Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf
244 pág.

Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf


DisciplinaEmpreendedorismo38.935 materiais504.973 seguidores
Pré-visualização50 páginas
inclui as seguintes ações: desenvolver conceitos 
(3), identificar riscos (4), procurar experiências similares (5), re-
duzir riscos (6), avaliar o potencial de lucro e crescimento (7) e 
definir as estratégias competitivas (8). A terceira fase (implantar o 
empreendimento) consiste em elaborar plano de negócio (9) e 
operacionalizar o negócio (10). 
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
148
fiGurA 7.1 \u2013 etApAS dA CriAção 
de um neGóCio próprio 
1. Identificar 
oportunidades
2. Coletar
informações
3. Desenvolver
conceitos
4. Identificar 
riscos
5. Procurar 
experiências similares
6. Reduzir 
riscos
7. Avaliar potencial de 
lucro e crescimento
8. Definir estratégias 
competitivas
9. Elaborar plano 
de negócio
10. Operacionalizar 
o negócio
Curto- 
circuito 
criativo
1. Identificar a oportunidade 
do negócio
3. Implantar o empreendimento
2. Desenvolver o conceito do negócio
Fonte: Degen, 1989.
Abordaremos aspectos que permitem uma análise conjunta dos 
itens 3 a 6 do curto-circuito criativo para, ao identificar riscos, pro-
curar experiências similares e reduzir os riscos do novo negócio. 
Os mais importantes destacamos como: a sazonalidade, os efeitos 
da situação econômica, o controle governamental, a dependência 
de elementos de disponibilidade e o custo incerto, o ciclo de vida 
do setor \u2013 expansão, estagnação ou retração, lucratividade \u2013, as 
mudanças que estão ocorrendo no setor, os efeitos da evolução 
tecnológica, o grau de imunidade à concorrência, a atração pessoal 
(intangíveis) e as barreiras à entrada.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
149
Esses fatores servem, de acordo com Degen (1989), como bali-
zas para a coleta de dados e para estabelecer os parâmetros-chave 
da análise. O peso a cada um desses fatores irá determinar o tipo 
de empreendimento que vamos iniciar, reencaminhar ou inovar.
pArA SABer mAiS
LUDWIG, W. Criatividade versus inovação. Disponível em: 
<http://www.youtube.com/watch?v=gDJkbsfT55w&feature=Play 
List&p=6DB4550ADFC57A41&index=0>. Acesso em: 14 out. 2010.
Enriqueça seu conhecimento assistindo ao vídeo de Waldez 
Ludwig, no qual ele fala sobre o que é criatividade e inovação.
deSenVoLVer ConCeitoS
O desenvolvimento de conceitos de produtos e serviços consiste 
na definição de uma proposta de valor a ser oferecida ao cliente. 
De acordo com González-Alorda (2010), os negócios podem se 
posicionar de acordo com os quadrantes definidos pelo cruza-
mento de colunas e linhas conforme o Quadro 7.1, relacionan-
do as duas colunas para negócios com regras do jogo estáveis 
e instáveis, em que as regras de jogo de mercado, tecnologia e 
regulação estatal demandam maior ou menor atenção em virtude 
da variabilidade ambiental. As duas linhas do quadro referem-se 
à competição alta ou baixa no setor em que se pretende desen-
volver o negócio. Competição alta não significa que haja um 
grande número de competidores, basta que haja um ou dois se-
jam suficientes para criar dificuldades para a permanência ou a 
entrada de um novo fornecedor.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
150
QuAdro 7.1 \u2013 eStrAtéGiAS de propoStA de VALor
regras do jogo 
estáveis
regras do jogo 
instáveis
Competição alta Resultados Inovação
Competição baixa Custos Processos
O quadro auxilia saber qual deve ser a proposta de valor a ser 
empregada em quatro casos distintos: regras do jogo estáveis e 
competitividade alta, isto é, se as tecnologias envolvidas não estão 
sofrendo mudanças significativas, se a regulação de mercado 
se mantém constante, se a demanda mantém-se estável. Nesse 
caso, é necessário um posicionamento voltado para a melhoria 
dos resultados em relação aos competidores em todas as áreas de 
objetivos, como já estudados no capítulo 4. No quadrante para 
as regras de jogo estáveis e competição baixa, o foco permanece 
dentro da própria empresa, pois se trata de uma tarefa de dimi-
nuição de custos. 
Para competição baixa e regras instáveis, a preocupação do 
empreendedor deve se voltar à melhoria dos processos em toda 
a cadeia de valor da empresa, nos processos de fabricação, de 
logística, de marketing, de força de vendas, de atendimento ao 
cliente etc.
A maior parte dos negócios atualmente está na condição 
de competição alta e concomitantemente com regras do jogo 
bastante mutáveis. Assim, o posicionamento da empresa deve 
ser de inovação. Sugerimos a atenção, portanto, em definir os 
atributos de valor fornecidos aos clientes. Vale à pena pensar de 
acordo com a teoria da seleção das espécies de Darwin: não são 
os animais mais inteligentes ou mais fortes que sobrevivem, mas 
aqueles que melhor se adaptam às mudanças. O mercado pede 
flexibilidade de posicionamento do empreendedor.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
151
O mercado está crescendo em dois extremos: o de propostas 
simples e o de produtos e serviços sofisticados, de acordo com 
Gonzáles-Alorda (2010). Os estudos têm mostrado que o único 
mercado que não cresce é o médio, o de preços médios com pro-
posições de valor médias \u2013 middle market. Somente os dois extre-
mos é que têm demandas crescentes, como mostra o gráfico no 
frills market, ou o mercado do simples, e o high-end market, que 
é o mercado sofisticado. A curva em linha vermelha refere-se à 
demanda e a curva em linha preta à oferta. A oferta nas posições 
intermediárias corresponde a não diferenciação de produtos e 
serviços que se transformam em commodities.
GráfiCo 7.1 \u2013 CurVA de VALor
No frills 
market
High-end 
market
Middle 
market
Demanda
Fonte: Adapatdo de Gonzáles-Alorda, 2010.
Kim e Mauborgne (2005) sugerem a aplicação de um modelo 
de quatro ações (Figura 7.3) que pode ser empregado por meio 
da sequência Race \u2013 isto é, reduzir, aumentar, criar e eliminar \u2013 
aplicável aos atributos que estão associados aos produtos e servi-
Alexandro
Alexandro fez um comentário
Bom dia Paulo, por favor poderia me enviar o livro em pdf. obrigado
1 aprovações
Jefferson
Jefferson fez um comentário
Oi Tem como enviar por email ? Vc tem esse livro?? Desde ja agradeco
1 aprovações
Carregar mais