como-criar-uma-oscip
23 pág.

como-criar-uma-oscip


DisciplinaMétodo I48 materiais242 seguidores
Pré-visualização8 páginas
sede da Instituição e/ou publicado na imprensa local, por circulares 
ou outros meios convenientes, com antecedência mínima de quinze dias.
Parágrafo Único \u2013 Qualquer Assembléia se instalará em primeira convocação 
com a maioria dos sócios e, em segunda convocação, com qualquer número.
 
Art. 16 \u2013 A Instituição adotará práticas de gestão administrativa, necessárias e 
suficientes, a coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de benefícios e 
vantagens pessoais, em decorrência da participação nos processos decisórios. 
(Lei 9700/99, inciso II do art. 4º.).
 
Art. 17 \u2013 A Diretoria Executiva é órgão de execução das decisões da 
Assembléia Geral, a qual incumbe, principalmente, cumprir e fazer cumprir as 
disposições legais regentes da (Sigla da Organização), e será constituída por 
um Presidente, um Diretor Administrativo e um Diretor Técnico.
Parágrafo Único \u2013 O mandato da Diretoria Executiva será de vinte e quatro 
meses, sendo permitida única reeleição consecutiva para o mesmo cargo e, no 
máximo três reconduções seguidas para membro de qualquer dos colegiados.
 
Art. 18 \u2013 Compete à Diretoria Executiva:
I \u2013 dirigir a (Sigla da Organização) de acordo com o presente Estatuto, 
deliberações da Assembléia Geral e demais atos regulamentares;
II \u2013 elaborar e submeter à Assembléia Geral a proposta de programação anual 
da Instituição e eventuais alterações a qualquer tempo;
III \u2013 executar a programação anual de atividades da Instituição;
IV \u2013 elaborar e apresentar à Assembléia Geral o relatório anual das atividades;
V \u2013 reunir-se com instituições públicas e privadas para mútua colaboração em 
atividades de interesse comum;
VI \u2013 contratar e demitir funcionários e/ou consultores;
VII \u2013 elaborar os atos regulamentares e o Regimento Interno a serem 
submetidos à Assembléia Geral.
 
Art. 19 \u2013 A Diretoria Executiva se reunirá no mínimo uma vez por mês.
 
Art. 20 \u2013 Compete ao Presidente:
I \u2013 representar a (Sigla da Organização), judicial e extrajudicialmente;
II \u2013 cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno;
III \u2013 convocar e presidir a Assembléia Geral;
IV \u2013 convocar e presidir as reuniões da Diretoria Executiva.
 
Art. 21 \u2013 Compete ao Diretor Administrativo:
I \u2013 arrecadar e contabilizar as contribuições dos associados, rendas, auxílios, 
donativos, contratos e convênios, mantendo em dia a escrituração da 
Instituição;
II \u2013 pagar as contas autorizadas pelo Presidente;
III \u2013 apresentar relatórios de receitas e despesas, sempre que forem 
solicitados;
IV \u2013 apresentar ao Conselho Fiscal a escrituração da Instituição, incluindo os 
relatórios de desempenho financeiro e contábil e sobre as operações 
patrimoniais realizadas;
V \u2013 conservar, sob sua guarda e responsabilidade, os documentos relativos à 
tesouraria;
VI \u2013 manter todo o numerário em estabelecimento de crédito;
VII \u2013 substituir o Presidente em suas faltas ou impedimentos;
VIII \u2013 assumir o mandato do Presidente, em caso de vacância, até o seu 
término.
 
Art. 22 \u2013 Compete ao Diretor Técnico:
I \u2013 elaborar planos e estudos visando ao desenvolvimento das atividades da 
Organização;
II \u2013 assistir os supervisores dos projetos na elaboração dos planos de 
propostas, contratos ou convênios referentes à realização de pesquisas, cursos 
e prestação de serviços à comunidade;
III \u2013 acompanhar e avaliar o andamento dos projetos, quanto ao seu aspecto 
técnico;
IV \u2013 manter atualizado um sistema de informações sobre os projetos em 
execução;
V \u2013 supervisionar a publicação dos trabalhos resultantes dos projetos em 
.execução e assistir à elaboração de outras publicações;
VI \u2013 supervisionar outras atividades de apoio técnico.
 
