Modelagem de Sistemas de Informações
242 pág.

Modelagem de Sistemas de Informações


DisciplinaEngenharia de Software I7.295 materiais71.522 seguidores
Pré-visualização50 páginas
para avaliação das Metas 
\ufffd Escopo 
\ufffd Visão 
\ufffd Requisitos Funcionais Iniciais 
\ufffd Requisitos de Informação Iniciais 
\ufffd Requisitos Não Funcionais Iniciais 
\ufffd Pontos Críticos 
\ufffd Restrições 
\ufffd Glossário 
o Identificação de Oportunidades 
\u2022 Proposta Comercial 
o Cronograma Proposto 
o Investimento Proposto14 
o Exclusividade 
o Forma de pagamento 
o Reajustes 
o Renegociação 
o Confidencialidade 
o Outras Cláusulas (opcionais) 
V.14 Exercício 
V.14.1 Projeto 1: Livraria ABC 
Faça uma proposta inicial para a Livraria ABC. 
V.14.2 Projeto de curso 
Os grupos devem fazer uma proposta inicial, de acordo com o item V.13 e apresentá-
la ao professor para discussão e aprovação. 
 
14
 Sutilmente, o preço do sistema é proposto como \u201cinvestimento\u201d, o que de fato é verdade na visão da empresa 
contratante. 
 69 
 
 70 
Capítulo VI. Capítulo VI. Capítulo VI. Capítulo VI. Modelo de NegócioModelo de NegócioModelo de NegócioModelo de Negócio 
The sciences do not try to explain, they hardly even try to interpret, they mainly make models. By a model is meant a 
mathematical construct which, with the addition of certain verbal interpretations, describes observed phenomena. The 
justification of such a mathematical construct is solely and precisely that it is expected to work. 
John Von Neumann 
Organograma 
Funções de Negócio 
Processos de Negócio 
EPC 
Diagrama de Atividades 
Regra de Negócio 
A Modelagem de Negócio não faz parte da modelagem essencial ou da modelagem 
estruturada, mas cada vez mais vem sendo usada como uma ferramenta principal ou de 
auxílio do processo de desenvolvimento de software, visando o levantamento completo dos 
requisitos do sistema. 
Nesse capítulo trataremos de diferentes formas de modelagem de negócio: 
\u2022 Organograma15 
\u2022 Modelagem de Funções de Negócio 
\u2022 Modelagem de Processos 
\u2022 Modelagem de Regras de Negócio 
Um organograma é uma descrição da organização de uma empresa, amplamente 
divulgada, descrevendo as áreas da empresa e as hierarquias entre elas. O Organograma é 
ferramenta essencial na compreensão de uma empresa e suas linhas de poder. 
A modelagem de funções de negócio permite a compreensão do funcionamento da 
empresa sem sofrer a intervenção da forma de organização da empresa. De certa forma, pode 
ser desenvolvido como tanto como um modelo da encarnação do sistema atual como quanto 
uma ferramenta de substituição ou complementação da análise essencial. 
A modelagem de processos demonstra como funciona a empresa, passo a passo, no 
seu dia a dia. A partir dela pode ser possível levantar os pontos a serem automatizados de um 
processo e como os processos realmente realizados diferem dos processos normatizados da 
empresa. 
A modelagem de regras de negócio permite a compreensão da empresa de forma mais 
detalhada que os modelos anteriores. As regras de negócio podem ser utilizadas para ajudar a 
levantar o modelo essencial, o modelo conceitual de dados, ou para ajudar a implementá-los. 
Em alguns métodos, pode até mesmo ser utilizada no lugar desses modelos. 
 
15
 O organograma é uma das formas mais simples e antigas de modelar uma empresa. 
 71 
 
 
 
