Economia - Aula 06 - Cambio e BP
37 pág.

Economia - Aula 06 - Cambio e BP


DisciplinaEconomia I32.584 materiais245.297 seguidores
Pré-visualização9 páginas
forma que se alcance uma relação de troca entre elas. A taxa de 
CURSOS ON-LINE \u2013 ECONOMIA \u2013 CURSO REGULAR 
PROFESSOR MARLOS FERREIRA 
www.pontodosconcursos.com.br 5
câmbio vem a se constituir na medida de conversão da moeda doméstica em 
moeda estrangeira. 
Na determinação da taxa de câmbio, a demanda por reais ( a oferta de dólares) é 
realizada pelos exportadores nacionais que recebem os dólares em troca de 
mercadorias e desejam reais para bancar seus custos em moeda nacional ( pagar 
empregados, contas de luz, água, aluguel, tributos, consertar maquinário, etc) . 
Além disso, temos nessa categoria de interessados os turistas e investidores 
estrangeiros, que precisam converter em reais os dólares para materializar seus 
gastos e investimentos. 
Sabemos, portanto, até o momento, que os exportadores nacionais, os turistas do 
resto do mundo e os investidores estrangeiros constituem de forma exaustiva a 
fonte de oferta de divisas ( dólares). 
Falta-nos agora o lado espelho da demanda por reais (oferta de dólares), a saber: 
oferta de reais ( demanda por dólares), que corresponderá aos indivíduos que 
necessitam trocar seus reais por dólares para adquirir novos produtos/bens e 
realizar viagens e investimentos fora do território nacional. Aqui se enquadram os 
agentes importadores nacionais bem como os turistas domésticos e investidores 
brasileiros, que atuam no exterior. 
Sabemos, agora, que os importadores nacionais, os turistas domésticos que 
freqüentam o exterior e os investidores brasileiros com ativos no exterior, têm de 
obter moeda estrangeira para pagar suas faturas, sustentar seus investimentos 
em outros países, o que constitui a demanda de divisas. 
No mercado de divisas, a oferta de dólares procedente das exportações brasileiras 
e dos investimentos do resto do mundo no território nacional conjuntamente com a 
demanda por dólares, derivada dos importadores nacionais e dos investidores 
brasileiros no exterior determinam a taxa de câmbio. 
Em resumo: o que determina a taxa de câmbio? 
Primeiro, a taxa de câmbio é o valor de uma unidade monetária da moeda local. 
Segundo: se os estrangeiros desejam comprar mais bens e ativos do país local, 
terão de comprar mais moeda local. Portanto, quando a demanda do resto do 
mundo por bens e serviços do país local aumenta, a demanda pela moeda local 
CURSOS ON-LINE \u2013 ECONOMIA \u2013 CURSO REGULAR 
PROFESSOR MARLOS FERREIRA 
www.pontodosconcursos.com.br 6
também aumenta. O resultado é que o preço de uma unidade monetária da 
moeda local \u2013 sua taxa de câmbio \u2013 aumenta. 
Terceiro: quando a demanda do país local por bens e ativos do resto do mundo 
aumenta, os cidadãos do país local têm de vender a moeda local (para obter 
moeda estrangeira), fazendo com que a oferta de moeda local aumente e seu 
valor caia. 
Combinando essas forças de oferta e demanda, o valor da moeda local é 
determinado pela taxa de câmbio que faz com que a demanda pela moeda local 
seja igual a sua oferta. 
Lembrem-se da equação básica do comércio internacional: 
Importações + turistas nacionais + investidores nacionais em ativos estrangeiros 
= exportações + turistas do resto do mundo + investidores estrangeiros 
O lado esquerdo da equação reflete a oferta da moeda local ( uma vez que os 
cidadãos do país vendem a mesma para comprar a moeda estrangeira necessária 
para adquirir bens e ativos do exterior). 
O lado direito da equação reflete a demanda de moeda local (uma vez que os 
estrangeiros compram a mesma para adquirir bens e ativos do país local). 
 
