Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf
244 pág.

Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf


DisciplinaEmpreendedorismo38.384 materiais493.612 seguidores
Pré-visualização50 páginas
à sabedoria armazenada por nossos antepassados: 
Sêneca, um grande pensador, costumava dizer que \u201cpara um 
barco sem rumo não há ventos favoráveis\u201d. 
A definição do negócio, da missão e dos objetivos é prévia a 
qualquer trabalho. Essa reflexão é importante para todos que 
estão se formando na área administrativa e desenvolvendo a sua 
capacidade de empreender.
Os objetivos que vamos detalhar a seguir servem como referên-
cias ou guias. Assim como as estradas asfaltadas, eles permitem 
certa segurança na viagem. No entanto, não devemos esquecer 
que a estrada não supre as deficiências do automóvel!
oBjetiVoS de mArkEting
A decisão-chave está no consumidor: quem é, a quem se dirige, 
onde ele está, quais são os seus hábitos etc. É preciso estabelecer 
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
93
qual é o segmento de mercado e se posicionar. Um bom conselho 
é que \u201co posicionamento no mercado que se deve ter como alvo 
não é o máximo, mas sim o ótimo\u201d (Drucker, 2002, p. 46).
oBjetiVoS de inoVAção
O processo de inovação só acontece quando há a influência e 
aceitação do mercado para que sejam geradas riquezas. Portanto, 
não se pode dizer que inovação tem o mesmo significado de 
invenção. \u201cA inovação pode ser definida como a tarefa que dota 
os recursos humanos e materiais de novas e maiores capacidades 
para produzir riquezas\u201d(Drucker, 2002, p. 37). Os empresários têm 
uma missão bem definida, que é a de converter as necessidades de 
tipo social em oportunidades para gerar serviços e produtos que 
criem riquezas, isto é, que agreguem valor à sociedade. 
Como a inovação tem sido fator-chave para a sobrevivência das 
organizações, quando formos definir os objetivos de inovação, 
devemos pensar, ainda de acordo com Drucker (2002, p. 46), em 
três possíveis áreas de ataque:
 » inovação no produto ou serviço;
 » inovação na localização de mercado e comportamento e 
valores de clientes;
 » inovação nas diversas habilidades e atividades para produzir 
os produtos e serviços e trazê-los ao mercado.
oBjetiVoS de reCurSoS
Materiais, trabalho e capital são recursos necessários para qual- 
quer tipo de organização. Uma organização bem-sucedida precisa 
atrair esses recursos, senão estará fadada ao fracasso. Para isso, é 
preciso uma estratégia de trabalho.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
94
oBjetiVoS de produtiVidAde
A pergunta-chave é: Qual 
o rendimento/desempenho 
na utilização dos recursos 
empregados? Todos nós sa-
bemos que é preciso definir 
níveis de desempenho e 
resultados esperados para 
cada um dos recursos utili-
zados. Quando não há indi-
cadores objetivos e eles não estão alinhados à finalidade, à missão 
e ao negócio, nada funciona de acordo e pode haver a ruína do 
empreendimento.
oBjetiVoS de reSponSABiLidAde SoCiAL
A organização tem uma função social primordial: sua missão 
coo pera para a construção da sociedade. Ela define com liber-
dade suas operações e atividades, mas não pode estar alheia aos 
âmbitos de responsabilidade (não se trata de graus de importân-
cia, mas de necessidade de dar atenção, julgando caso a caso). 
Num primeiro âmbito de responsabilidade estão os impac-
tos sociais e ambientais que influenciam a vida das pessoas: 
funcionários, acionistas, consumidores e fornecedores. Já num 
segundo âmbito de responsabilidade, estão os impactos sociais e 
 ambientais, que envolvem a comunidade, os governos locais e o 
meio ambiente circundante.
A organização, para se desenvolver em relação à sua respon-
sabilidade social, deve levar em conta os objetivos referentes aos 
impactos mais imediatos, em que, além dos aspectos econômi-
cos/financeiros, estão a saúde, a higiene do local de trabalho, a 
\u201cSem os objetivos 
de produtividade, 
uma empresa não 
terá direcionamento. 
Sem as medições da 
produtividade, ela 
não terá controle\u201d 
(Drucker, 2002, p. 48).
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
95
segurança, o treinamento e o desenvolvimento de pessoal, o cum-
primento das normas ambientais, a utilização de materiais que 
minimizam os efeitos poluentes, bem como desenvolvimento de 
produtos e serviços que tenham como base os critérios de desen-
volvimento sustentável, entre outros.
níVeL de LuCro
Para a empresa comercial, o lucro 
é necessário, pois garante os obje- 
tivos definidos para as diversas 
áreas. O lucro é o azeite que faz 
funcionar toda a engrenagem, é 
uma questão de sobrevivência, 
uma vez que a organização só 
será socialmente responsável se 
conseguir manter-se e crescer ao 
longo do tempo, criando rique-
zas para todos os que dependem 
dela.
SínteSe
Neste capítulo, discutimos sobre a necessidade de focar as ativi-
dades da empresa para atender as necessidades dos consumido-
res. Essa deve ser a primeira preocupação para definir tanto o 
potencial de mercado quanto o potencial empreendedor, isto é, a 
capacidade de atender a demanda presumida, avaliando a exten-
são e as possibilidades de futuro de um determinado produto ou 
serviço.
A partir da utilidade para os clientes, é preciso desenhar o 
negócio com os atributos ou características que atendam os 
O planejamento 
do lucro \u201cdeve ser 
um planejamento 
para a mínima 
rentabilidade 
necessária e não 
aquela sanha 
sem sentido da 
\u2018maximização\u2019 
da rentabilidade\u201d 
(Drucker, 2002, 
p. 48).
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
96
usuários/consumidores. Peter Drucker estabeleceu sete áreas 
para a definição de objetivos dos negócios, tendo dois como 
mais importantes: os objetivos de marketing e os de inovação. O 
marketing se responsabiliza pela manutenção e busca de novos 
consumidores. A condição de sustentabilidade do negócio está na 
sua capacidade de ser útil aos clientes e eles pagam pelo que se ofe-
rece de atributos que resolvem problemas. Estão dispostos a pagar 
por todos os elementos que melhorem
Alexandro
Alexandro fez um comentário
Bom dia Paulo, por favor poderia me enviar o livro em pdf. obrigado
1 aprovações
Jefferson
Jefferson fez um comentário
Oi Tem como enviar por email ? Vc tem esse livro?? Desde ja agradeco
1 aprovações
Carregar mais