QUÍMICA ORGÂNICA
218 pág.

QUÍMICA ORGÂNICA


DisciplinaQuímica Orgânica I15.017 materiais276.890 seguidores
Pré-visualização34 páginas
está a adição conjugada, ou 1,4-
adição, de um nucleófilo a uma ligação dupla C=C de um aldeído ou uma 
cetona \u3b1,\u3b2-insaturados. 
 
 
 
168
C
O
C
C
Carbono alfa
Carbono beta
Assim por diante, denominação grega dos
carbonos conjugados
 
 
Estruturas de ressonância para os aldeídos e cetonas conjugados. 
C
O
C
C +C
O-
C
C C
O-
C
C+
Carbono eletrofílico
 
 
Adição direta do nucleófilo ao carbono da carbonila (adição 1,2): 
C
O
:Nu
C
O-
Nu
H3O
+
C
OH
Nu
 
 
Adição ao carbono conjugado ao carbono da carbonila (adição 1,4): 
C
C
O
C
:Nu
C
O-
C
C
Nu
C
O-
C-
C
Nu
H O+
H
H
C
C
O
C
Nu
Aldeído ou cetona
alfa, beta insaturado
íon enolato
Aldeído ou cetona
saturado
 
 
Nu- = Cianeto (C\u2261N), aina (RNH2), alcóxido (RO-), carbânion (R3C-), 
hidreto (H-). 
 
 
 
 
 
169 
F) Oxidação de aldeídos e cetonas 
 
Os aldeídos são facilmente oxidados para produzir os ácidos 
carboxílicos, mas as cetonas são normalmente inertes a oxidação, por não 
possuir um hidrogênio ligado a carbonila que diminui sua reatividade. 
 
C
R H
O
C
R R'
O
O
O
C
R OH
O
Não ocorre
 
 
 Muitos agentes oxidantes, incluindo KMnO4 e HNO3 a quente, convertem 
os aldeídos em ácidos carboxílicos, mas CrO3 em ácidos aquosos é uma 
escolha mais comum no laboratório. 
 Uma desvantagem nessa oxidação com CrO3 é que este ocorre sob 
condições ácidas, e as moléculas sensíveis algumas vezes sofrem reações 
laterais. Nesse caso, a oxidação no laboratório de um aldeído pode ser 
executada usando-se uma solução de óxido de prata, Ag2O, em amônia 
aquosa, o então conhecido reagente de Tollens. Os aldeídos são oxidados pelo 
reagente de Tollens com alto rendimento, sem danificar as ligações duplas 
carbono-carbono ou outros grupos funcionais sensíveis ao ácido, em uma 
molécula. 
 
C
O
H
C
O
OHAg2O
NH4OH, H2O
Etanol
Ag+
 
 
 
 
 
 
170
E) Reação de Cannizzaro: Reduções biológicas 
 
 A reação de Cannizzaro ocorre pela adição nucleofílica de \u2013OH no 
aldeído para produzir um intermediário tetraédrico, o qual expele íon hidreto 
como grupo de saída. Uma segunda molécula de aldeído aceita o íon hidreto 
em outra etapa de adição nucleofílica, resultante em uma simultânea oxidação 
e redução, ou desproporcionamento. 
 Uma molécula de aldeído sofre a substituição de H- pelo \u2013OH e é 
portanto oxidada a um ácido carboxílico, enquanto uma segunda molécula de 
aldeído sofre a adição de H- e é então reduzida a um álcool. 
 
C
O
H
C
O
OH
C
OH
H
O-
-OH
C
O
H
H3O
+
C
OH
H
H
Ácido benzóico
(oxidado)
álcool benzílico
(reduzido)
Intermediário alcóxido
 
 
 A reação de Cannizzaro é interessante porque serve como uma simples 
analogia a um importante caminho biológico pelas quais as reduções 
carbonílicas ocorrem em organismos vivos. Na natureza, um dos mais 
importantes agentes redutores é uma substância chamada dinucleotídeo 
adenina nicotinamida reduzido, abreviado como NADH 
 
 
 
171 
N
C
O
NH2
H H
O
OH OH
CH2 O P O P O
O O
O- O-
CH2 O
OH OH
N
N
N
N
NH2
NADH
 
 
 O NADH doa H- para aldeídos e cetonas (e portanto os reduz) da 
mesma forma que o intermediário alcóxido. 
N
C
O
NH2
H H
R''
C
O
R R'
N+
C
O
NH2
R''
C
OH
H
R'R
+
NAD+
NADH
Aldeído ou
cetona
Álcool
 
 
 
7. Ácidos Carboxílicos e seus derivados 
 
 O grupo carboxila é um dos grupos funcionais mais amplamente 
encontrados na química e na bioquímica, não apenas os próprios ácidos 
carboxílicos são importantes, mas o grupo carboxila é o grupo gerador de uma 
família enorme de compostos relacionados chamados de compostos 
acíclicos ou derivados de ácidos carboxílicos. 
 