Regimes Cambiais 
A estipulação da taxa de câmbio pode ocorrer de duas maneiras: 
institucionalmente, por meio de decisão das autoridades econômicas com fixação 
periódica das taxas ( regime cambial fixo) ou através do funcionamento das leis de 
mercado com flutuação das taxas em função das pressões de oferta e demanda 
por divisas ( regime cambial flutuante ou flexível). Aqui o governo não compra nem 
vende divisas \u2013 as flutuações das reservas são mínimas. A taxa de juros nominal 
fixada pelo Banco Central é menos instável e não tem qualquer relação mais 
sistemática com a taxa de câmbio, já que é fixada para controlar a demanda 
agregada e não o preço do dólar. 
A taxa de câmbio está vinculada aos preços dos produtos exportados e 
importados, afetando assim a balança comercial do país. Quando a taxa de 
câmbio se encontra elevada, estimula as exportações, uma vez que os agentes 
CURSOS ON-LINE \u2013 ECONOMIA \u2013 CURSO REGULAR 
PROFESSOR MARLOS FERREIRA 
www.pontodosconcursos.com.br 7
exportadores passarão a receber mais reais pela mesma quantidade de divisas 
derivadas da venda, acarretando maior oferta de divisas. 
Suponha uma taxa de câmbio de 0,80 real por dólar e que o exportador vendesse 
1.000 unidades a 10 dólares cada, perfazendo um faturamento de U$ 10.000 ou 
R$ 8.000,00. Ocorrendo uma desvalorização em 10%, a taxa de câmbio subirá 
para 0,88 real por dólar, ocasionando uma receita agora de U$ 10.000 , 
correspondentes a R$ 8.800,00. 
Do lado das importações, a situação é oposta, uma vez que os preços dos 
importados se elevam, em moeda nacional e, dessa forma, os importadores 
pagarão mais reais pelas mesmas moedas estrangeiras, ocasionando um 
desestímulo às importações e, via de regra, uma queda na demanda por divisas. 
Embora nunca tenha sido cobrado em concurso, creio que seja pertinente 
mencionar a nomenclatura utilizada para distinguir os diferentes movimentos 
cambiais de acordo com a taxa cambial vigente (fixa ou flexível). 
Uma desvalorização se dá quando o preço das moedas estrangeiras sob um 
regime de taxa de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial. Implica dizer que 
os não residentes ou estrangeiros pagam menos pela moeda nacional ou que os 
residentes do país alvo do fenômeno pagam mais por moedas estrangeiras. Em 
mesmo compasso, se o câmbio vigente for flexível, tem-se uma depreciação e não 
mais desvalorização. 
O fenômeno às avessas gera uma valorização da moeda local frente às 
estrangeiras quando câmbio fixo e apreciação quando câmbio flexível. 
 
 
 
 
Paridade do Poder de Compra (PPC) 
Vale levar em consideração essa análise ( ainda que bem rudimentar), pois já 
apareceu em questões extensas nos concursos e, em realidade, a solução 
passava por apenas um cálculo bem simplório. Entretanto, achamos muito difícil 
que apareça novamente, independente da banca examinadora. Caso vocês 
CURSOS ON-LINE \u2013 ECONOMIA \u2013 CURSO REGULAR 
PROFESSOR MARLOS FERREIRA 
www.pontodosconcursos.com.br 8
encontrem esse assunto nas provas, com certeza será em uma das assertivas de 
alguma questão. 
A PPC é utilizada para se calcular as desvalorizações nominais que corrigem as 
valorizações reais causadas pela inflação de maneira a se manter paridade do 
poder de compra. Visa manter o nível das exportações. 
E ´ = E . nível de preços interno 
 nível de preços externo 
E ´= nova taxa de câmbio nominal a fim de manter o PPC 
E = antiga taxa de câmbio nominal 
 
Vamos a um exemplo bem típico: se a inflação interna é de 80% e a externa é de 
10%, se a taxa de câmbio é R$ 50,00/US$, calcule a nova taxa nominal a fim de 
manter a paridade do poder de compra. 
E ´= 50 . 80 
 10 
1 US$ = R$ 400 
 
A valorização real é igual à valorização nominal menos a taxa de inflação do 
período. Rigorosamente, para que se suceda uma desvalorização real, além da 
desvalorização nominal superar a taxa de inflação interna, faz-se mister que a 
inflação interna seja superior à inflação internacional (externa). 
Suponhamos que não haja desvalorização cambial (nominal) e que a taxa de 
inflação seja de 10% no ano. Se a inflação verificada nos principais países for de 
10%, a desvalorização real será nula e nenhum impacto se verificará com o fluxo 
de importações e exportações. 
A paridade poder de compra (P.P.C) é uma teoria segundo a qual