Aprender Antropologia (François Laplantine)
172 pág.

Aprender Antropologia (François Laplantine)


DisciplinaAntropologia I10.930 materiais70.431 seguidores
Pré-visualização44 páginas
das sociedades \u201dprimitivas\u201da`s \u201dcivilizadas\u201d, bem
como a abordagem da historiografia). Dedica-se preferencialmente a` inves-
tigac¸a\u2dco do presente a partir de me´todos funcionais (Malinowski), e, em se-
guida, estruturais (Radcliffe-Brown): uma sociedade deve ser estudada em
si, independentemente de seu passado, tal como se apresenta no momento no
qual a observamos. O modelo pode portanto ser qualificado de sincro\u2c6nico,
enquanto a pesquisa baseia-se no levantamento da totalidade dos aspectos
que constituem uma determinada sociedade: a monografia;
2) e´ uma antropologia antidifusionista, o que a opo\u2dce a` antropologia ame-
ricana, a qual se preocupa em compreender o processo de transmissa\u2dco dos
elementos de uma cultura para outra. Para a maioria dos pesquisadores
ingleses, uma sociedade na\u2dco deve ser explicada nem pelo que herda de seu
passado, nem pelo que empresta a seus vizinhos;
78 CAPI´TULO 6. INTRODUC¸A\u2dcO:
3) e´ uma antropologia de campo, que se desenvolve muito rapidamente, a
partir do in´\u131cio do se´culo, com Malinowski e, antes, com Radcliffe-Brown, o
qual e´, mais ainda que Malinowski, um dos pais fundadores de quem a maio-
ria dos antropo´logos brita\u2c6nicos contempora\u2c6neos se considera sucessora. Esse
cara´ter emp´\u131rico (observac¸a\u2dco direta de uma determinada sociedade, a partir
de um trabalho exigindo longas estadias no campo) e indutivo da pra´tica dos
antropo´logos ingleses apo´ia-se numa longa tradic¸a\u2dco brita\u2c6nica: o empirismo
dos filo´sofos desse pa´\u131s, que se pode opor ao racionalismo e ao idealismo
do pensamento france\u2c6s. Hoje ainda, um antropo´logo que pode ser conside-
rado como um dos mais importantes da Gra\u2dc-Bretanha, Leach, na\u2dco hesita em
qualificar-se de \u201dempirista\u201d, e ate´ de \u201dmaterialista\u201d, e ve\u2c6 a abordagem de um
Le´vi-Strauss como tipicamente francesa: racionalista e idealista;
4) finalmente, e´ uma antropologia social que, ao contra´rio da antropologia
americana, privilegia o estudo da organizac¸a\u2dco dos sistemas sociais em detri-
mento do estudo dos comportamentos culturais dos indiv´\u131duos.
A antropologia francesa:
A Franc¸a esta´ praticamente ausente da cena da antropologia social e cul-
tural da segunda metade do se´culo XIX. Nenhum pesquisador france\u2c6s teve,
nessa e´poca, a influe\u2c6ncia de um Tylor (ingle\u2c6s) ou de um Morgan (americano).
As preocupac¸o\u2dces da antropologia francesa estavam voltadas para outra a´rea.
Quando se falava de antropologia, tratava-se da antropologia f´\u131sica, que era
enta\u2dco ilustrada pelos trabalhos de Broca, Quatrefages ou Topinard, que pu-
blicou em 1876 uma obra intitulada simplesmente A Antropologia.2
Esse atraso da etnologia francesa \u2013 muito importante se considerarmos a
intensa atividade que se desenvolvia do outro lado do canal da Mancha e do
Atla\u2c6ntico \u2013 na\u2dco sera´ recuperado no in´\u131cio do se´culo XX. Enquanto que um
campo emp´\u131rico e teo´rico considera´vel se constitu´\u131a tanto nos Estados Unidos
como na Gra´-Bretanha; enquanto, nesses dois pa´\u131ses, administradores utili-
zavam cada vez mais os servic¸os de antropo´logos formados nas universidades,
a etnologia francesa dessa e´poca permanecia ainda uma etnologia selvagem,
que na\u2dco era praticada por etno´logos e sim por missiona´rios e por alguns ad-
2Notemos que Gobineau, que considera o estudo do homem apenas sob o a\u2c6ngulo da
rac¸a, nunca das culturas (Essai sur ilne´galite´ des Races Humaines, 1853) era france\u2c6s.
Lembremos tambe´m a importa\u2c6ncia que teve a antropologia f´\u131sica e pre´-histo´rica na Franc¸a
(em relac¸a\u2dco notadamente a` influe\u2c6ncia considera´vel exercida no final do se´culo XIX pelas
cie\u2c6ncias positivas e experimentais no pa´\u131s de Pasteur e de Claude Bernard)
6.2. DETERMINAC¸O\u2dcES CULTURAIS 79
ministradores de colo\u2c6nias francesas.3
Mais uma vez, as preocupac¸o\u2dces francesas esta\u2dco voltadas para outros aspec-
tos: trata-se dessa vez de preocupac¸o\u2dces teo´ricas de filo´sofos e socio´logos que,
sem du´vida, exercera\u2dco uma influe\u2c6ncia decisiva na constituic¸a\u2dco cient´\u131fica da
etnologia, mas na\u2dco sa\u2dco sustentadas por nenhuma pra´tica etnogra´fica. Nem
Durkheim (cujo pensamento vai impregnar profundamente a antropologia in-
glesa), nem Le´vy-Bruhl efetuaram qualquer observac¸a\u2dco. O pro´prio Mauss,
que e´ paradoxalmente autor de uma excelente obra, manual de investigac¸a\u2dco
etnogra´fica (1967), nunca realizou uma investigac¸a\u2dco no campo.
