Economia - 04 - O Modelo IS-LM
23 pág.

Economia - 04 - O Modelo IS-LM


DisciplinaEconomia I32.599 materiais245.393 seguidores
Pré-visualização6 páginas
Curso Intensivo Regular 
 
 
www.cursoparaconcursos.com.br 
MATERIAL 04 
 
ECONOMIA 
PROF. CARLOS RAMOS 
 
 1 
Economia \u2013 Módulo 04 
 
IV \u2013 O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de 
bens e serviços e de moeda 
 
O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do 
mercado monetário. Trata-se de considerar os impactos causados pela variação da 
taxa de juros na economia. O pressuposto básico desse modelo é a existência de 
dois mercados distintos: 
\u2022 O mercado de bens e serviços, correspondente ao \u201clado real\u201d da 
economia, no qual o equilíbrio entre oferta agregada e demanda agregada 
ocorre a partir da igualdade entre o investimento planejado pelas empresas e 
a poupança planejada pelos indivíduos, ou: 
Sp = Ip 
Considerando Sp = Poupança planejada e Ip = investimento planejado. Havendo 
essa coincidência de planos, ocorrerá o equilíbrio macroeconômico levando à 
igualdade: 
Y = DA 
\u2022 O outro mercado é o mercado de moeda, onde o equilíbrio se dá pela 
igualdade entre a demanda e a oferta de moeda, ou: 
M = L 
Considerando M = Oferta de Moeda e L = Demanda por moeda. 
Atenção: Não confundir esse \u201cM\u201d, que corresponde à Oferta Monetária, com o \u201cM\u201d 
relativo às importações de mercadorias. Normalmente se utiliza a mesma letra para 
essas duas variáveis. Por isso, observe sempre o contexto em que a notação está 
sendo usada para saber do que se trata (se importações ou oferta de moeda). 
O modelo IS-LM parte do princípio de que existem várias combinações possíveis de 
Renda (Y) e taxa de juros (i) que equilibram o mercado de bens de serviços. Além 
disso, existem várias outras combinações de Renda (Y) e taxa de juros (i) que 
equilibram o mercado monetário. Mas, existe somente uma combinação de Y e i 
que equilibra simultaneamente os dois mercados, correspondente ao chamado 
Equilíbrio Geral. 
Curso Intensivo Regular 
 
 
www.cursoparaconcursos.com.br 
MATERIAL 04 
 
ECONOMIA 
PROF. CARLOS RAMOS 
 
 2 
O modelo ainda se preocupa em descrever os meios pelos quais a política fiscal 
e a política monetária afetam a economia. Vamos ver como isso acontece. 
 
A Curva IS - o Equilíbrio no mercado de bens 
 
A curva IS mostra as diversas combinações de taxas de juros e níveis de renda que 
permitem o equilíbrio do mercado de bens, ou seja, em que a despesa agregada se 
iguala à renda agregada. Nesse mercado o equilíbrio dá-se na igualdade entre a 
poupança (S) e o investimento (I). 
Vamos considerar por enquanto uma economia fechada e sem Governo. As nossas 
equações serão, portanto, as seguintes: 
Função Consumo: 
C = Ca + c.Y 
Função Investimento: 
I = Ia \u2013 h.i 
Onde: 
Ca = consumo autônomo (consumo mínimo) da coletividade, que ocorre mesmo que 
não haja renda; c = propensão marginal a consumir; Y = renda nacional 
O investimento agora é composto de duas partes: 
Ia = investimento autônomo, ou seja, a parcela do investimento que acontece com 
base nas expectativas dos empresários e -h.i = parcela do investimento afetada pela 
taxa de juros, sendo h a elasticidade do investimento à taxa de juros e i a própria 
taxa de juros. 
No modelo Keynesiano o investimento era totalmente autônomo, portanto 
determinado de forma exógena. Agora vamos incorporar ao nosso modelo a idéia de 
que, como boa parte dos investimentos (que são, por definição, despesas com a 
compra de bens de capital, construções, etc) são financiados através de recursos 
tomados no mercado monetário, deveremos considerar a influência da taxa de 
juros sobre os níveis desse investimento. 
Ao decidir pela realização de um determinado investimento, o empresário faz uma 
comparação entre a Eficiência Marginal do Capital, que corresponde à taxa de 
retorno dos ganhos futuros, e a taxa de juros, que representa o custo de aquisição 
dos recursos para fazer o investimento. Suponhamos que ao planejar, por exemplo, 
uma expansão de suas instalações, um empresário chegue aos seguintes valores: 
Curso Intensivo Regular 
 
