Biologia da Conservação e Manejo da Vida Silvestre_Cullen_Rudy_Rudran_e_Valladare -1
634 pág.

Biologia da Conservação e Manejo da Vida Silvestre_Cullen_Rudy_Rudran_e_Valladare -1


DisciplinaBiologia35.790 materiais1.142.983 seguidores
Pré-visualização50 páginas
uso de laços e visgo, usadas por populações nati­
vas e apanhadores de aves, podem ser cogitadas como formas alternativas de 
captura para fins científicos, porém requerem extrema cautela, pois, em geral, 
podem ser excessivamente traumáticas. O laço é tradicionalmente utilizado na 
captura de psitacídeos adultos, ao passo que filhotes em geral são apanhados no 
ninho. Nas regiões litorâneas, é comum que os caiçaras utilizem substâncias vis­
cosas e aderentes nos galhos das árvores, em locais de dormitório ou alimentação, 
fazendo com que as aves fiquem presas, capturando-as em seguida. A utilização 
dessa técnica é contraindicada por causar danos severos à plumagem das aves 
capturadas, muitas vezes prejudicando a capacidade de voo dos animais.
Captura de Mamíferos
A escolha do método e o sucesso na captura dos mamíferos dependem do 
conhecimento do pesquisador sobre as diferentes dietas e comportamentos 
alimentares, distribuição espacial, área de uso, período de atividade e outros 
fatores individuais ou populacionais, comuns a cada grupo de mamíferos. 
Algumas características devem ser consideradas, como a distribuição espacial, 
horizontal e vertical dà espécie. A distribuição horizontal pode ser analisada 
em diversas escalas, desde o micro-hábitat até macrorregiões geográficas. A 
distribuição vertical refe*re-se à utilização de diferentes estratos de vegetação.
113
PAULO ROGÉRIO MANGINI
PATRÍCIA AVELLO NICOLA
São relevantes, também, as características da dieta e modo de alimentação. 
Para a grande maioria das espécies de mamíferos, a instalação de pontos de 
ceva amplia o sucesso de captura.
Pequenos mamíferos não voadores
Denominam-se pequenos mamíferos não voadores todos os marsupiais neo­
tropicais e a maioria das espécies de roedores pertencente às famílias Muridae, 
Sciuridae, Ctenomyidae, Echim yidae e Caviidae. Devido à alta diversidade de 
espécies desses dois grupos, várias são as técnicas de captura. Porém, o uso 
de gaiolas [live traps) é o método mais convencional para capturar pequenos 
mamíferos não voadores. Para a ampla maioria das espécies, são utilizadas 
gaiolas do tipo Sherm an, Tom ahaw k ou, ainda, gaiolas de grade de arame 
galvanizado. As gaiolas podem ser colocadas em transeçtos de tamanhos varia­
dos ou dispostas em grades quadradas (consultar Auricchio & Salomão 2002 , 
para detalhes).
Previamente, deve-se determinar o ambiente onde serão posicionadas as arma­
dilhas. Algumas espécies' são capturadas apenas próximas a margens de rios, 
outras apenas nas áreas de vegetação mais densa. Deve-se também determinar 
se as armadilhas estarão posicionadas no solo ou no dossel. As gaiolas coloca­
das no sub-bosque ou dossel devem ser amarradas com arame, barbante ou 
corda ou, ainda, dispostas sobre plataformas. Outro fator importante é a esco­
lha da isca. Essa pode servir como fator de seleção entre diferentes espécies 
em um mesmo hábitat. Algumas variedades de pequenos mamíferos possuem 
predileção por determinados tipos de isca. Como exemplo, a cuíca, Gracilinanus 
spp., pode ser capturada com pedaços de abacaxi, o rato-do-mato, Akodon 
spp., com milho verde e pasta de amendoim, e a cuíca-d\u2019água, Chironeçtes 
minimus, com iscas de sardinha.
A captura de pequenos primatas pode ser feita principalmente por meio de 
gaiolas ou retirando-se os animais dos ocos de árvores, onde se abrigam du­
rante a noite. Espécies de médio porte, como o macaco-prego (Cebus spp.) e o 
bugio [Alouatta spp.), podem também ser capturados por armadilhas, porém 
com eficiência reduzida. Primatas maiores, como macaco-barrigudo (Lagothríx 
spp.) e o macaco-aranha [Ateies spp.), em geral, precisam ser capturados com 
uso direto de dardos anestésicos, disparados por armas especiais que usam 
como propulsor ar comprimido ou C 0 2, muitas vezes sendo necessário em­
pregar o mesmo método para captura de primatas de médio porte.
