Pesquisa em administração
232 pág.

Pesquisa em administração


DisciplinaPesquisa em Administração22 materiais119 seguidores
Pré-visualização50 páginas
processos de coleta, tratamento, análise e interpretação dos dados. A metodologia reves-
te-se de importância na medida em que procura esclarecer como de fato a investigação
ocorreu, buscando garantir a credibilidade do estudo.
\u2013 RESULTADOS: nesta parte são apresentados os resultados da pesquisa. Os relatos, sem-
pre que possível, podem ser complementados por ilustrações como tabelas e gráficos,
recursos que facilitam a apresentação e compreensão dos dados de uma pesquisa. Devem
ser usados sempre que possível para a exposição dos resultados, porém é conveniente que
sejam acompanhados de sua interpretação por escrito.
Essas ilustrações não devem ser inseridas aleatoriamente no relatório, deixando a in-
terpretação por conta do leitor. Muitas vezes este não tem condições de fazer uma avaliação
acurada ou não consegue perceber informações importantes. Caberá a você, como pesqui-
sador, fazer as considerações necessárias.
EaD
189
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
Para uma melhor apresentação visual você poderá buscar aplicativos com apoio de
tecnologias de informática para preparar planilhas eletrônicas ou tabelas e gráficos.
As tabelas devem ser bem organizadas e legíveis para simplificar a leitura dos dados.
As orientações e normas para apresentação de tabelas e quadros constam na Unidade 11
deste livro.
Como regra geral, podemos complementar e ilustrar com um visual mais atraente es-
tas informações, por meio de gráficos, sempre que for prático ou possível. Eles geralmente
são utilizados quando a quantidade de dados a serem apresentados não for muito grande.
As orientações e normas para apresentação das ilustrações constam na Unidade 11 deste
livro.
\u2013 CONCLUSÃO, SUGESTÕES E/OU RECOMENDAÇÕES: ao iniciar a conclusão, sugere-
se resgatar a pergunta-problema que desencadeou o estudo e desenvolver uma síntese
das principais constatações, ou seja, oferecer a resposta à pergunta-problema. Em con-
clusões devem ser evitadas citações, porque a conclusão é o resultado da reflexão do
investigador. É o momento de apresentar sua contribuição ao estudo proposto. É tam-
bém a oportunidade reservada para expor as deduções resultantes da investigação, in-
clusive sugestões para novos estudos e para indicar alguns procedimentos que a realida-
de analisada poderia adotar, caso entenda que sejam oportunos.
Elementos Pós-textuais
\u2013 AGRADECIMENTOS: quando necessário, podem figurar, agradecimentos à assistência
relevante na realização e preparação da pesquisa e do relatório.
\u2013 REFERÊNCIAS: compreende um conjunto de elementos descritivos, retirados de um do-
cumento ou outras fontes, que permite sua identificação individual. Este item pode ser
classificado em referências bibliográficas e bibliografia consultada, conforme já aborda-
do no projeto de pesquisa. As regras gerais de apresentação podem ser consultadas na
ABNT NBR 6023.
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
190
\u2013 GLOSSÁRIO: é um vocabulário que procura explicar os principais termos, conceitos, pala-
vras, expressões utilizadas no trabalho e que, pelas características e peculiaridade da
temática, podem ser desconhecidos do leitor. Devem ser relacionados em ordem alfabética.
\u2013 ANEXOS: são textos ou documentos não elaborados pelo autor que servem como suportes
ilustrativos para documentar, esclarecer, provar ou confirmar as idéias apresentadas e/ou
discutidas, indispensáveis à compreensão do texto. Devem ser todos devidamente anun-
ciados no texto.
Quando houver mais de um apêndice ou anexo sua identificação deve ser feita por
letras maiúsculas.
\u2013 APÊNDICES: compreende os textos, documentos, formulários, questionários ou outro
material elaborado pelo autor e que pelas suas características e conteúdo complementam
sua argumentação e entendimento.
\u2013 ÍNDICE(S): elemento opcional, em que é apresentada enumeração detalhada dos assun-