 
www.cursoparaconcursos.com.br 
MATERIAL 04 
 
ECONOMIA 
PROF. CARLOS RAMOS 
 
 3 
\u2022 Taxa de retorno esperada para o projeto de expansão: 18% a.a. 
\u2022 Taxa de juros dos financiamentos bancários: 12% a.a. 
Nesse caso, haverá um ganho líquido para o empresário, de modo que ele terá 
incentivos para realizar o investimento. 
Enquanto isso, um outro empresário que deseje investir, mas cujos projetos 
apresentem uma taxa de retorno de, por exemplo, 8% a.a. não realizará tais 
investimentos, pois a taxa de juros dos financiamentos (que representa o custo do 
dinheiro) será maior do que o retorno esperado. 
Considerando a hipótese de uma única taxa de juros existente na economia, e 
levando em conta as premissas que dirigem o comportamento dos empresários 
nesse modelo, percebe-se que quando a taxa de juros se eleva, muitos 
investimentos deixam de ser realizados, em virtude do seu retorno ser menor do que 
o custo do dinheiro. 
Por outro lado, quando a taxa de juros se reduz, muitos investimentos passam a ser 
atrativos, pois possibilitam um ganho líquido para a empresa. Assim, podemos 
afirmar que a taxa de juros e o investimento têm uma relação inversamente 
proporcional. 
Vimos antes, no modelo keynesiano, que alterações no investimento levam à 
ampliação da renda, tanto pelo maior dispêndio autônomo como pelo efeito do 
multiplicador. 
Quando introduzimos agora no modelo a taxa de juros, influenciando o investimento, 
veremos que, reduções na taxa de juros levam ao aumento no investimento 
e, conseqüentemente ao aumento da renda. Isso pode ser visto na figura a 
seguir: 
 
Se a taxa de juros for igual a i1, haverá um certo 
nível de investimento I(i1), correspondente a 
uma renda de equilíbrio igual a Y1. 
Se a taxa de juros se reduz para i2, o 
investimento se eleva para I(i2), causando com 
isso aumento na renda de equilíbrio para Y2. 
Como o investimento é inversamente relacionado 
com a taxa de juros, a relação entre taxa de 
juros e renda que equilibra o mercado de bens é 
negativamente inclinada. Ou seja, \u2191i \u2192 \u2193I \u2192 
\u2193Y. 
Curso Intensivo Regular 
 
 
www.cursoparaconcursos.com.br 
MATERIAL 04 
 
ECONOMIA 
PROF. CARLOS RAMOS 
 
 4 
A curva IS reúne todos os pontos de 
equilíbrio do mercado de bens, 
determinando para cada nível de renda 
a taxa de juros correspondente. 
Qualquer ponto ao longo da curva IS 
representa um equilíbrio no mercado de 
bens. 
Pontos fora da curva IS correspondem 
a desequilíbrios no mercado de bens. 
 
Pontos à direita (ou acima) da curva IS correspondem a situações de excesso de 
oferta de bens, porque o nível de produto é maior do que a demanda agregada 
correspondente àquela taxa de juros. 
Seguindo a lógica keynesiana, com preços constantes, havendo excesso de oferta, 
ocorrerá acúmulo de estoques, fazendo com que as empresas diminuam a produção. 
Pontos à esquerda (ou abaixo) da curva IS representam, por sua vez, excesso de 
demanda de bens, porque, nesse caso, o nível de produto é menor do que a 
demanda agregada correspondente àquela taxa de juros . 
Havendo excesso de demanda, os estoques diminuirão, forçando um aumento na 
produção. 
Assim, sempre que houver desequilíbrios no mercado de bens, o ajuste 
ocorrerá via quantidades, alterando o nível de produto (e de renda). 
A inclinação da curva IS reflete a resposta da renda às variações na taxa de juros. 
Ela é negativa, como dissemos, devido à relação inversa entre investimento e taxa 
de juros. A inclinação dependerá essencialmente de dois fatores: 
\u2022 Da sensibilidade (elasticidade) do investimento em relação à taxa de 
juros e; 
\u2022 Da propensão marginal a consumir (portanto, do multiplicador 
keynesiano). 
No que diz respeito ao primeiro, temos que, quanto maior