114
CAPTURA E MARCAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES
Pequenos mamíferos voadores v
A Ordem Chiroptera é rica em número de espécies e, portanto, podem ser 
observados em um número variado de hábitats. Cada família apresenta hábitos 
alimentares diferentes e cada espécie de uma mesma família pode apresentar 
preferências alimentares distintas. Para capturá-los, o método mais empregado 
utiliza redes de neblina, como utilizado para aves, porém, neste caso, redes 
duram menos. Elas são colocadas em locais estratégicos, em geral áreas co­
muns de passagem, assegurando êxito na captura.
O reconhecimento e a identificação dos, refúgios pode auxiliar de forma impor­
tante na captura desses animais. Abrigos naturais ou artificiais também podem 
ser explorados e os exemplares podem ser capturados com auxílio de luvas de 
couro e puçá. Existem dois tipos básicos de refúgios: 1) refúgios diurnos, que 
são locais onde os indivíduos dormem é realizam parte das atividades sociais 
e 2) refúgios noturnos, que são os locais de pousos temporários e servem de 
abrigo durante o período de atividade dos morcegos. Os abrigos ainda podem 
ser classificados como naturais ou artificiais. Os abrigos naturais geralmente 
usados pelos morcegos são ocos de árvores, folhas, cascas soltas de árvores, 
fendas em rochas, matacões, cavernas ou grutas. Os abrigos artificiais mais 
comuns são construções abandonadas, espaços entre telhas, forros de telha­
dos, cômodos de casas abandonadas, vãos de escadas externas, chaminés de-v 
Cativadas, cumeeiras de telhados, caixas d\u2019água vazias, pontés e viadutos.
Não se recomendam incursões ao interior de cavernas com alta densidade de 
morcegos, sem que o pesquisador e sua equipe estejam utilizando equipamen­
tos de segurança e adequadamente imunizados contra raiva. A simples inala­
ção de esporos de fungos que crescem sobre as fezes de morcegos pode causar 
histoplasmose (Auricchio & Salomão 2002 ).
Mamíferos de médio e grande porte
Apesar da grande variedade de espécies contidas nesse grupo, algumas formas 
básicas de captura podem ser relacionadas. Todavia, cada método está sujeito 
a uma série de variações para que seja aplicado a diferentes espécies. De forma 
genérica, os mamíferos médios e grandes podem sér capturados com o uso de 
armadilhas tipo caixa ou gaiola, currais, redes ou por espreita e perseguição.
Armadilhas de caixa são utilizadas na captura de uma grande variedade de 
mamíferos de médio porte. As jaulas representam uma das formas mais efici­
entes na captura de pequenos e grandes felinos. Outros carnívoros como caní­
deos, procionídeos e mustelídeos, além de grandes roedores, geralmente são
115
PAULO ROGÉRIO MANGINI
PATRICIA AVELLO NICOLA
capturados em armadilhas de carreiro ou caixa. Além de uma armadilha com 
estrutura adequada, o ponto diferencial no sucesso da metodologia de. captura 
parece ser a escolha do local mais apropriado e da isca mais palatável para os 
indivíduos da população local. As caixas também podem ser utilizadas com 
eficiência na captura de ungulados como Tayassuidae e pequenos cervídeos. 
O sucesso de captura de cervídeos do gênero M azam a e Ozotocerus nessas 
armadilhas é extremamente baixo, sendo aparentemente a disponibilidade de 
recursos alimentares fator que contribui para tanto. Na ausência de períodos 
de seca e invernos rigorosos, os animais relutam em entrar em armadilhas em 
busca de alimentos (Nunes et al. 1997). Em termos gerais, a utilização de sis­
temas de captura com redes demonstram-se mais eficientes para diferentes 
espécies de cervídeos. Entretanto, eficiência e segurança têm sido obtidas por 
outros métodos. Duarte (1999) descreve a técnica de bulldoging para captura 
do cervo do Pantanal (Blastocerus dichotomus). Com auxílio de um helicópte­
ro, o animal desejado é direcionado para uma área alagada e de vegetação 
densa, com cerca de 0,6 a 1,5 metros de lâmina d\u2019âgua. Nesse terreno, torna-se 
lento, podendo ser contido manualmente por dois
Talita
Talita fez um comentário
Valeu pelo compartilhamento!
0 aprovações
Carregar mais