Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf
244 pág.

Empreendedorismo-Paulo-Sertek-pdf


DisciplinaEmpreendedorismo38.575 materiais497.684 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
176
proposições simples e as de maior sofisticação. Contudo, os ne-
gócios não diferenciados, que se encontram em posição interme-
diária, não apresentam crescimento de demanda. Nesse caso, há 
muita oferta de produtos e serviços e o mercado está muito satura-
do. Produtos e serviços não diferenciados transformam-se rapida-
mente em commodities.
A abordagem de Kim e Mauborgne da Estratégia de Oceano 
Azul baseia-se no conceito de inovação de valor, que corresponde 
ao fornecimento de uma inovação que não precisa ser tecnológica. 
Porém, posiciona muito bem os atributos de valor do negócio, de 
modo a oferecer maior valor agregado aos consumidores a preços 
mais em conta ou com minimização de impactos nos custos. Essa 
abordagem foi denominada de Estratégia do Oceano Azul, pois 
busca oceanos distantes dos vermelhos \u2013 ensanguentados \u2013 pela 
luta frontal da concorrência. Ela visa ao mercado novo, aos não 
consumidores, sempre que possível.
Aplica-se para o desenvolvimento de conceitos de negócios a 
construção da curva de valor, representação gráfica qualitativa 
em que se associa para cada atributo de valor do produto/serviço 
um valor de oferta aos consumidores a níveis baixo, médio ou 
alto. A curva de valor tem função de dar clareza à transmissão do 
conceito do negócio e permite que o empreendedor não se disper-
se com uma mensagem pouco clara aos clientes.
O nascimento de uma curva de valor ocorre por meio das 
pesquisas que levam a transformar as necessidades em oportuni-
dades de negócio e estes, por sua vez, em conceito de atendimento 
de necessidades. O cliente não compra um produto ou serviço 
pelo o que ele é, e sim por aquilo que o produto faz por ele, pela 
utilidade que ele tem. 
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
177
O empreendedor é um especialista em se antecipar às dificul-
dades. Ele não assume os riscos, mas os identifica, os categoriza 
e sabe tomar a decisão certa para minimizá-los. Como exemplo 
de riscos, estudamos a sazonalidade, os efeitos da situação econô-
mica, o controle governamental, a dependência de elementos de 
disponibilidade e custo incerto, o ciclo de vida do setor, a lucrati-
vidade do negócio, mudanças no setor e as tecnologias envolvidas 
e o grau de imunidade à concorrência.
No final do capítulo, verificamos a necessidade de se procurar 
aprender com as experiências similares, a fim de reduzir os riscos. 
Dedicamos alguns parágrafos a lembrar o leitor sobre a virtude da 
prudência, que exige o aprimoramento de três etapas: deliberação, 
conhecer critérios de tomada de decisão para julgar bem em cada 
caso e a capacidade de implementar o que se julgou melhor.
QueStõeS pArA reViSão
1. Que aspectos devemos levar em conta ao coletar dados para a 
tomada de decisão sobre um novo negócio?
2. Como avaliar um setor para implantar os produtos e serviços 
que queremos fornecer?
3. Assinale a alternativa incorreta. São riscos para um possível 
negócio:
a) problemas de ordem pessoal, como falta de conhecimento 
e gosto pela atividade.
b) não ter a capacidade administrativa, técnica e mercadoló-
gica que o negócio exige.
c) não dispor de recursos financeiros necessários para a reali-
zação do empreendimento.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
178
d) não adianta prever os riscos, pois são inevitáveis.
e) correspondem aos itens indicados em a, b e c.
para as questões 4 e 5, você deve assinalar a resposta incorreta.
4. Quais as estratégias genéricas que uma empresa pode utilizar, 
separadamente ou em conjunto, para competir nos mercados?
a) Liderança em custos, diferenciação e foco.
b) Liderança em controle, aplicação e marketing.
c) Liderança em fornecimento, análise e motivação.
d) Liderança tecnológica, viabilidade e treinamento.
e) Nenhuma das alternativas anteriores.
5. O que é a curva em S?
a) Representa o avanço do ciclo de amadurecimento até a 
extinção do produto ou serviço.
b) Análise dos custos para a melhoria continuada.
c) Aplicação da ISO 9.000.
d) Um processo da qualidade total.
e) O mesmo que 5 S.
QueStão pArA refLexão
Leia o texto Exploração das oportunidades de negócios e indique 
as providências mais importantes a partir do texto.
SEBRAE/SP \u2013 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas 
Empresas \u2013 São Paulo. exploração das oportunidades de negó- 
cios. Disponível em: <http://www.sebraesp.com.br/midiateca/
pu bl ic a c o e s /a r t i go s /m a rk e t i n g _ve nd a s /e x plor a c a o _
oportunidades_negocios>. Acesso em: 27 ago. 2010.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
Conteúdos do capítulo
 » Avaliação do potencial de lucro e crescimento;
 » Oferta e demanda.
Após o estudo deste capítulo, você será capaz de:
1. definir a posição do novo negócio no mercado;
2. avaliar o grau de demanda do negócio.
fAtoreS A Serem 
ConSiderAdoS nA 
eSCoLhA do produto/
SerViço: SeGundA pArte
Ne
nh
um
a p
ar
te 
de
sta
 pu
bli
ca
çã
o p
od
er
á s
er
 re
pr
od
uz
ida
 po
r q
ua
lqu
er
 m
eio
 ou
 fo
rm
a s
em
 a 
pr
év
ia 
au
tor
iza
çã
o d
a E
dit
or
a I
bp
ex
. A
 vi
ola
çã
o d
os
 di
re
ito
s a
uto
ra
is 
é c
rim
e e
sta
be
lec
ido
 na
 Le
i n
º 9
.61
0/1
99
8 e
 pu
nid
o p
elo
 ar
t. 1
84
 do
 C
ód
igo
 P
en
al.
Neste capítulo, vamos continuar nossos estudos seguindo a 
sequência de itens do curto-circuito criativo para a elaboração 
do plano de negócio. Estudaremos a respeito da avaliação do 
potencial de lucro e crescimento, que corresponde ao item 7 da 
Figura 7.1 (capítulo anterior).
AVALiAção
Alexandro
Alexandro fez um comentário
Bom dia Paulo, por favor poderia me enviar o livro em pdf. obrigado
1 aprovações
Jefferson
Jefferson fez um comentário
Oi Tem como enviar por email ? Vc tem esse livro?? Desde ja agradeco
1 aprovações
Carregar mais