Ponto 3 - Processo Civil
29 pág.

Ponto 3 - Processo Civil

Pré-visualização10 páginas
provisória para se aferir o valor do depósito, como decorrência da exigência constitucional de justa e prévia indenização, já que com a imissão na posse, o particular fica desprovido de todos os poderes inerentes ao domínio.
Levantamento do valor depositado (art. 33, § 2º): autoriza ao expropriado o levantamento de até 80% do valor depositado.
Consectários legais: os juros compensatórios estão previstos no art. 15-A e dizem respeito à remuneração pela perda antecipada da posse, vigorando o percentual de 12% ao ano (súmula 618 do STF)\ufffd.
Os juros moratórios (art. 15-B) têm finalidade diversa: de recompor o valor da indenização em virtude do atraso no pagamento, sendo de 6% ao ano.
Inicialmente, o STJ entendia pela cumulatividade dos juros (súmula 12), contudo, tendo em vista a sumula vinculante 17, passou a entender que não são cumuláveis por incidirem em momentos distintos.
Os compensatórios incidem a partir da imissão na posse, na desapropriação direta; ou ocupação indevida do bem, na indireta (súmula 69 STJ) ate a data da expedição do precatório; enquanto os moratórios apenas incidirão após o término do exercício em que o precatório deveria ter sido pago (quando se caracterizaria a mora).
Correção monetária. Segundo a súmula 561 do STF, em desapropriação, é devida a correção monetária até a data do efetivo pagamento da indenização.
Honorários advocatícios: serão fixados entre 0,5% e 5%, sobre a diferença entre a oferta e a indenização arbitrada, ambas corrigidas monetariamente (art. 20, § 1º, do DL; súmula 617 do STF e a súmula 141 do STJ). Nota-se que o STF declarou inconstitucional a parte do dispositivo que vedava o arbitramento de valor acima de R$ 151 mil reais.
Impostos de transmissão (art. 27, § 2º, do DL) a transferência da propriedade do bem não gera a incidência dos impostos de transmissão. Contudo, segundo a súmula 111 do STF, se houver retorno do bem ao particular (retrocessão), o imposto de transmissão será devido.
Desistência da desapropriação. Poderá ocorrer até a sua consumação, isto é, até o efetivo pagamento do preço.
3.11.6 Ação Discriminatória
Criado pela Lei 6.383/76, que buscou uma forma de separar as terras públicas das privadas, é a esse fim que se destina o procedimento discriminatório; que é composto por 02 fases:
1) Fase Administrativa \u2013 se divide em etapas:
a) CHAMAMENTO dos interessados (publicação dos editais)
- se tiver dúvidas, ajuíza ação judicial;
- se apresentados títulos legítimos, será lavrado o registro para os particulares;
b) DEMARCAÇÃO
- serão delimitadas as terras:
	i) devolutas
	ii) particulares
 	iii) objeto de legitimação de posse
Títulos que suscitarem dúvidas. 
	
2) Fase Judicial \u2013 ocorre por meio da AÇÃO DISCRIMINATÓRIA de rito especial, sendo a titularidade de seu ajuizamento do poder público. Hipóteses:
	i) quando o processo administrativo for interrompido ou dispensado
	ii) quem não atender ao chamamento
Quando ocorrer atentado (alteração das divisas após o processo)
Competência: Justiça Federal, se tiver terras da União
Sentença: define os títulos legítimos apresentados pelos particulares; por exclusão, definem-se as terras devolutas. 
Se o Estado não discrimina as terras, elas poderão ser usucapidas e o ajuizamento da usucapião impede a instauração do procedimento discriminatório.
\ufffd Art. 88. É competente a autoridade judiciária brasileira quando:I - o réu, qualquer que seja a sua nacionalidade, estiver domiciliado no Brasil;II - no Brasil tiver de ser cumprida a obrigação; III - a ação se originar de fato ocorrido ou de ato praticado no Brasil.Parágrafo único. Para o fim do disposto no no I, reputa-se domiciliada no Brasil a pessoa jurídica estrangeira que aqui tiver agência, filial ou sucursal.
\ufffd Art. 89. Compete à autoridade judiciária brasileira, com exclusão de qualquer outra:I - conhecer de ações relativas a imóveis situados no Brasil; II - proceder a inventário e partilha de bens, situados no Brasil, ainda que o autor da herança seja estrangeiro e tenha residido fora do território nacional.
\ufffd Adotou-se aqui a teoria alemã, segundo o qual o objeto é formado apenas pelo pedido.
\ufffd Inconstitucionalidade dos juros compensatórios de até 6%. O STF suspendeu a parte do art. 15-A que diz \u201cde até seis por cento ao ano\u201d. O tribunal entendeu que essa limitação fere a justiça da indenização prevista na CF\ufffd. Aplica-se atualmente a súmula 618 do STF, que estabelece a taxa de juros compensatórios em 12% ao ano. O STJ entendeu que, entre a edição da MP 1.577/97, que alterou o art. 15-A, introduzindo a taxa de 6%, em 1997, e o julgamento do STF na MC na ADI 2332, que ocorreu em 2001, é válido a taxa de juros de 6% ao ano\ufffd. O art. 15-A, §§ 1º, 2º e 4º, estão suspensos pela mesma MC, pois o STF entendeu que violam o princípio do justo preço esculpido na CF. O trecho de 6% ao ano previsto no art. 15-B está em vigor.
\ufffdPAGE\ufffd1\ufffd