Economia - Aula 06 - Cambio e BP
37 pág.

Economia - Aula 06 - Cambio e BP


DisciplinaEconomia I32.373 materiais242.642 seguidores
Pré-visualização9 páginas
que o 
Brasil assinou com o FMI em vários momentos de sua história 
recente constituem o exemplo mais conhecido da situação de 
condicionalidade que regula a concessão desse empréstimo.) 
\u2022 Direitos especiais de saque ( DES) o país pode se utilizar do fundo 
originado desse instrumento gestado pelo FMI. 
 
Sem muito esforço, o amigo perceberá que o resultado do balanço de pagamentos 
em transações correntes é igual à soma do resultado do movimento de capitais 
com o saldo das transações compensatórias. 
Os dados do balanço de pagamentos são publicados em milhões de dólares norte-
americanos, em valores correntes e deve estar em conformidade com os critérios 
estabelecidos no Manual de Balanço de Pagamentos do Fundo Monetário 
Internacional. 
A balança comercial é compilada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e 
Comércio (MDIC) com lastro nos registros alfandegários no SISCOMEX. Os dados 
referentes aos serviços e rendas, transferências correntes, conta capital e 
financeira são compilados com lastro nas operações de câmbio, resgistradas 
compulsoriamente no Sistema de Informações Banco Central (SISBACEN). 
 
