Estgio bsico em psicologia hospitalar
9 pág.

Estgio bsico em psicologia hospitalar


DisciplinaEstágio Supervisionado I11.565 materiais38.409 seguidores
Pré-visualização5 páginas
que se efetua entre profissionais de áreas distin-
tas a fim de configurar um atendimento interdisciplinar e proporcionar ao paciente uma 
avaliação/diagnóstico que se fundamente em mais de um saber, e seja, dessa forma, 
mais eficaz. Nessa prática os profissionais envolvidos reconhecem os limites de seus 
saberes e as possibilidades de articulação e reconhecimento das contribuições do saber 
do outro, o que possibilita romper com o processo de hierarquização e o privilégio de 
uma única voz sobre outras 
 
5.3. A Produção de Sentidos acerca da Função do Psicólogo 
 
Esse caso também foi acompanhado pela psicóloga e pelo estagiário. Uma crian-
ça havia sido internada na UTI Pediátrica apresentando sonolência e convulsões. A psi-
cóloga foi realizar o acolhimento e escutar a acompanhante que se identificou inicial-
mente como \u201cmãe\u201d e posteriormente como \u201ctia\u201d da criança. Como sua fala era confusa, 
não foi possível identificar se ela era realmente mãe ou tia, e, portanto, preferiu-se ado-
tar o termo acompanhante na continuação desse caso. 
 A acompanhante apresentava-se muito inquieta e falava ininterruptamente. Ini-
cialmente, afirmou que a doença da criança, um menino com cerca de oito anos, poderia 
ter sido causada por uma cena que ele assistira entre o pai e um conhecido da família. 
Nessa cena, o pai cortara o dedo do outro rapaz com uma faca. Segundo a mãe, esse 
comportamento violento poderia ter ocasionado uma perturbação na criança que veio a 
ter uma crise convulsiva no banheiro e, segundo ela, falava sobre sangue e dedos corta-
dos. 
Depois falou que o pai da criança usava remédios psiquiátricos. Segundo ela, se 
a criança tivesse tomado esses remédios do pai teria tido uma convulsão. A acompa-
nhante afirmava que a criança estava muito bem até antes da convulsão; se ela tivesse 
tomado os medicamentos poderia ter tido essa reação. Outro fator que ela atribuía a do-
ença da criança eram os desenhos e filmes que assistia. Os filmes da televisão eram 
muito violentos e poderiam ter causado a convulsão. 
Ao dirigir-se à psicóloga, a paciente resgata um emaranhado de vozes acerca do 
quê e do como se fala com um psicólogo; acerca de quais problemáticas esse profissio-
nal se encarrega. A forma como ela se relaciona com a psicóloga reflete uma imagem 
social desse profissional. Em sua fala é possível constatar significados sobre a função 
de ser psicólogo. Entre esses significados, destaca-se, por exemplo, o psicólogo como 
profissional que trata do trauma psíquico no hospital e o psicólogo como detentor de um 
conhecimento sobre os psicofármacos. 
Como já foi apontado na contextualização histórica, houve um aumento conside-
rável de psicólogos no âmbito hospitalar a partir da década de cinqüenta a fim suprir a 
necessidade dos militares de atendimento psicológico especializado. Esse atendimento 
era requerido para ajudá-los a lidar com os traumas ocasionados pela 2ª Guerra Mundi-
al, o que contribuiu para construir a imagem de que o psicólogo seria o profissional res-
ponsável por tratar do trauma psíquico dos pacientes hospitalizados. Ao falar com a 
psicóloga, a acompanhante elenca como causas possíveis de emergência da doença o 
fato da criança presenciar e assistir eventos de natureza violenta que poderiam exercer 
um efeito traumático sobre ela. Dessa forma, essa função do psicólogo hospitalar da 
década de cinqüenta é atualizada na voz da acompanhante, no momento em que ela se 
dirige à psicóloga e atribui o sentido da doença a uma causa psicológica, a um trauma 
psíquico. 
Isso possibilita refletir sobre o lugar do psicólogo no hospital, e como a sua pre-
sença já evoca algumas características discursivas. Wertsch (1991) chama a atenção 
para essas caracterizações do discurso em função do contexto dialógico em que ocorre a 
atualização. Essa forma de endereçamento ao psicólogo reflete concepções (vozes) a-
cerca de sua competência que podem ser evidenciadas, por exemplo, quando a acompa-
nhante traz a questão da doença ter sido causada pela ingestão de psicofármacos. Isso 
pode ter ocorrido pelo fato de ter sido atribuído ao psicólogo e aos demais profissionais 
que trabalham com saúde mental, o conhecimento sobre esses medicamentos e seus 
efeitos. Essa atribuição foi um fomento para a acompanhante produzir sentidos acerca 
dos efeitos que um psicofármaco poderia ocasionar quando ingerido por uma criança de 
pouca idade, que não apresentara até o momento nenhuma anormalidade psíquica. Para 
a acompanhante, isso poderia desencadear um surto, uma convulsão, algo que não está 
compreendido em seu contexto social. 
Esse caso possibilitou refletir sobre o lugar do psicólogo no hospital, os signifi-
cados atribuídos para esse profissional e para as atividades por ele desempenhadas. Pos-
sibilitou também compreender como as histórias (vozes) que falam sobre o psicólogo se 
atualizam no discurso da acompanhante através dos sentidos que ela produz para a do-
ença da criança interconstituídos com a profissional com quem interagia. 
 
