Economia - 05 - Economia Aberta – Relações com o Setor Externo
24 pág.

Economia - 05 - Economia Aberta – Relações com o Setor Externo


DisciplinaEconomia I32.239 materiais241.098 seguidores
Pré-visualização7 páginas
o limite máximo de desvalorização admitido, o Banco Central interfere no 
mercado, vendendo moeda estrangeira (portanto, ofertando divisas). Ao atingir o 
limite desejado de valorização, O Banco Central interfere no mercado, comprando 
moeda estrangeira (portanto, demandando divisas). Como regra geral, as 
autoridades monetárias executam intervenções dentro dessas margens, antes que os 
limites estipulados sejam atingidos. 
 
O Balanço de pagamentos 
O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas as transações de um 
país com outros países do mundo. Nele são registradas todas as importações, as 
exportações, os fretes pagos a navios estrangeiros, os empréstimos que o país 
recebe em moeda estrangeira, o capital das firmas estrangeiras que abrem filiais no 
país, o capital das firmas estrangeiras que saem do país, etc. 
Isso quer dizer que, no balanço de pagamentos estão registradas todas as 
compras e vendas de moeda estrangeira. As compras de moedas estrangeiras 
são efetivadas para importar mercadorias de outros países, pagar serviços prestados 
por estrangeiros aos nacionais, para que as firmas estrangeiras possam enviar seus 
lucros aos países de origem, para pagamento de juros de empréstimos estrangeiros, 
royalties e patentes a outras nações do mundo, etc. 
As vendas de moedas estrangeiras são efetivadas pelos exportadores que 
receberam suas receitas em dólares, pelas firmas estrangeiras que estão montando 
filiais no país e precisam de moeda nacional, pelas entidades que receberam 
empréstimos de outros países e precisam convertê-los em moeda nacional para 
realizar seus pagamentos, etc. 
A estrutura geral do balanço de pagamentos pode ser observada no quadro a seguir: 
Curso Intensivo Regular 
 
 
www.cursoparaconcursos.com.br 
MATERIAL 05 
 
ECONOMIA 
PROF. CARLOS RAMOS 
 
 9 
 
A) BALANÇA COMERCIAL (mercadorias) 
\u2022 Exportações FOB \u2013 \u201cFree on Board\u201d (não consideram fretes, seguros e demais 
custos de comercialização) 
\u2022 Importações FOB - idem 
B) BALANÇA DE SERVIÇOS 
\u2022 Viagens Internacionais (turismo, negócios) 
\u2022 Transportes (fretes) 
\u2022 Seguros 
\u2022 Rendas de Capitais (juros, dividendos e lucros) 
\u2022 Serviços diversos (royalties, assistência técnica, aluguéis de equipamentos) 
\u2022 Serviços governamentais (embaixadas, consulados, representações no 
exterior) 
C) TRANSFERÊNCIAS UNILATERAIS 
(doações de mercadorias ou mesmo doações monetárias; donativos) 
D) SALDO EM CONTA CORRENTE DO BALANÇO DE PAGAMENTOS = A + B + C 
(ou ainda SALDO DE TRANSAÇÕES CORRENTES) 
E) MOVIMENTO DE CAPITAIS AUTÔNOMOS 
\u2022 Investimentos diretos líquidos (instalação de firmas estrangeiras no país) 
\u2022 Reinvestimentos (investimentos de uma firma estrangeira já instalada no país) 
\u2022 Empréstimos e Financiamentos (de bancos estrangeiros, de curto e longo 
prazo) 
\u2022 Amortizações (de empréstimos e financiamentos) 
\u2022 Entrada Líquida de outros capitais (capitais especulativos, aplicados no 
mercado financeiro) 
F) ERROS E OMISSÕES 
G) SALDO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS (D + E + F) 
H) MOVIMENTO DE CAPITAIS COMPENSATÓRIOS (ou FINANCIAMENTO DO 
RESULTADO) 
\u2022 Haveres e obrigações no exterior (variação das reservas internacionais) 
\u2022 Operações de regularização 
\u2022 Atrasados Comerciais 
Curso Intensivo Regular 
 
