A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Aula 4 - Sistemas Supervisórios

Pré-visualização|Página 1 de 15

AULA 4
SISTEMAS SUPERVISÓRIOS
Profª Ana Carolina Bueno Franco

02
CONVERSA INICIAL
O planejamento de uma indústria está ligado à análise e ao
armazenamento de dados. Nesse contexto, o supervisório tem um papel
essencial: coletar os dados do chão de f ábrica e direcionar para um banco de
dados. Por esse motivo, não basta realizar o controle e a supervisão do processo,
é preciso projetar o sistema e considerar como será feito o armazenamento dos
dados, bem como as análises (transformar dados em informação).
Vários módulos do supervisório dependem dos dados armazenados. Pa ra
entender isso melhor, o objetivo desta aula é conhecer:
os con ceitos básicos de banco de dados;
os principa is bancos de dados do mercado e sua s características;
os histó ricos em supervisórios e com o configurá -los;
o modo como são feitas as consultas nos supervisórios;
alguns comandos da linguagem SQL;
o uso de fórmulas e o modo como são gerados os relatórios.
CONTEXTUALIZANDO
Ao especif icar um p rojeto de automação que envolva sistema supervisório,
é preciso con siderar diversos f atores: quinas (servidores), rede de
comunicação, integração com outros sistem as e ba nco de dados. Muitas f unções
e módulos dos supervisórios dep endem diretamente do a rmazenamento de
dados. Conhecer os sistemas disponíveis no me rcado e seus conceitos básicos
auxiliará o gestor de automação a identificar a melhor opção de acordo com as
necessidades.
TEMA 1 BANCO DE DADOS: CONCEITOS BÁSICOS
O conceito de banco de dados é bastante genérico. De forma geral, trata -
se de uma “coleção” de objetos que, de alguma fo rma , estão rela cionados entre
si. Dado s considerados randômicos, que não possuem qualquer tipo de relação,
não podem constituir um banco de dados.
Outra característica do ban co d e da dos é que este deve ter um grupo d e
usuários definidos e aplicações (consultas) pré-definidas (Cavalcanti, 2 014).
Um termo bastante utilizado e que gera dúvidas com relação ao conceito
em si é o Sistema Gerenciador de Banco de Dados SGBD (Elmasri; Navathe,

03
2005). Um SGBD pode se r definido como uma “coleção” de programas (software s)
cujas etapas são:
Def inição: consiste em espe cificar quais serão os tipos de dados, estruturas
e restrições para que os dados possam ser armazenados .
Construção: implica n o processo de armazenamento dos dados (servido res
etc.).
Manipulação : consiste na definição de funções e consultas dos dados e na
geração de relatórios customizados pelos usuários.
Compartilhamento : definição da arquitetura e do modo como os dados
serão compartilhados entre usuários.
Manutenção e segurança: etapa contínua e que exige extremo cuidado. Um
SGBD deve estar alocado em uma rede com alto grau de segurança.
Vejamos uma síntese desses conceitos básicos na Figura 1:
Figura 1 Conceitos básicos de banco de dados
Fonte: Cavalcant i, 2014.
A implementação de banco de dados na indústria é uma taref a complexa e
requer profissionais especializados. Existem vários fatores a serem considerados:
espe cificação de servid ores;
redundân cia;
espe cificação de softwares e sistemas que dependem do uso des ses
dados;