nucci-2008-qualidade-ambiental-e-adensamento-urbano
150 pág.

nucci-2008-qualidade-ambiental-e-adensamento-urbano


DisciplinaProjetos Arquitetônicos e Paisagismo18 materiais264 seguidores
Pré-visualização45 páginas
ISBN 978-85-908251-0-4 
 
 
 
 
 
 
JOÃO CARLOS NUCCI 
 
 
 
 
 
 
 
 
Qualidade Ambiental 
E 
Adensamento Urbano 
 
 
Um estudo de Ecologia e Planejamento da Paisagem 
aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP) 
 
 
 
 
 
 
2ª edição 
 
 
 
 
 
 
 
Curitiba 
Edição do Autor 
2008 
 
 ii
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Nucci, João Carlos 
Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de 
ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa 
Cecília (MSP) / João Carlos Nucci. 2ª ed. - Curitiba: O Autor, 2008. 
150 p.; il. 
Disponível no endereço: <http://www.portal.ufpr.br> 
ISBN 978-85-908251-0-4 
 
 
l. Planejamento urbano \u2013 aspectos ambientais. 2. Meio ambiente 3. 
Paisagem \u2013 Proteção \u2013 Santa Cecília. I. Título 
CDD 711.42 
 iii
 
 
 
 
 
 
Capa da 1ª edição - impressa: José Roberto Nucci (2001) 
 
 
 
 
 iv
Qualidade Ambiental e Adensamento Urbano 
 
SUMÁRIO 
 
Apresentação ............................................................................................ v 
Prefácio .................................................................................................... vii 
Agradecimentos ....................................................................................... viii 
Lista de siglas \u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026... ix 
1. Introdução ............................................................................................ 1 
2. Planejamento Ambiental e Ecologia da Paisagem ............................... 3 
3. Paisagem Urbana e Indicadores de Qualidade Ambiental ................... 12 
Clima e poluição atmosférica ................................................................... 12 
Água: enchentes ....................................................................................... 17 
Água: abastecimento ................................................................................ 19 
Resíduos líquidos ..................................................................................... 20 
Resíduos sólidos ....................................................................................... 20 
Poluição sonora e visual ........................................................................... 22 
Cobertura vegetal ..................................................................................... 23 
Áreas verdes e espaços livres ................................................................... 29 
Espaços livres e recreação ........................................................................ 36 
Verticalização ........................................................................................... 40 
Densidade populacional ........................................................................... 43 
Visão sistêmica ........................................................................................ 46 
Limites do crescimento ............................................................................ 47 
Tombamento ............................................................................................ 50 
4. Plano Diretor e Zoneamento ................................................................ 52 
5. Método de Avaliação da Qualidade Ambiental Urbana ...................... 55 
6. Qualidade Ambiental no Distrito de Santa Cecília .............................. 64 
6.1. Uso do solo \u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026 64 
6.2. Carta de Usos Potencialmente Poluidores ........................................ 76 
6.3. Carta de Pontos de Enchentes ........................................................... 83 
6.4. Densidade demográfica e a Carta de Apinhamento Humano ........... 90 
6.5. Verticalidade das edificações ............................................................ 96 
6.6. Cobertura vegetal e Desertos Florísticos .......................................... 103 
6.7. Espaços livres públicos ..................................................................... 106 
6.8. Espaços livres públicos e lazer .......................................................... 109 
7. Avaliação da Qualidade Ambiental: síntese ........................................ 113 
7.1. Sobreposição de Cartas Temáticas .................................................... 113 
7.2. Delimitação e Avaliação de Unidades de Paisagem ......................... 116 
8. Proposta de Melhoria da Qualidade Ambiental ................................... 120 
Considerações Finais ................................................................................ 129 
Referências Bibliográficas ....................................................................... 130 
Anexo l ..................................................................................................... 137 
Anexo 2 .................................................................................................... 139 
 
 v
APRESENTAÇÃO 
 
 O adensamento urbano, uma intensificação do uso e da ocupação do solo, vem 
sendo proposto pelo Poder Público como uma medida de planejamento. 
 Justifica-se que as regiões centrais da cidade apresentam infra-estrutura ociosa e 
que, portanto, poderiam ser adensadas pela construção de edifícios (verticalização), 
evitando-se, assim, a expansão para a periferia (crescimento horizontal), que se 
apresenta sem infra-estrutura suficiente para suportar a população atual. 
 Afirma-se, também, que este adensamento ocorreria respeitando-se os 
impedimentos do meio físico e sem prejuízo para a qualidade ambiental. 
 Resolvemos, então, verificar se realmente a qualidade ambiental e os 
impedimentos do meio físico são levados em consideração no momento de se decidirem 
quais as zonas adensáveis da cidade. 
 Este trabalho, um dos resultados de minha tese de doutoramento defendida em 
1996 no Departamento de Geografia (USP), discute a possibilidade de intensificação do 
uso e ocupação do solo urbano (adensamento) com base em estudos dos atributos 
ambientais como uso do solo, poluição, espaços livres, verticalidade das edificações, 
enchente, densidade populacional e cobertura vegetal, espacializados e integrados em 
escalas que variam entre l:2.000 e l:10.000, utilizando-se como exemplo o distrito de 
Santa Cecília, no município de São Paulo. Com base nos estudos de Ecologia e 
Planejamento da Paisagem sugerem-se parâmetros e um método para a avaliação da 
qualidade do ambiente urbano. 
 O livro sobre a tese, publicado em 2001 pela Editora Humanitas (FFLCH-USP) 
com auxílio da FAPESP, teve sua edição de 500 exemplares esgotada já em 2002. A 
procura pelo livro pelos pesquisadores da área, associada ao fato de não se encontrar 
exemplares suficientes disponíveis nas bibliotecas públicas e ao fato do exemplar da 
tese não estar disponível na Internet, levou-me a elaborar esta edição eletrônica na qual 
pude acrescentar vários mapas coloridos e outras informações não encontradas na 
versão impressa. 
 
Prof. Dr. João Carlos Nucci 
Curitiba, maio de 2008 
 
 
 
 vi
PREFÁCIO DA 1ª EDIÇÃO 
 O livro &quot;Qualidade Ambiental e Adensamento Urbano \u2013 um estudo de Ecologia 
e Planejamento da Paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (Município de São 
Paulo)&quot; - representa uma publicação inovadora em nosso País no que se relaciona a 
estudos envolvendo cidades. Normalmente, busca-se entendê-las quase que somente 
pela ótica de estudos sociais ou então como são e/ou devem ser construídas, como no 
caso principalmente da Arquitetura, Engenharia Civil e Urbanismo. 
 A intensidade da derivação da natureza pela urbanização é ainda muito pouco 
pesquisada no Brasil, e mesmo nos países onde isso ocorre os estudos ainda estão em 
fase inicial, embora na história saiba-se que já os antigos romanos inferiam e relatavam 
alterações da natureza que se imputavam à Roma Imperial. No século XIX autores 
ingleses relatavam pesquisas