A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
resitencia 2

Pré-visualização|Página 1 de 12

REULT IZAÇAO DE ÁG U A D AS CHUVAS E DE AR -C O NDICIONA DO
A lo is io Rib e iro d e M O U RA ¹ ; Clau d io Jo s e Fe r reira d e A n d rad e N ET O ¹; Clau d in e i M á xi mo d o s San t os
SO UZA ¹; Gi lb ert o Go n ça lv e s d os SA NTOS¹; Ma ria Co n c e içã o Fran c is c a LO P E; Van d e r lú c ia Ro d rig u e s d e
LIMA ¹; Ricardo Bo t elho CA M P OS2.
1Dis ce n t e do In st it u t o Tec no ló g ico de Ca rating a IT C, Red e de En s ino DO C TUM; Ca ra t in g a , M in a s g erais ;
M ary_ lop e s 2015 @h o t ma il .co m
2Do c e n t e do Ins tit uto T ec n o ló g ico d e Ca rating a ITC, Re d e d e En s ino DO CT UM ; Ca rat in g a , M in as g e rais ;
Ricardo .ca mp o s @d o ctu m.ed u .br
Res umo
Dese nvo lvime nto s us te n ve l é o proced ime nto capa z de a te nder às nec ess id ades não da
ger ação a t ua l, co mo ta m m das gerações futuras, asse gur a ndo, por me io de prá t ica s e
téc nica s, a me lhor ia da e fic ác ia do uso dos rec ur sos natura is. Te ndo e m vis ta isso, es te
traba lho fo i e labor ado co m o ob jetivo de de se nvo lve r um me io de reapro ve ita me nt o da á gua
das chuvas e dos apar e lhos de a r- cond ic io nado, visa ndo à d iminu ição do co ns umo de á gua
potá ve l e mp re gada na limpe za da fac uldade, e ta mbé m a re ut ilização da á gua co mo be ne fíc io
ao me io a mb ie nte e s us te nt ab ilidade dos rec ursos d r ico s. Para rea lização des te,
desenvo lve u- se um s iste ma de captação e reap ro ve ita me nto ver t ic a l, das á gua s das c huvas e m
ca lhas e ar- cond ic io nado, pa ra fa ze r a cap itação de á gua, ins ta lado na s ca lha s e e mba ixo dos
apare lhos d e ar- co nd ic io nado, para o ar ma ze na me nto , apo iado e m um s upo rte e spec ia lme nte
fab r icado para este es t udo de c aso e para ma io r fa c ilidade do us uár io de sse s is te ma ; a c ada 48
hora s, co leta- se a água ar ma ze nada, q ue s ufic ie nte para limpe za de uma áre a tota l de 807 m² .
Desde q ue este pro jeto se ja imp la ntado, será poss íve l eco no miza r entor no de 2400 litros de
água po tá ve l q ue pod erá se r ut ilizada para o utros fins .
Palav ras -c have : C oleta ; Reap ro ve ita me nto ; Ed ific ações S us te n ve is ; Suste ntab ilidade.
1 . Intro duç ão
A á gua e nco ntrad a na na t ure za é co ns ider ada um be m esse nc ia l para a sobr e vivê nc ia
de toda a vid a no nosso p la neta . P e lo fác il acesso do s ser es huma no s, ar ma ze na me nto,
trata me nto e dest ino adeq uado dos e flue ntes de ve m ser obj et ivo s a sere m perse guidos por
cada c idadão da e m nossa soc iedade.
Sendo a ma ior par te do P la ne ta Ter ra é for mada de á gua, ma is so me nte uma
deter minada d esta peq ue na po rce nta ge m, e stá d ispo níve l para ser ut iliza da pe lo co ns umo do

