi didas
e m dua s pa rte s:
Comme nt [ DL1] : Luta entre os pr opr ietá r ios
e os não pro prietários .
Comme nt [ DL2] : Senhores F euda is
(Nobrez a) eram o prop rietá r io, os d onos de
terra, dos F eudos.
S ervos eram os não pr opr ietá r ios, eram liv res,
ma s tinha m a obr iga ção de morar na terra,
deveria m orar permanentemente junt o c om
sua descendênc ia naque la terra que g anhou
do S enhor F eudal. E le dev eria t raba lhar na
terra e nas terra s comuna is , e não poder ia m
sa ir da li.
Comme nt [ DL3] : Surge com a decadênc ia
do f eu dalis mo.
Com a fuga dos s erv os dos f eudos, para as
grandes cidades, e vira a b urg uesia . A gora a
cla ss e dom inante era a Burgues ia. A burgues ia
pod ia dem it ir o trabal hador.
Q uem tra ba lhava para a burg ues ia , era
pro letariad o. Um t rabalhador livre e
as sa la ria do. Ag ora o traba lhad or pode r s e
demitir e esco lher se t rabalha o u não para
determ inad o burguês

Fo a s Prod u ti vas ba si ca me nte a te cnol ogia q ue o pa ís u til i za , se é
a grá rio (e xtensi va ou i ntens i va ), i ndus tria l (ba se ou be ns de cons umo),
co muni ca çã o (cel ula r ou postal ).
Rela çõe s de Tra ba lho co mo os ho me ns tra balha m. Onde a con te ce a
Lu ta de Cl asse s.
Es cra vi dã o
Se rvid ã o
Assala ria me nto Di fe re a e ntre o fun ci oná ri o bli co e o
p ri va do . As l eis e sa ri os sã o di fere nte s .
Todas as ve ze s que a s força s pro duti va s sã o modi fica das, a s rela ções de tra balh o se
mod i fi ca m. Qu a ndo uma te cn ol ogi a é cria da , a s rela çõe s de tra ba lho sã o modi ficadas pa ra se
a de qua r a essa nova rea lidade .
Ati vid ade 3
1- Ma rx a fi rma va que a i nfrae stru tu ra de te rmi na supe re stru tu ra . Exe mpl i fiq ue (não
va lem os e xe mpl os da d os e m a ula ) .
2- Na sua vi sã o, o ‘so cial ismo’ (esta ti za ção pre vi sta por Ma rx) fra ca ssou? Po r que ?
Comme nt [ DL4] : Para M arx, era essencia l
estudar e anal is ar es ses p ontos, para se
entender a s oc iedade.