Relação entre o fluxo internacional de recursos para acumulação de capital ( I \u2013 S) 
e o fluxo internacional de bens e serviços (NX) 
A conta de capital representa o excesso de investimento interno em relação à 
poupança interna. A conta de capital é igual ao montante de acumulação de 
capital interno que é financiado por empréstimos externos. A conta corrente é o 
montante líquido de recursos que o país recebe correntemente do exterior em 
troca das exportações líquidas de bens e serviços. 
CURSOS ON-LINE \u2013 ECONOMIA \u2013 CURSO REGULAR 
PROFESSOR MARLOS FERREIRA 
www.pontodosconcursos.com.br 18
Conta de Capital + Conta Corrente = 0 
( I \u2013 S) + NX =0 
Se I \u2013 S for positivo e NX negativo, temos um superávit em conta de capital e um 
déficit em conta corrente. Neste caso, estamos tomando emprestado nos 
mercados financeiros mundiais e estamos importando mais bens do que 
exportamos. 
Se I \u2013 S for negativo e NX positivo, temos déficit em conta de capital e superávit 
em conta corrente. Neste caso, estamos emprestando aos mercados financeiros 
mundiais e exportando mais bens do que importamos. 
Se as nossas poupanças excedem nossos investimentos, a poupança que não é 
investida internamente é usada para conceder empréstimos externos. Eles 
necessitam desses empréstimos porque estamos lhes fornecendo mais bens e 
serviços do que eles nos fornecem, isto é, NX é positivo. Por sua vez, se nossos 
investimentos excedem nossas poupanças, o investimento excedente deve ser 
financiado pelo estrangeiro. Esses empréstimos externos nos permitem importar 
mais bens e serviços do que estamos exportando, isto é, NX é negativo. 
A conta-corrente deve compensar a conta de capital, o que significa que a conta-
corrente deve ser igual à diferença entre a poupança e o investimento. A 
poupança é determinada pela função consumo e pela política fiscal ao passo que 
o investimento, pela função investimento e pela taxa de juros mundial. 
Em resumo: um superávit da conta corrente significa que o país está acumulando 
ativos líquidos internacionais, ou seja, seus direitos líquidos em relação ao resto 
do mundo estão aumentando. Um déficit da conta corrente significa que a nação 
está desacumulando ativos líquidos internacionais. 
Portanto, a conta corrente também é definida como a variação da posição do 
investimento internacional líquido de uma nação. 
Quando tal posição for positiva, a nação é um credor líquido do resto do mundo e, 
quando for negativa, é um devedor líquido. 
Há duas formas de definir a conta corrente: 
a) como a diferença entre a renda interna e a absorção; 
CURSOS ON-LINE \u2013 ECONOMIA \u2013 CURSO REGULAR 
PROFESSOR MARLOS FERREIRA 
www.pontodosconcursos.com.br 19
b) como a soma da conta comercial e da conta de serviços do balanço de 
pagamento. 
Um adendo aqui só para que minha consciência não me cobre mais tarde reside ( 
já que até hoje só vi essa classificação em uma questão de concurso público e o 
candidato conseguiria resolvê-la sem tal conhecimento) na classificação das 
transações internacionais em dois grupos, a saber: transações ou operações 
acima da linha ( autônomas, levadas a cabo sem ingerência das autoridades 
monetárias como, por exemplo, os seguros, os fretes, os investimentos diretos, os 
financiamentos, dentre outros) e transações abaixo da linha ( movimentos 
compensatórios ou induzidos de capitais com o fito de cobrir eventuais déficits do 
BP ou aplicar supostos superávits). 
Embora não apareça questões teóricas desse tópico trazidas para a realidade 
doméstica, vale aqui um registro, pois, não raras vezes, essas constatações 
contextualizadas são cobradas nas provas de Português e Língua Estrangeira e o 
conhecimento do economês doméstico, acreditem, facilita e muito a resolução 
dessas questões de outras disciplinas. O que quero demonstrar é que o estudo 
sereno e criterioso de uma disciplina auxilia cabalmente no aprendizado, ou 
melhor, na resolução, no treinamento das questões de outras esferas. 
Vamos então ao contexto doméstico: a economia brasileira tem apresentado 
sistematicamente balança comercial superavitária e balanço de serviços deficitário 
mais que compensador em razão do exorbitante pagamento de juros da dívida 
externa e remessa de lucros para o exterior. O déficit em conta corrente tem que 
ser financiado pela entrada líquida de recursos externos, ou seja, captação de 
poupança externa para manter seu nível interno de crescimento, ainda que numa 
escalada de dependência externa. 
Tal vulnerabilidade acaba por reduzir os graus de liberdade à disposição das 
autoridades na condução da política econômica, forçando o país, em momentos 
críticos, a implementar políticas de ajustamento de caráter recessivo, que impõem 
grandes sacrifícios à sociedade, particularmente nos estratos mais pobres da 
população. 
CURSOS ON-LINE \u2013 ECONOMIA \u2013 CURSO REGULAR 
PROFESSOR MARLOS FERREIRA 
www.pontodosconcursos.com.br 20
Ficar inadimplente perante o mundo implica fechar a porta para os empréstimos e 
financiamentos externos por um longo período de tempo até que a credibilidade do 
país no exterior seja recuperada. 
Sobre os pontos que estudamos hoje, os conceitos mais importantes, que vocês 
terão que levar para a prova, são os seguintes: 
1) Sobre taxa de câmbio, é importante discorrer que representa o valor de uma 
unidade monetária da moeda local. Se o resto do mundo deseja comprar mais 
bens, serviços e ativos domésticos, terão de adquirir mais reais. Dessa forma, 
quando a demanda por bens e ativos locais aumenta, a demanda por moeda 
doméstica também cresce. Como resultado, temos que a unidade monetária da 
moeda local fica valorizada/apreciada. 
2) Em compasso contrário, se a demanda por bens e ativos do resto do mundo 
aumentar, os nacionais terão de trocar a moeda local pela estrangeira, 
incrementando a oferta de moeda local, gerando sua desvalorização/depreciação. 
3) Pela paridade do poder de compra (PPC), a variação percentual da taxa de 
câmbio para uma dada moeda estrangeira é igual à taxa de inflação do país 
estrangeiro menos a taxa de inflação do país doméstico. 
4) O balanço de pagamentos apresenta os seguintes tópicos: 
A . Balança Comercial 
\u2022 Importações 
\u2022 Exportações 
B. Balança de Serviços 
\u2022 Rendas de capitais ou serviços de fatores ( juros, lucros, dividendos e 
lucros reinvestidos) 
\u2022 Transportes 
\u2022 Viagens internacionais 
\u2022 Fretes 
\u2022 Seguros 
\u2022 Despesas governamentais 
C. Transferências Unilaterais (donativos em divisas ou mercadorias) 
CURSOS ON-LINE \u2013 ECONOMIA \u2013 CURSO REGULAR 
PROFESSOR MARLOS FERREIRA 
www.pontodosconcursos.com.br 21
D. Balanço de Transações Correntes ou Saldo em Conta Corrente ou Passivo 
Externo