ho me m. O s oceano s e mares rep rese nta m cerca de 97,2% da á gua exis te nte na T erra, e
cobr indo 71 % de toda a s uper c ie . E por o utro lado , te m a á gua a c umulada nas ca lo tas
polares, no p ico das mo nta nhas, no vapo r at mo s fér ico, e e m loca is co m as pro fund idades não
acess íve is, q ue não s ão apro ve i ve is para o co ns umo da pop ulação e m gera l. (MO TA, 1997 ).
De acordo co m Sper ling (2005), e xiste m cerca de 1,36 x1018 m³ de á gua d ispo níve l na
Ter ra que são d istr ib das da seguinte ma ne ira : 97,0% se ndo á gua do mar, o u seja, impropr ia
para o cons umo , 2,2% nas ge le iras e r esta nte de 0,8% é água doce. Sendo 97% des ta á gua se
enco ntra nas ca mada s s ubte rrâ nea s e ape nas 3 % são e nco ntradas na s uper c ie.
Segundo A BC (2014) o Bras il poss ui cerca de 12% de á gua doce s up er fic ia l
dispo níve l no p la ne ta , as s im se tor na ndo o pa ís co m ma io r re ser va de á gua doce do mundo ,
mas não poss ui a capa c idade de s up r ir a de ma nda, e m a lgumas r e giões do pa ís, ao lo ngo dos
anos es tá ca usa ndo um gra nd e impas se de vido ao cres c ime nto pop ulac io na l desorde nado, q ue
aume nto u dr astica me nte a po luição, pe lo uso não s uste ntá ve l da s rese r vas na t ura is de á gua.
O mode lo q ue é usado a lta me nte de sa nea me nto pode carac ter izado pe lo uso
perdulár io dos rec ursos á gua e e ner gia, ca usa ndo à e scasse z de á gua e a inda a ume nta ndo a
poluição dos r ec ursos dr icos, o q ue rep rese nt a um gra nde p rob le ma de sa úde p úb lica,
prej ud ic a ndo o dese nvo lvi me nto eco nô mico e os dest r uindo o s rec ursos na t ura is. (CO H IM e
K IPERS TO C K , 2008).
O sis te ma de reap ro ve ita me nto ou re uso da água e uma prát ica muito a nt iga, que ve m
s ido pr at icado e m todo o mundo aos lo ngos dos a nos. E m re lação no a ume nto da de ma nda
por água, q ue vo lta ra m a ga nhar destaq ue, na at ua lida de nos pa íses dese nvo lvidos e e m
desenvo lvi me nto b usca ndo uma es tra gia, at ra vés de um uso rac io na l o u e fic ie nte da água, o
qua l fa z par te ta m m o co ntro le de pe rdas e desperd íc io s, e a minimização da prod ução de
eflue nt es e do co ns umo de á gua de fo r ma s uste ntá ve l.
O reuso das á guas das c huvas e ta m m de ar- co nd ic io nado q ue são desp erd iç ados,
co labora para aj uda a red uzir a dema nda sobre os ma na nc ia is de vido à sub stit uição da água
potá ve l por á gua de q ua lidade infer io r q ue pode ser ut ilizado pa ra re ga r as p la ntas, ind ústr ia,
usos do més t icos e m ger a l, e tc.
Est e t raba lho te m co mo obje t ivo de r ea lizar a imp la ntação do s iste ma de captação
ver t ic a l, das á gua s das c huvas e m ca lha s e ar- cond ic io nado e m ed ificaçõ es, te ndo co mo foco
pr inc ipa l a viab ilid ade eco nô mica/a mb ie nta l do pro jeto, co mo a lte r nat iva para red uzir c us tos,
e proporc io na ndo uma cor reta des t ina ção desse be m, co ntr ib uindo desta fo r ma para o uso
rac io na l d a água, atra vés dest as info r maçõ es será pos s íve l q ua lq ue r pessoa co nse guir re a lizar

a ins ta lação do s is te ma, ass im a mp lia ndo o uso de uma so lução q ue co ntr ib ui par a minimi zar
a escasse z dr ica cada ve z ma is freq ue ntes no Bra s il.
Busca ndo eco no mi zar á gua é fa ze r o apro ve it a me nto da á gua, q ue fo i d ese nvo lvido
atra vés de pesq uisa do s arq uite tos U li Ze ns e João P edro Da vid, um s is te ma de captação de
reapro ve ita me nto ver t ica l, se ndo que es te s iste ma oc upa um espaço be m me no r e m
co mparação as c is ter na s ut ilizadas trad ic io na lme nte, co mo pode s er visto na figur a 1.
(Redação H ype nes s, 2014).
Fig ura 1- S is te ma de Cap itação e Reap ro ve ita me nto.
D ispo ve l e m: http :// w ww. hype ne ss.co m.b r/ wp - conte nt / up loads /2014/12 /c ister na1.jp g
A cap it ação da á gua de c huva q ue é um co ns id erado um re c urso d r ico d ispo níve l,
e m gera l a toda a pop ulão, indepe nde nte das q ua is se ja m a s co nd içõe s eco nô micas e soc ia is,
sendo a inda é uma fo nte de á gua q ue não e a inda cobrada da pop ulação p e lo se u uso. e m
re lão a q uest ão de s us te nt ab ilidade a re ut ilização d e á gua, ge ra a uma red uç ão eco nô mica,
diminu i a de ma nda sobr e os ma na nc ia is s ub terr â neos e s uper fic ia is par a abas tec ime nto e
a inda red uz a e missão d e e flue ntes q uidos, q ue são j o gados pe la rede d e es go to no s r ios,
la gos cór re gos e mares e e tc.
Com o pa ssar do te mpo a á gua é s e tor no u um be m muito ca ro e q ua nto ma is
econo miza r e me lhor se rá pra ga ra nt ir a ge rações fut ura s este be m.
O s apare lhos de ar- cond ic io nado são ut ilizados e m lar ga es ca la e m préd ios es co lar es,
co merc ia is e res ide nc ia is, o q ue fa z co m q ue a q ua nt idade de á gua ger ada pe lo t ota l de