Atos administrativos - Alexandre Magno
33 pág.

Atos administrativos - Alexandre Magno


DisciplinaDireito Administrativo I61.445 materiais1.087.917 seguidores
Pré-visualização12 páginas
desembargadores. A decisão é coletiva, mas expressa uma vontade única. 
 
Complexos: são formados por duas ou mais manifestações de vontade, provenientes 
de órgãos diversos. Exemplo: investidura em cargo público, que depende da nomeação 
realizada pelo Chefe do Poder Executivo e da posse, feita pelo chefe da repartição. 
 
Os atos complexos não se confundem com os processos administrativos. Apesar de 
ambos serem um conjunto de atos realizados com o objetivo de praticar um ato final, os 
atos complexos são praticados por diferentes órgãos, enquanto que os processos 
administrativos são praticados, geralmente, no interior do mesmo órgão. 
 
Compostos: são os que resultam da \u201cvontade de um órgão, mas depende da 
verificação por parte de outro, para se tornar exeqüível. Exemplo: uma autorização que 
dependa do visto de uma autoridade superior. Em tal caso a autorização é o ato principal e o 
visto é complementar que lhe dá exeqüibilidade. O ato composto distingue-se do complexo 
porque este só se forma com a conjugação de vontades de órgãos diversos, ao passo que 
aquele é formado pela manifestação de vontade de um único órgão, sendo apenas ratificado 
por outra autoridade\u201d (Meirelles, 2007, p. 173). O segundo ato pode ser aprovação, 
autorização, ratificação, visto ou homologação. Ex.: os Ministros do STF são indicados 
pelo Presidente da República e aprovados pelo Senado para que possam ser finalmente 
nomeados pelo Presidente. 
 
O ato complexo é apenas um ato administrativo, formado por duas mais ou mais vontades 
independentes entre si. Ele somente existe depois da manifestação dessas vontades. O ato 
composto, ao contrário, é único, pois passa a existir com a realização do ato principal, mas 
 
32 \u201cPossuindo a Lei n.º 8.186/91 objeto determinado e destinatário certo \u2013 complementação da aposentadoria 
a ferroviários admitidos até 31 de outubro de 1969 na Rede Ferroviária Federal S.A \u2013 sem generalidade 
abstrata e impessoalidade, configura-se a natureza de ato administrativo em sentido material, consistente na 
concessão de aumento dos benefícios previdenciários para um grupo especifico.\u201d 
(STJ, AgRg no REsp 1120225) 
33 \u201cO Ministério Público Estadual, por seu turno, não pleiteou a declaração de inconstitucionalidade, senão 
formulou pedidos de efeitos concretos calcados na premissa de que a lei local era materialmente ato 
administrativo de eficácia prática.\u201d 
(AgRg na MC 15988 / SP) 
somente adquire exequibilidade com a realização do ato acessório, cujo conteúdo é somente 
a aprovação do primeiro ato. 
 
No caso do ato complexo, o prazo decadencial previsto no art. 54 da Lei 9.784/99 \u2013 limite 
de cinco anos para a anulação de ato administrativo \u2013 somente é contado a partir da última 
manifestação de vontade, pois, somente assim o ato estará completo. Por isso, as 
jurisprudências do STF34 e do STJ35 têm considerado que, sendo complexos os atos de 
concessão de aposentadoria, reforma ou pensão, a contagem desse prazo decadencial 
somente se inicia com o registro junto ao Tribunal de Contas. 
 
Outra consequência do caráter complexo desse ato é que os direitos ao contraditório e à 
ampla defesa não podem ser exercidos na concessão inicial da aposentadoria, reforma ou 
pensão, mas apenas depois que do pronunciamento do Tribunal de Contas. Assim o STF 
dispôs na Súmula Vinculante nº 3: 
 
\u201cNos processos perante o Tribunal de Contas da União asseguram-
se o contraditório e a ampla defesa quando da decisão puder resultar 
anulação ou revogação de ato administrativo que beneficie o 
interessado, excetuada a apreciação da legalidade do ato de 
concessão inicial de aposentadoria, reforma e pensão.\u201d 
 
7.4 Quanto ao conteúdo 
 
Atos constitutivos: criam uma situação jurídica, ou seja, passa a existir um direito ou uma 
obrigação para os administrados ou para a própria Administração Pública. Ex.: posse, pela 
qual passa a existir para o beneficiário a situação jurídica de servidor. 
 
