Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf
244 pág.

Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf


DisciplinaEmpreendedorismo38.284 materiais492.909 seguidores
Pré-visualização50 páginas
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
102
Quando falamos em criatividade em uma empresa, estamos 
nos referindo à faculdade de tomar as práticas vivenciadas (passa- 
do), os conhecimentos e as percepções do momento presente, 
para associar, selecionar, reestruturar e transformar todo esse vo-
lume de informações em combinações singulares que produzirão 
efeitos diferentes e inovadores para todo o meio interno e externo.
Ao inserirmos o processo criativo no âmbito de uma empresa, 
é necessário que sejam descartados alguns conceitos e preconcei-
tos, como o de que, para se ser criativo , é necessário ter um dom 
ou talento natural. Todos têm condições de desenvolver habilida-
des criativas em seu próprio contexto. 
CompetênCiAS CriAdorAS 
e inoVAdorAS
Em relação à criatividade, é impor-
tante ressaltarmos que os processos 
de aprendizagem são nossos alia-
dos, uma vez que se empenham no 
sentido de desenvolver a quantida-
de e a qualidade das ideias, além de 
melhorar a capacidade de persua-
são e de iniciativa dos indivíduos. 
Somam-se a isso os programas de 
desenvolvimento de pessoas (quan-
do confiáveis ou sérios), que têm 
como característica colaborar para o crescimento do potencial de 
liderança, comunicação e confiança. 
Esse cenário está em estreita ligação com a crescente demanda 
por profissionais criativos e inovadores, fatores imprescindíveis 
para qualquer organização. E, quando nos referimos a esses dois 
Existe uma 
demanda forte 
por pessoas 
criativas e 
inovadoras nas 
organizações. 
Isso ocorre não 
só em posições de 
direção, mas em 
todos os níveis. Nenh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
103
atributos, não estamos pensando apenas naqueles que ocupam 
posições de direção, mas sim em todos, em todas as escalas de 
atuação. Aliás, o que observamos é uma procura por \u201ctalentos 
médios\u201d com capacidade criativa desenvolvida, uma vez que o tra-
balho repetitivo entra em extinção à medida que cede lugar para 
as tecnologias. Sobre essa realidade, é bastante elucidativa a fala 
do senador Cristovam Buarque (2007), quando ele declarou que:
o mundo mudou, de tal maneira que, hoje, o desenvolvimento 
não gera emprego suficiente e, quando gera, serve para quem 
tem formação. [...] Não é mais tempo de operário. Hoje, o prole-
tariado não é mais a categoria que era. É tempo de operadores 
com os dedos. Eram os braços que produziam, passaram a ser as 
mãos e, hoje, são os dedos que apertam digitalmente as coisas 
para que o mundo mude. Bastam os dedos, não mais a força 
das mãos ou dos braços! Só que há uma diferença: para usar os 
dedos, é preciso formação intelectual qualificada. É a formação, 
é a educação que é capaz de fazer com que as pessoas tenham 
um emprego de operadores, já que poucos serão os empregos de 
operariado.
Essas afirmações e análises são, 
na verdade, fruto da constatação 
de que existem muitas mudanças, 
em espaços cada vez mais curtos 
de tempo, em todos os produtos 
e necessidades. Basta observar a 
vida curta daqueles aparelhos e 
serviços que usamos, como celu-
lares, por exemplo.
O que parece 
inegável é que o 
momento requer 
criatividade e 
inovação. Isso bem 
o sabem os que 
têm a função de 
coordenar equipes.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
104
Há uma correlação direta entre 
aqueles identificados como profissio-
nais competentes e o seu nível alta-
mente significativo de criatividade.
As pessoas criativas cultivam o 
pensamento produtivo, buscam as 
soluções para os problemas, enxergam 
novas saídas, identi fi cam e atendem 
novas necessidades etc. 
Constatamos, por mais óbvio que possa parecer, que somente 
as pessoas que têm um significado para a vida e para o seu traba-
lho é que são criativas. Mesmo no caso de talentos modestos em 
criatividade, conseguem grandes resultados com seu entusiasmo 
profissional, pois a motivação pessoal acaba sendo o diferencial 
da pessoa criativa.
LiderAnçA e CriAtiVidAde
Considerando que são as dificuldades que ocasionam as transfor-
ma ções necessárias para uma empresa desenvolver a sua fortaleza 
organizacional, este, ou 
seja, o momento atual (pri-
meiras décadas do século 
XXI), traz consigo a opor-
tunidade para que elas se 
desenvolvam com solidez. 
Não que estejamos fazen-
do apologia das dificulda-
Precisamos 
trabalhar com 
pessoas que 
olham para o 
futuro e sabem 
que o melhor 
está ainda por 
fazer.
O empreendedor precisa 
ter uma visão clara das 
circunstâncias mutáveis 
e competitivas que 
o mercado vivencia, 
para que, então, possa 
enfrentá-las. 
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
105
des, mas também não devemos fazer a da lamentação, embora, é cla-
ro, se a dificuldade for por demais constrangedora para os processos, 
com certeza levará ao fracasso dos propósitos da organização. 
Nesse contexto, é necessário que seja dito que nem só de mu-
danças vivem as empresas, embora as modificações internas 
ocorram constantemente por fatores que já vimos, como as con-
dições de mutação do mercado, a vida fugaz de produtos e servi-
ços. Existem também estruturas a serem preservadas, o que fun-
ciona não precisa e nem deve ser modificado. No entanto, aquilo 
que se torna obsoleto, necessariamente, deve ser descartado para 
o bem da saúde da empresa.
Muitas vezes descartado, mas cuja ausência provoca um gran-
de dano ao meio interno e ao entorno, são os valores éticos. Esse é 
um elemento permanente nas instituições ou deve ria ser. Nenhu-
ma inovação ou criação o substituiu a contento. Os valores são os 
princípios diretores para a tomada de decisão dentro da empresa; 
no rol dos que são compartilhados entre os colaboradores da em-
presa existem os de caráter mais estratégico, como a orientação 
para resultados, a qualidade tecnológica, a inovação, entre outros. 
No entanto, há valores que implicam a ética, como o respeito às 
pessoas, a integridade nos negócios, a responsabilidade social. 
Esses valores devem nortear todas as decisões, mesmo as de cará-
ter mais estratégico.
Alexandro
Alexandro fez um comentário
Bom dia Paulo, por favor poderia me enviar o livro em pdf. obrigado
1 aprovações
Jefferson
Jefferson fez um comentário
Oi Tem como enviar por email ? Vc tem esse livro?? Desde ja agradeco
1 aprovações
Carregar mais