tos, nome de pessoas, acontecimentos, com a indicação da página para facilitar a sua
localização no trabalho. Para sua elaboração aconselha-se considerar a ABNT NBR 6034.
Seção 9.2
O Artigo Para Apresentação e Socialização dos Resultados de Pesquisa
Apresentamos e discutimos desde a Unidade 1 que a hu-
manidade tem alcançado picos de desenvolvimento
embasados no conhecimento que tem sido gerado e
gradativamente incorporado para melhorar a qualidade de
vida. Neste cenário, a pesquisa científica revela-se um ins-
trumento fundamental. Para os cientistas, \u201co objetivo de
uma pesquisa científica é a publicação, [...] somente isto
Imagem disponível em:
<http://tatuape .files .wordpress.com/
2008/04/comp utador.jpg>.
Acesso em: 19 mar. 2009.
EaD
191
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
pode autenticar o conhecimento novo e assim incorporá-lo ao acervo existente, que chama-
mos de conhecimento científico\u201d. Uma investigação não está completa até que os resulta-
dos sejam publicados (Day, 2001, p. 9).
O artigo é, então, um tipo de comunicação científica produzido para apresentar o
resultado de uma investigação ao grupo de pesquisa, à entidade que a solicitou ou patroci-
nou e, quando autorizado e aceito, em eventos e publicações científicas.
Para assegurar que a comunicação dos resultados da pesquisa ocorra de forma ade-
quada, especialmente reconhecida entre os pares do movimento construtor e reconstrutor
do conhecimento no meio científico, o documento deve ser apresentado de forma estruturada
(Secaf, 2000; Day, 2001).
No intuito de contribuir para o planejamento da elaboração do relato na forma de
artigo e adequadamente preparado, na seção seguinte apresentamos orientações importan-
tes que necessitam ser consideradas.
9.2.1 \u2013 ESTRUTURA E ELEMENTOS DOS ARTIGOS CIENTÍFICOS
No planejamento da produção de um artigo é fundamental procurar saber clara-
mente o que deve ser feito e exatamente em que ordem, tanto para atender à expecta-
tiva do patrocinador para um relato escri to do resultado da pesquisa, quanto para ser
aceito para socialização mediante sua apresentação em eventos ou pelos editores para
publicação.
Para isso, um artigo científico deve ser considerado uma categoria particular de docu-
mento que contém determinados tipos de informações específicas, escrito numa ordem que
Day (2001, p. 11) divide nas seguintes partes componentes: \u201ca Introdução, o Método, os
Resultados e a Discussão. Atualmente, o termo \u2018Materiais e Métodos\u2019 pode ser mais comum
que o mais simples \u2018Método\u2019 (Metodologia), ...\u201d.
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
192
9.2.1.1 \u2013 A estrutura dos artigos
A partir dos aspectos comentados e já apresentados na Unidade 4 retomamos as prin-
cipais partes da estrutura básica para um artigo científico e os elementos que as compõem.
No Quadro 2 é apresentada esta estrutura e seus elementos constitutivos.
Quadro 2: Estrutura e elementos de artigo
Fonte: Elaborado a partir da norma da ABNT NBR 6022 (2003).
9.2.1.2 \u2013 Formatação do Artigo
Os editores de publicações periódicas científicas impressas geralmente estabelecem os
critérios de formatação. Mesmo assim sempre é importante considerar as regras gerais de
apresentação estabelecidas na NBR 6022, que apresenta orientações para padronização da
apresentação de artigos.
Você encontra exemplos de artigos científicos em periódicos de universidade e em anais
de eventos. A seguir estão relacionados alguns sites para que você possa navegar, apreciar
e, sobretudo, aprender com o que já está disponível.
\u2022 <www.anpad.org.br/publicacoes.php>
\u2022 <www.rae.com.br/rae/index.cfm>
\u2022 <http://read.ea.ufrgs.br>
\u2022 <http://200.232.30.99/Revista_eletronica/v1n2/index.htm>
ESTRUTURA ELEMENTOS 
Pré-textuais Título, Autoria, Resumo, Palavras-chave, Data de Entrega dos Originais. 
Textuais Introdução, Desenvolvimento: Referencial Teórico-Conceitual, Metodologia, 
Apresentação e Análise dos Resultados, Considerações Finais, Conclusão. 
Pós-textuais Notas, Referências, Glossário, Apêndice (s), Anexo (s). 
 
EaD
193
PESQUISA