 
www.cursoparaconcursos.com.br 
MATERIAL 05 
 
ECONOMIA 
PROF. CARLOS RAMOS 
 
 10 
O item \u201cD\u201d (saldo do Balanço de Pagamentos em transações correntes) pode ou não 
ser compensado pelo item \u201cE\u201d (movimento de capitais autônomos). 
Deve-se destacar que a soma dos itens \u201cG\u201d e \u201cH\u201d do Balanço de Pagamentos será 
necessariamente igual a zero. 
Caso haja déficit no balanço de pagamentos (item \u201cG\u201d menor que zero) isso 
representará uma redução das reservas internacionais (item \u201cH\u201d maior que zero), 
para financiar este déficit. 
Se, pelo contrário, houver superávit no balanço de pagamentos, ocorrerá aumento 
das reservas internacionais. Assim, o resultado da soma \u201cG\u201d + \u201cH\u201d será sempre igual 
a zero. 
O que significa um superávit na balança de Transações Correntes (item \u201cD\u201d)? 
Vamos imaginar que o Brasil tenha exportado para os Estados Unidos mercadorias 
num total de US$ 18 bilhões e tenha importado do mesmo um total de US$ 15 
bilhões. Isso significa que o Brasil gerou uma renda equivalente a US$ 18 bilhões, 
mas sua população só consumiu US$ 15 bilhões (vamos abstrair o mercado interno). 
Por outro lado, os Estados Unidos produziram R$ 15 bilhões, mas sua população 
consumiu um total de US$ 18 bilhões. Portanto, o Brasil produziu mais renda do que 
consumiu, ou seja, teve poupança no valor de US$ 3 bilhões. Os Estados Unidos, por 
sua vez, produziram menos renda do que consumiram, portanto tiveram que 
financiar esse consumo superior à renda usando poupança externa. 
Nesse exemplo, o Brasil teve superávit no balanço de pagamentos em 
transações correntes, portanto teve poupança externa negativa em termos 
reais (saíram mais bens do que entraram). O Brasil transferiu parte de sua renda não 
consumida (portanto, poupança) para financiar um consumo maior pelos Estados 
Unidos. 
Por outro lado, os Estados Unidos tiveram déficit no balanço de pagamentos em 
transações correntes, portanto tiveram poupança externa positiva em termos 
reais (entraram mais bens do que saíram). Os Estados Unidos financiaram um 
consumo maior do que sua renda graças à poupança realizada pelo Brasil. 
Vimos anteriormente que: 
I = S + (T - G) + (M - X) 
Onde M \u2013 X > 0 é o saldo negativo da balança de transações correntes que é 
somado à poupança interna (privada e pública), permitindo, portanto, um 
investimento maior (estamos considerando somente a entrada e saída de bens, 
portanto supondo a Renda Líquida Enviada ao Exterior igual a zero). 
Curso Intensivo Regular 
 
 
www.cursoparaconcursos.com.br 
MATERIAL 05 
 
ECONOMIA 
PROF. CARLOS RAMOS 
 
 11 
Muitos países em desenvolvimento apresentam saldo negativo na balança de 
transações correntes. Normalmente, esses países têm um volume de poupanças 
pequeno, já que sua renda é reduzida, e complementam a poupança interna com 
saldo negativo na balança de transações correntes. 
Isso não significa que o saldo negativo seja sempre favorável ao país menos 
desenvolvido. Tudo depende da forma como esse saldo vai ser financiado: 
\u2022 Se for compensado pela entrada de capitais estrangeiros, através da 
montagem de empresas no país, mais tarde serão remetidos os lucros dessas 
empresas para o país de origem. Isso não chega a ser um problema muito 
grave no balanço de pagamentos, pois, se houver escassez de divisas para a 
remessa dos lucros, quem pagará pelas taxas de câmbio mais altas serão as 
próprias empresas. 
\u2022 Se o saldo negativo for coberto por empréstimos, a situação pode ser mais 
prejudicial, pois os juros desses empréstimos podem se tornar muito altos, 
agravando num período posterior a situação da balança de transações 
correntes. 
De qualquer forma, um saldo negativo na balança de transações correntes 
representa uma transferência de poupanças do resto do mundo para o país. Os 
custos desta transferência podem ser, eventualmente, um maior endividamento 
externo que pode se agravar caso as operações de empréstimos sejam tomadas a 
prazos muito curtos e os juros sejam fixados a taxas muito elevadas. 
 
Determinação da Renda de Equilíbrio numa Economia Aberta 
Veremos agora como fica o modelo IS-LM numa economia aberta, com base no 
modelo Mundell-Fleming. Veremos como a determinação da renda e da taxa de 
juros é alterada e qual o impacto das políticas econômicas sob diferentes regimes 
cambiais. 
Já sabemos que a curva IS reflete as condições de equilíbrio no mercado de bens e 
serviços, e a curva LM, o equilíbrio no mercado monetário. Nesse modelo, considera-
se o nível de preços constante