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 
Essa análise das práticas discursivas no Hospital Geral ilustrou a forma como as 
vozes da história transitam nas ações discursivas e atualizam-se nas construções de sen-
tidos contextuais. Nessa análise incluem-se também os sentidos construídos pelo estagi-
ário acerca das ações discursivas dos pacientes, da psicóloga preceptora e dos demais 
profissionais que atuaram nos contextos por ele experimentados. O conceito bakhtiniano 
de vozes suportou essa trajetória analítica que deu primazia a função da linguagem para 
se compreender a função dos atendimentos psicológicos no contexto hospitalar. 
A linguagem, nesse contexto, foi compreendida como o espaço dialógico, inter-
relacional, onde emergiram as vozes sociais com sentidos atualizados. Nessas atualiza-
ções residiu a matéria para a intervenção da psicóloga. Dessa forma a linguagem foi 
concebida como a ação dos pacientes e da psicóloga. Evidenciamos assim que discurso 
é ação. No contexto do Hospital Geral, as ações da psicologia puderam ser identificadas 
a partir das práticas discursivas que envolviam a psicóloga, os pacientes e os acompa-
nhantes atendidos. 
 Como resultado também da presente análise chamou-se a atenção para a neces-
sidade de superação do discurso médico como detentor absoluto do saber hospitalar e da 
valorização dos demais discursos. Para essa superação investe-se na interconsulta. A-
credita-se que essa estratégia fortalece a possibilidade dos profissionais, envolvidos com 
a intenção da interdisciplinaridade, compreenderem a relação entre as práticas discursi-
vas e a configuração dos fenômenos que eles abordam. 
 Essa análise de casos construída num período do estágio básico não se propôs 
esgotar as questões aqui apontadas. No momento, contemplou-se, através dela, a possi-
bilidade de apresentar indicativos de uma perspectiva para se compreender e avaliar o 
exercício da Psicologia no contexto hospitalar. 
 
 
REFERÊNCIAS 
 
BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro, Forense Univer-
sitária, 1981. 
 
FARACO, C. A. Criação Dialógica e Dialogismo In: FARACO, C. A. Linguagem e 
diálogo: as idéias lingüísticas do círculo de Bakhtin. Curitiba, Criar Edições, 2003. 
 
FOUCAULT, M. O Nascimento da clínica. Rio de Janeiro, Editora Forense Universi-
tária, 2003. 
 
______________. Os anormais. São Paulo; Martins Fontes, 2002. 
 
MARKOVÁ. I. Lingüística e antinomias dialógicas. In: MARKOVÁ. Ivana. Dialogici-
dade e representações sociais: as dinâmicas da mente. Tradução de Hélio Magri Filho. 
Petrópolis, Vozes, 2006. 
 
SILVA, L.P.P.; TONETTO, A.M.; GOMES; W.B. A prática psicológica em hospitais: 
adequações ou inovações? São Paulo, Contribuições Históricas, 2006. 
 
WERTSCH, J. V. Voices of Mind: a sociocultural approach to mediated action. 
Cambridge, Massachussets,