Sera´ preciso esperar os anos 30 para que uma verdadeira etnografia pro-
fissional comece a se constituir na Franc¸a. A primeira missa\u2dco de cara´ter
cient´\u131fico (a famosa \u201dDacar-Djibuti\u201d) sera´ efetuada por Mareei Griaule e
seus colaboradores em 1931. A partir da mesma e´poca, Maurice Leenhardt,
que permaneceu por mais de 20 anos na Nova Caledo\u2c6nia como missiona´rio
protestante, empreendeu trabalhos (1946, 1985) que podem ser qualificados
de pioneiros, enquanto Paul Rivet passava a ser um dos principais artesa\u2dcos
da organizac¸a\u2dco da antropologia no nosso pa´\u131s. A partir dessa e´poca, mas
so´ a partir dela, pode-se considerar que, com o impulso especialmente dos
homens que acabamos de citar, a antropologia francesa entrou em sua maturi-
dade. A partir desse momento, as pesquisas foram prosseguindo, estendendo
o aprofundando-se em um ritmo ininterrupto.
Seria dif´\u131cil, principalmente em algumas frases, caracterizar os desenvolvi-
mentos propriamente contempora\u2c6neos dessa pesquisa francesa, cuja riqueza
na\u2dco tem mais nada a invejar dos Estados Unidos ou da Inglaterra. Lembre-
mos apenas aqui alguns aspectos relevantes:
\u2022 as preocupac¸o\u2dces teo´ricas dos antropo´logos franceses que aparecem par-
ticularmente quando confrontamos seus trabalhos (e debates) a` pra´tica
da antropologia anglo-saxo\u2c6nica, frequ¨entemente mais emp´\u131rica;
\u2022 um objeto de predilec¸a\u2dco que e´ o estudo dos sistemas de \u201drepresentac¸o\u2dces\u201d
3Clozel e Delafosse estudaram no in´\u131cio do se´culo o sistema jur´\u131dico das populac¸o\u2dces
do Suda\u2dco. O segundo se tornou professor na Escola Colonial. diretor da Revue
d\u2019Ethnographie e co-fundador do Institu´\u131 d\u2019Ethno-logie de Paris (1924). Publicou notada-
mente Les Noirs de 1\u2019Afrique e L\u2019Ame Ne`gre (1922). Entre os pioneiros desse africanismo
france\u2c6s principiante, conve´m lembrar os noves de Tauxier, Monteil, Labouret, que sa\u2dco
administradores coloniais eruditos, e sobretudo ]unod, missiona´rio da Su´\u131c¸a romanche
80 CAPI´TULO 6. INTRODUC¸A\u2dcO:
(particularmente a religia\u2dco, a mitologia, a literatura de tradic¸a\u2dco oral),
termos que devemos a Dur-kheim, enquanto Le´vy-Bruhl ja´ se interes-
sava pelo que chamava de \u201dmentalidades\u201d;
\u2022 uma renovac¸a\u2dco metodolo´gica, com o impulso especialmente:
1) do estruturalismo (do qual Le´vi-Strauss e´ evidentemente o representante
mais ilustre),
2) de pesquisas conduzidas dentro da perspectiva do marxismo;
\u2022 um crescimento muito recente, mas apoiado em uma so´lida tradic¸a\u2dco, da
etnografia, da museografia e da etnologia da pro´pria sociedade francesa,
em suas diversidades e mutac¸o\u2dces.
6.3 Os Cinco Po´los Teo´ricos Do Pensamento
Antropolo´gico Contempora\u2c6neo
Uma terceira via detera´ mais nossa atenc¸a\u2dco. E´ para essa que finalmente
optaremos, e e´ a partir dela que se organizara´ a segunda parte desse li-
vro. Pareceu-nos que, desde sua conslituic¸a\u2dco enquanto disciplina de vocac¸a\u2dco
cient´\u131fica,4 a antropologia oscila entre va´rios po´los teo´ricos que aparecem
frequ¨entemente como exclusivos uns dos outros, mas sa\u2dco de fato pontos de
vista diferentes sobre a mesma realidade.
Tentaremos, portanto, dar conta do desenvolvimento contempora\u2c6neo da an-
tropologia, na\u2dco nos colocando mais do lado dos territo´rios particulares (ter-
rito´rios tema´ticos como a antropologia econo\u2c6mica, a antropologia religiosa, a
antropologia urbana), nem do lado das colorac¸o\u2dces nacionais, explicativas das
tende\u2c6ncias culturais da pra´tica dos pesquisadores, mas do lado dos me´todos
de investigac¸a\u2dco.
A pluralidade dos modelos mobilizados e utilizados na\u2dco tem, a