Art. 23 \u2013 O Conselho Fiscal será constituído por três membros e um suplente, 
eleitos pela Assembléia Geral.
§1º. O mandato do Conselho Fiscal será coincidente com o mandato da 
Diretoria Executiva;
§2º. Em caso de vacância, o mandato será assumido pelo suplente, até o seu 
término.
§3º. Os membros do Conselho Fiscal serão responsáveis, no exercício de suas 
funções, pelos prejuízos que causarem à (Sigla da Organização) e bem assim 
por ato ou omissão de seus antecessores, uma vez provado que tenham tido 
cabal conhecimento dos mesmos e se omitido a respeito, perante a Assembléia 
Geral.
§4º. Perderá o mandato o membro efetivo do Conselho Fiscal que deixar de 
comparecer a 2 (duas) reuniões consecutivas, sem motivo justificado, a critério 
da Assembléia Geral.
 
Art. 24 \u2013 Compete ao Conselho Fiscal:
I \u2013 examinar e aprovar, trimestralmente, os balancetes da (Sigla da 
Organização);
II \u2013 examinar, em qualquer época, os livros de escrituração da Instituição;
III \u2013 opinar sobre o balanço anual e relatórios de desempenho financeiro e 
contábil e sobre as operações patrimoniais realizadas, emitindo pareceres para 
os organismos superiores da entidade; (Lei nº. 9790/99, inciso III do art. 4º.).
IV \u2013 requisitar ao Diretor Administrativo, a qualquer tempo, documentação 
comprobatória das operações econômico-financeiras realizadas pela 
Instituição;
V \u2013 fazer consignar, em livros de atas e pareceres, o resultado dos exames 
procedidos;
VI \u2013 contratar e acompanhar o trabalho de eventuais auditores externos 
independentes;
VII \u2013 convocar extraordinariamente a Assembléia Geral.
Parágrafo Único \u2013 O Conselho Fiscal reunir-se-á, ordinariamente na primeira 
quinzena de cada trimestre do ano civil ou quando necessário, por convocação 
de seu Presidente.
 
 
Capítulo IV \u2013 DOS RECURSOS FINANCEIROS
 
Art. 25 \u2013 Os recursos financeiros necessários à manutenção da Instituição 
poderão ser obtidos por:
I \u2013 termos de parceria, convênios e contratos firmados com o Poder Público 
para financiamento de projetos na sua área de atuação;
II \u2013 contratos e acordos firmados com empresas e agências nacionais e 
internacionais;
III \u2013 doações, legados e heranças;
IV \u2013 rendimentos de aplicações de seus ativos financeiros e outros, pertinentes 
ao patrimônio sob a sua administração;
V \u2013 contribuição dos Associados.
 
 
Capítulo V \u2013 DO PATRIMÔNIO
 
Art. 26 \u2013 O patrimônio da (Sigla da Organização) será constituído de bens 
móveis, imóveis, veículos, semoventes, ações e títulos da dívida pública.
 
Art. 27 \u2013 No caso de dissolução da Instituição, o respectivo patrimônio líquido 
será transferido à outra pessoa jurídica qualificada nos termos da Lei nº. 
9790/99, preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social. (Lei nº 
9790/99, inciso IV do art. 4º.).
 
Art. 28 \u2013 Na hipótese da Instituição obter e, posteriormente, perder a 
qualificação instituída pela Lei 9790/99, o acervo patrimonial disponível, 
adquirido com recursos públicos durante o período em que perdurou aquela 
qualificação, será contabilmente apurado e transferido a outra pessoa jurídica 
qualificada nos termos da mesma Lei, preferencialmente que tenha o mesmo 
objetivo social. (Lei nº. 9790/99, inciso V do art. 4º.).
 
 
Capítulo VI \u2013 DA PRESTAÇÃO DE CONTAS
 
Art. 29 \u2013 A prestação de contas da Instituição observará no mínimo (Lei 
9790/99, inciso VII do art. 4º):
I \u2013 os princípios fundamentais de contabilidade e as Normas Brasileiras de 
Contabilidade;
II \u2013 a publicidade, por qualquer meio eficaz, no encerramento do exercício 
fiscal, ao relatório de atividades e das demonstrações financeiras da entidade, 
incluindo as certidões negativas de débitos junto ao INSS e ao FGTS, 
colocando-os à disposição para o exame de qualquer cidadão;
III \u2013 a realização de auditoria, inclusive por auditores externos independentes 
se for o caso, da aplicação dos eventuais recursos objeto de Termo de 
Parceria, conforme previsto em regulamento;
IV \u2013 a prestação de contas de todos os recursos e bens