Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf
244 pág.

Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf


DisciplinaEmpreendedorismo38.482 materiais495.310 seguidores
Pré-visualização50 páginas
d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
44
» serviços associados ao produto, como suporte a projeto, assis-
tência técnica, crédito, entre outros;
» alavancagem financeira e operacional;
» relacionamento com a matriz e com instituições governamentais.
Uma contribuição importante de Kotler (1991), ao analisar os 
aspectos da competitividade em produtos e serviços, foi consi-
derar o valor fornecido ao consumidor como sendo a diferença 
entre o valor percebido pelo consumidor e o preço pago por ele. 
O valor percebido pelo cliente compreende aspectos que agregam 
maior valor tanto ao produto como ao serviço (padronização, 
velocidade, aparência, assistência técnica etc.). Já o preço abrange, 
além do valor monetário pago pelo consumidor, também outros 
aspectos que devem ser minimizados, como custos de tempo, 
energia e desgaste psicológico.
Destaca-se, hoje em dia, como fator de diferenciação da orga-
nização, o tempo ou a velocidade de adaptação às circunstâncias 
mutáveis do meio ambiente. Desse modo, passa a ser decisivo 
para a competitividade, na maior parte das atividades, a rapi-
dez de adaptação às solicitações do mercado e às estratégias da 
concorrência.
A flexibilidade da organização, a sua capacidade de fornecer 
respostas mais rápidas e a adequação de suas soluções às novas 
exigências dos clientes requerem formas estruturais mais ágeis e 
pessoal melhor capacitado. Segundo Ricart (1996, p. 147),
todas estas mudanças modificam as demandas de habilidades 
e conhecimentos que requerem as empresas. Conhecimentos 
e habilidades se convertem em um elemento-chave para com-
petir na \u201cera do conhecimento\u201d. As empresas localizar-se-ão 
onde tenham mais facilidade de acesso a este conhecimento, ao 
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
45
mesmo tempo em que direcionarão suas políticas de recursos 
humanos para a adequada localização destes recursos escassos 
[...].
Constatamos que, para um ambiente estável, as tarefas na orga-
nização seguem um esquema mais padronizado, as competências 
e habilidades têm contornos mais definidos e, portanto, podemos 
procurar um desenvolvimento ótimo por meio de uma estrutu-
ra funcional. Em ambientes mais turbulentos, as necessidades 
dirigem a organização para estruturas mais planas e flexíveis. 
As tarefas estão pouco definidas para que os funcionários sejam 
mais criativos, proativos e desenvolvam maiores habilidades para 
solucionar problemas. Em contrapartida, os dirigentes e gerentes 
devem prover seus colaboradores de maior e melhor informa-
ção, conhecimento e poder de decisão nos postos subalternos da 
empresa. 
domínio do ConheCimento 
orGAniZACionAL
As organizações de base tecnológica necessitam, além do expos-
to anteriormente, diferenciarem-se por seus conhecimentos 
essenciais. O domínio de conhecimentos constitui fator compe-
titivo chave, de acordo com a análise feita por Polanyi, citado por 
Jonhson e Lundvall (2003, p. 156-162, tradução nossa):
especialmente a inovação se inicia no sistema de produção, 
pelo fato de que as partes importantes da base de conheci-
mento são tácitas, e provêm da \u201crotina-base\u201d do \u201c learning by 
doing\u201d, \u2013 do uso e interação \u2013 e não necessariamente das ativi-
dades de pesquisa ligadas propriamente à ciência e tecnologia.
[...]
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
46
A vantagem competitiva de uma empresa está enraizada em um 
conjunto de competências que não são facilmente imitadas pelos 
seus concorrentes. Os elementos do conhecimento tácito coletivo 
são assim o núcleo da competitividade da organização.
Assim que um conhecimento é explicitado e socializado na 
organização, tornando-se domínio de ciência base, ele possibi-
lita o desenvolvimento de competências essenciais e se transfor-
ma em fator gerador de inovação. O diferencial competitivo se 
dá, sobretudo, pela base de ciência e tecnologia que dominamos 
e não tanto em termos de produtos ou serviços oferecidos que li-
deram o mercado. O que garante a capacidade de inovação são as 
competências de conhecimento, que são as bases para criar servi-
ços e produtos, bem como as tecnologias para atender as necessi-
dades e resolver os problemas dos clientes.
Os autores Nonaka e Takeuchi (1997) têm em conta esse fato 
quando afirmam que o sucesso de empresas como a Honda, a 
Matsushita, a Kao etc., dá-se pela habilidade em encontrarem 
formas novas de gestão, que levam a aumentar a capacidade de 
geração de conhecimento organizacional. 
Para ilustrarmos nosso estudo, vejamos a seguir um estudo 
de caso, plenamente atual, que nos mostra o envolvimento das 
pessoas nos objetivos da organização. Veremos como essa atitude 
provoca maior interação e sinergia entre os trabalhadores, atin-
gindo resultados, muitas vezes, surpreendentes. 
O estudo de caso exige alguns cuidados, por isso sugerimos a 
você que adote a seguinte metodologia:
a) Leitura ativa e aprofundada: empregar a técnica do grifo, 
destacando as palavras-chave.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
47
b) escutar: fazer perguntas sobre esse mesmo texto para saber 
a opinião de outros companheiros. Essa prática enriquece 
a visão pessoal.
c) debater: o debate reveste-se de uma sustentação de opiniões 
e as testam quanto à sua validade no confronto com outras 
visões ou opiniões. Pode também ajudar a reformular as 
próprias convicções e a aprender socialmente. 
d) escrever: empregue a técnica do resumo, do esquema ou 
dos mapas conceituais, aplicado-a ao texto lido e às posi-
ções debatidas em equipe.
e) pensar: procure, a partir dos elementos que obtiveram ao 
longo do processo, estabelecer alguns itens aplicáveis à 
vida do seu trabalho e ao seu dia a dia. Essa etapa visa ao 
desenvolvimento do profissional reflexivo (aplicar e refletir 
sobre os resultados).
eStudo de CASo
AS VANTAGENS DA ORGANIzAçãO INTELIGENTE
A burocracia gera respostas simplistas e tacanhas em uma era 
em que prever as interligações e lidar com as implicações a lon-
go prazo é \u2013 e continuará sendo \u2013 uma condição para a sobre-
vivência. A mudança global continua se acelerando, impelida 
pela expansão da tecnologia e das comunicações
Alexandro
Alexandro fez um comentário
Bom dia Paulo, por favor poderia me enviar o livro em pdf. obrigado
1 aprovações
Jefferson
Jefferson fez um comentário
Oi Tem como enviar por email ? Vc tem esse livro?? Desde ja agradeco
1 aprovações
Carregar mais