 
 
172
C
R Cl
O
C
R O
O
C
R
O
C
R O
O
R' R C N
C
R NH2
O
C
R NHR
O
C
R NRR'
O
Cloreto de acila Anidrido de ácido Éster Nitrila
Amida
 
 
 Um grande número de compostos, que possuem o grupo funcional ácido 
carboxílico, são encontrados na natureza, como exemplo: 
 
CH3CO2H \u2013 Ácido acético (vinagre) 
CH3CH2CH2CO2H \u2013 Ácido butanóico (odor de ranço da manteiga) 
CH3(CH2)4CO2H \u2013 Ácido hexanóico (ácido capróico \u2013 odor de cabras) 
CH3(CH2)14CO2H \u2013 Ácido palmítico (precursor biológico de gorduras e lipídeos) 
 
7.1 Estruturas e propriedades físicas de ácidos carboxílicos 
 
 Uma vez que o grupo funcional ácido carboxílico está estruturalmente 
relacionado a cetonas e aos alcoóis, podemos esperar algumas propriedades 
familiares. Como as cetonas, o carbono da carboxila tem hibridização sp2, os 
grupos ácidos carboxílicos são, portanto, planares com ângulos de ligação 
C-C=O e O=C-O de aproximadamente 120º. 
 Como os alcoóis, os ácidos carboxílicos estão fortemente associados 
por causa das ligações de hidrogênio. A maioria dos ácidos carboxílicos existe 
como dímero cíclico mantido junto por duas ligações de hidrogênio. 
 
C
O
O H
R R
H O
O
C
Dímero de ácido carboxílico
 
 
 
173 
 
 Essa forte ligação de hidrogênio tem um efeito notável sobre o ponto de 
ebulição, tornando os ácidos carboxílicos com maior ponto de ebulição que os 
correspondentes alcoóis. 
 
Tabela 1. Alguns ácidos carboxílicos e seus pontos de ebulição. 
Ácido Fórmula Ponto de Ebulição 
Fórmico HCO2H 101 
Acético CH3CO2H 118 
Propanóico CH3CH2CH2CO2H 141 
Benzóico C6H5CO2H 249 
 
7.2. Dissociação dos ácidos carboxílicos 
 
 Conforme o nome indica, os ácidos carboxílicos são ácidos. Portanto, 
reagem com \u201cbases\u201d como o NaOH e o NaHCO3 para gerar os sais de 
carboxilatos metálicos, RCO2-M+ (reação utilizada para produção de sabões). 
 Os ácidos carboxílicos com mais de seis carbonos são apenas 
levemente solúveis em água, mas os sais de álcali metálicos de ácidos 
carboxílicos são em geral completamente solúveis em água porque são 
iônicos. 
 
C
OHR
O
H2O C
R O-Na+
O
+ +NaOH H2O
Ácido carboxílico Sal de ácido carboxílico
(insolúvel em água) (solúvel em água)
 
 
 Como ácidos de Bronsted-Lowry, os ácidos carboxílicos dissociam-se 
em água para gerar o H3O+ e os ânions carboxílatos, RCO2-. A extensão exata 
da dissociação é dada pela constante de acidez, ka: 
 
 
 
174
C
OHR
O
H2O C
R O-
O
+ H3O
+
+
Ka = 
[H3O+] [RCO2-]
[RCO2H]
 
 
 Para a maioria dos ácidos carboxílicos, Ka é aproximadamente 10-5. O 
ácido acético, por exemplo ka = 1,76 x 10-5 (pKa = 4,75). Em termos práticos, 
um valor de ka próximo de 10-5 significa que apenas cerca de 0,1% das 
moléculas são dissociadas. 
 Embora muito mais fraco que os ácidos minerais, os ácidos carboxílicos 
são ainda muito mais fortes que alcoóis. O ka do etanol, por exemplo, é de 
aproximadamente 10-16. 
 Podemos perguntar então, \u201cPorque os ácidos carboxílicos são mais 
ácidos que alcoóis, embora ambos contenham o grupo \u2013OH?\u201d 
 
 O álcool dissocia-se formando o íon alcóxido, no qual a carga negativa 
está localizada em cima de um simples átomo eletronegativo. 
 
H2O H3O
+
+C
C
HH
H O
H
HH
C
C
HH
H O-
HH
Álcool íon alcóxido
(carga localizada)
 
 
 Já o ácido carboxílico, ao contrário, gera um íon carboxilato, no qual a 
carga negativa está deslocalizada sobre dois átomos de oxigênio equivalentes 
(efeito de ressonância). 
 
 
 
175 
H2O H3O
+
+
C
C
HH
H O
H
O
Álcool
C
C
HH
H O-
O
C
C
HH
H O
O-
Íon carboxilato
(carga deslocalizada)
 
 
 Como um íon carboxilato é mais estável que um íon alcóxido, ele possui 
energia mais baixa e mais altamente favorecida