Atos desconstitutivos ou extintivos: extinguem determinada situação jurídica. Ex.: 
revogação, que faz desaparecer um ato administrativo lícito e eficaz. 
 
Atos declaratórios: reconhecem uma situação jurídica anterior, possibilitando que ela 
tenha efeitos. Assim, o próprio ato declaratório tem eficácia retroativa (ex tunc).36 Ex.: 
 
34
 \u201cADMINISTRATIVO. APOSENTADORIA DE SERVIDORA PÚBLICA. INCORPORAÇÃO DE 
VANTAGEM REVOGADA: RECUSA DE REGISTRO DE APOSENTADORIA PELO TRIBUNAL DE 
CONTAS DA UNIÃO. INAPLICABILIDADE DO ART. 54 DA LEI 9.784/1999: ATO COMPLEXO. 
PRECEDENTES. EM 19.1.1995 A SERVIDORA NÃO CUMPRIA OS REQUISITOS EXIGIDOS PELO 
REVOGADO ART. 193 DA LEI N. 8.112/1990. SEGURANÇA DENEGADA.\u201d 
(STF, MS 25697 / DF) 
35 \u201cADMINISTRATIVO. APOSENTADORIA. ATO COMPLEXO. CONFIRMAÇÃO PELO TRIBUNAL 
DE CONTAS DA UNIÃO. DECADÊNCIA ADMINISTRATIVA QUE SE CONTA A PARTIR DESSE 
ÚLTIMO ATO. NÃO-CONFIGURAÇÃO. 
1. Nos temos da jurisprudência deste Superior Tribunal de Justiça e da Suprema Corte, o ato de aposentadoria 
constitui-se ato administrativo complexo, que se aperfeiçoa somente com o registro perante o Tribunal de 
Contas, razão pela qual o marco inicial do prazo decadencial para Administração rever os atos de aposentação 
se opera com a manifestação final da Corte de Contas.\u201d 
 (STJ, RMS 19240 / RJ) 
36 \u201c1. A concessão de isenção tributária apenas proclama situação preexistente capaz de conceder ao 
contribuinte o benefício fiscal. 
anulação de um ato administrativo, que reconhece sua nulidade, ou seja, sua 
incompatibilidade com a lei; declaração de prescrição de uma ação ou de decadência de um 
direito. 
 
Atos alienativos: transferem bens ou direitos de um titular a outro. Em determinados casos, 
requer autorização legislativa, como na alienação de bens imóveis da Administração Direta 
e das autarquias e fundações, por meio de concorrência (Lei 8.666/93, art. 17, I). 
 
Atos modificativos: alteram situações pré-existentes, sem extinguir direitos nem 
obrigações. Ex.: mudança do horário de uma reunião. 
 
Atos abdicativos: aqueles em que o titular abre mão de um direito. São incondicionais, 
irretratáveis, imodificáveis e irreversíveis. Formalizam-se normalmente por meio de 
renúncia. De acordo com Meirelles (2007, p. 174), a Administração Pública somente pode 
renunciar a direito se houver autorização legislativa. Essa restrição é decorrente do 
princípio da indisponibilidade do interesse público pela Administração. 
 
7.5 Quanto às prerrogativas da Administração Pública 
 
Atos de império: são aqueles em que a Administração Pública tem supremacia sobre o 
particular, sendo disciplinados pelo Direito Público. São unilaterais, pois a vontade do 
particular é irrelevante. Ex.: desapropriação. 
 
Atos de gestão: são aqueles em que a Administração atua em situação de igualdade com o 
particular. São regidos pelo Direito Privado. São atos bilaterais, pois seus efeitos dependem 
da concordância do particular. Na verdade, não configuram atos administrativos, mas 
apenas atos da Administração. Ex.: locação de um imóvel. 
 
Atos de expediente: são simples atos de tramitação interna de papéis, não tendo efeitos 
diretos sobre os administrados. Ex.: protocolo de documentos recebidos na repartição. 
 
Classificação dos atos administrativos 
Quanto ao alcance Internos e externos. 
Quanto aos destinatários Gerais e individuais. 
Quanto à intervenção da vontade 
administrativa 
Simples, compostos e complexos. 
Quanto ao conteúdo Constitutivos, desconstitutivos (extintivos), 
declaratórios, alienativos, modificativos e 
abdicativos. 
Quanto às prerrogativas da Administração 
Pública 
Atos de império, de gestão e de expediente.