Figure 22. Passos da Modelagem de Negócios adaptado de Ross e Lam 
[B19]. 
VI.1 O Organograma 
Organogramas descrevem cargos, por meio de retângulos, e linhas hierárquicas, por 
meio de linhas. Alguns autores utilizam uma notação levemente mais complicada com o 
objetivo de descrever diferenças sutis em uma organização. 
Em geral o analista não precisa levantar o organograma, pois a empresa já o possui, 
mas é comum que haja algumas mudanças. É importante também levantar não só a hierarquia 
de cargos, mas também quem ocupa cada cargo, principalmente para apoio às tarefas de 
análise. 
A importância de conhecer o organograma da empresa se reflete tanto na modelagem 
propriamente dita, pois ele fornece a descrição da empresa que será convertida objetos do 
modelo, como no processo de modelagem, pois a partir do organograma temos o 
conhecimento de cargos e responsabilidades, definindo pessoas a serem entrevistadas. 
 72 
Diretor de
Produção
Diretor
Comercial
Presidente
Conselho
Administrativo
Diretor
Administrativo
Gerente de
 Vendas
Gerente de
Fábrica
Gerente de
Logística
Gerente
Financeiro
Gerente de
Recursos
Humanos
Gerente de
Grandes Clientes
 
Figura 23. Um exemplo de organograma simples, contendo apenas 
cargos. 
Um organograma pode ser utilizado para representar diferentes formas de 
subordinação, como a subordinação direta (onde o subordinado deve cumprir as ordens de 
seu chefe), a assessoria (onde o assessor fornece conselhos e pareceres) e a subordinação 
funcional (onde o superior pode determinar funções e métodos a outras áreas). Normalmente 
a subordinação direta é representada por uma linha cheia vertical, a assessoria por uma linha 
cheia horizontal e a subordinação funcional por uma linha pontilhada. 
Ao levantar o organograma, pode ser interessante também levantar as descrições dos 
cargos, se elas existirem (o que não é comum, principalmente em pequenas e médias 
empresas). 
VI.2 Níveis de Abstração e Modelos 
Neste capítulo estudaremos modelos que foram projetados para trabalhar com 
diferentes níveis de abstração. 
Para melhor compreender essa noção, vamos entender primeiro o que é um modelo: 
todo modelo é uma abstração de algo que existe ou se imagina que possa existir no mundo 
real. Abstração é o processo mental de separar um ou mais elementos de uma totalidade 
complexa de forma a facilitar a sua compreensão por meio de um modelo. 
No nosso dia a dia utilizamos a abstração para poder trabalhar com toda a informação 
que o mundo nos fornece. Um mapa, por exemplo, é um modelo de uma cidade. Dependendo 
da informação que queremos, colocamos alguns símbolos e tiramos outros do mapa. Um 
mapa também não pode ser \u201cperfeito\u201d, tem que \u201cabstrair\u201d as informações que não são 
necessárias naquele instante, ou teria que ter o mesmo tamanho da cidade. 
Podemos usar mapas com diversos graus de detalhe, ou seja, mais ou menos abstratos. 
Um globo terrestre, por exemplo, é um mapa muito abstrato. Geralmente com o objetivo de 
ensinar noções básicas de geografia. Já uma carta náutica é um mapa muito detalhado, que 
permite a navios ou barcos menores navegarem de forma segura em uma região. Ainda mais 
detalhada será a planta de uma casa ou prédio. Os níveis de detalhe são infinitos e são usados 
de acordo com a necessidade do problema a ser resolvido. 
 73 
 
 
4775mm
900mm
900mm
 
(a) Globo Terrestre16 (b) Mapa Antigo17 (c) Planta baixa decorativa 
Figura 24. Diferentes tipos de mapas, ou seja, modelos, cada um com 
um nível diferente de abstração e dedicado a uma utilização distinta. 
VI.3 Funções de Negócio 
As funções de uma instituição são os grupos de processos que gerenciam um recurso 
básico da organização [B20] Elas descrevem o que a organização faz, devendo estar de 
acordo com os objetivos da empresa. 
Funções de negócio mantêm a organização em operação, formando um conjunto de 
atividades (processos) relacionadas que tem como objetivo alcançar a missão ou objetivos da 
empresa. 
Segundo Modell [B4] uma função deve: 
\u2022 Ser identificável 
\u2022 Ser definível, por si só e em termos das atividades e responsabilidades 
associadas. 
\u2022 Não necessariamente ser mensurável (o que é influenciado pelo seu grau de 
abstração); 
\u2022 Além disso, ainda segundo Modell, uma função pode: 
\u2022 Ser uma área principal de controle ou atividade da organização 
\u2022 Ser composta de uma ou mais subfunções 
\u2022 Ser realizada em uma ou mais áreas18