cartilha_trabalhista
48 pág.

cartilha_trabalhista


DisciplinaLegislação Comercial945 materiais3.651 seguidores
Pré-visualização21 páginas
4.923/65 e instituiu o registro permanente de admissões e dispensa de empregados, sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.
É utilizado, ainda, pelo Programa de Seguro-Desemprego, para conferir os dados referentes aos vínculos trabalhistas, além de outros programas sociais.
Um dos objetivos principais desse cadastro é o de informar ao Ministério do Trabalho e Emprego todo estabelecimento que tenha admitido, desligado ou transferido empregado com contrato de trabalho regido pela CLT, ou seja, que tenha efetuado qualquer tipo de movimentação em seu quadro de empregados.
O prazo de entrega é até o dia 7 do mês subseqüente ao mês de referência das informações.
A omissão ou atraso da declaração sujeita o estabelecimento ao recolhimento da multa automática. 
Neste caso, é necessário preencher o Documento de Arrecadação de Receitas Federais - DARF, em duas vias, da seguinte forma: 
Abaixo do campo 01: "Multa Automática Lei n.º 4923/65";No campo 04 (Código da Receita): "2877"; No campo 05 (Número de Referência): "3800165790300843-7"
A multa é calculada de acordo com o tempo de atraso e a quantidade de empregados omitidos.
Para encontrar o período de atraso, iniciar a contagem a partir da data máxima permitida para a postagem das informações, ou seja, o dia 07 do mês subseqüente à movimentação não declarada.
	Período de Atraso
	Valor por Empregado (R$) 
	Até 30 dias
	4,47
	De 31 a 60 dias
	6,70
	Acima de 60 dias
	13,40
Através da Portaria n.º 235 de 14 de março de 2003, ficou estabelecido o procedimento de envio, por meio eletrônico (Internet e Disquete), do CAGED, a partir da competência de março de 2003, com a utilização do Aplicativo do CAGED Informatizado - ACI ou outro aplicativo fornecido pelo Ministério do Trabalho e Emprego - MTE.
O arquivo deverá ser enviado ao MTE via Internet ou entregue em suas Delegacias Regionais do Trabalho e Emprego, Subdelegacias ou Agências de Atendimento. 
A cópia do arquivo, o recibo de entrega e o Extrato da Movimentação Processada, deverão ser mantidos no estabelecimento a que se referem, pelo prazo de 36 meses a contar da data do envio, para fins de comprovação perante a fiscalização trabalhista.
O Extrato da Movimentação Processada estará disponível para impressão, na Internet, após o dia 20 de cada mês no endereço www.mte.gov.br, opção CAGED.
As empresas que possuem mais de um estabelecimento deverão remeter ao MTE arquivos específicos a cada estabelecimento.
30. RAIS \u2013 RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS
A Relação Anual de Informações Sociais \u2013 RAIS - instituída pelo Decreto no 76.900, de 23/12/75, tem por objetivo o suprimento às necessidades de controle da atividade trabalhista no País, e ainda, o provimento de dados para a elaboração de estatísticas do trabalho e a disponibilização de informações do mercado de trabalho às entidades governamentais. 
Os dados coletados pela RAIS constituem expressivos insumos para atendimento das necessidades: 
da legislação da nacionalização do trabalho;
de controle dos registros do FGTS;
dos Sistemas de Arrecadação e de Concessão e Benefícios Previdenciários;
de estudos técnicos de natureza estatística e atuarial;de identificação do trabalhador com direito ao abono salarial PIS/PASEP.
São obrigados a entregar a declaração da RAIS:
inscrito no CNPJ com ou sem empregados - o estabelecimento que não possuiu empregados ou manteve suas atividades paralisadas durante o ano-base está obrigado a entregar a RAIS Negativa;
todos os empregadores, conforme definidos na CLT; 
todas as pessoas jurídicas de direito privado, inclusive as empresas públicas domiciliadas no País, com registro, ou não, nas Juntas Comerciais, no Ministério da Fazenda, nas Secretarias de Finanças ou de Fazenda dos governos estaduais e nos cartórios de registro de pessoa jurídica; 
empresas individuais, inclusive as que não possuem empregados; 
cartórios extrajudiciais e consórcios de empresas; 
empregadores urbanos pessoas físicas (autônomos e profissionais liberais) que mantiveram empregados no ano-base; 
órgãos da administração direta e indireta dos governos federal, estadual ou municipal, inclusive as fundações supervisionadas e entidades criadas por lei, com atribuições de fiscalização do exercício das profissões liberais;
condomínios e sociedades civis; 
empregadores rurais pessoas físicas que mantiveram empregados no ano-base; 
filiais, agências, sucursais, representações ou quaisquer outras formas de entidades vinculadas à pessoa jurídica domiciliada no exterior.
30.1. Declaração da RAIS
A entrega da declaração é obrigatória, o atraso na entrega está sujeito a multa conforme previsto no artigo 25 da Lei n.º 7.998, de 11 de Janeiro de 1990.
A entrega da declaração da RAIS poderá ser feita somente via Internet. Para maiores esclarecimentos sobre outros meios de entrega acesse o site www.rais.gov.br. 
30.2. O que é a RAIS negativa
É a declaração da RAIS, na qual são fornecidos somente os dados cadastrais do estabelecimento, quando o mesmo não teve empregado durante o ano-base.A RAIS de estabelecimentos SEM empregados poderá ser informada mais facilmente por meio da INTERNET, utilizando formulário próprio Declaração de RAIS Negativa. 
Notas: 
I \u2013 Após término do prazo final, a entrega da declaração continua sendo obrigatória, porém está sujeita a multa.
II - Havendo necessidade de retificar as informações prestadas, a entrega da RAIS RETIFICAÇÃO sem incidência de multa, é restrita ao prazo normal. 
31. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL
O artigo 149 da Constituição Federal prevê a Contribuição Sindical, nos seguintes termos: 
"Art. 149 - Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, observado o disposto nos arts. 146, III e 150, I e III, e sem prejuízo do previsto no art. 195, § 6º, relativamente às contribuições a que alude o dispositivo.
Parágrafo único - Os Estados, o Distrito Federal e os municípios poderão instituir contribuição, cobrada de seus servidores, para o custeio, em benefício destes, de sistemas de previdência e assistência social."
31.1. Contribuição Sindical dos Empregados
Os artigos 578 e 579 da CLT prevêem que as contribuições devidas aos sindicatos, pelos que participem das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas pelas referidas entidades, têm a denominação de "Contribuição Sindical".
31.1.1. Filiação - Obrigatoriedade
Ninguém é obrigado a filiar-se a sindicato, mas todas pertencem a uma categoria, tanto que são obrigadas a contribuir anualmente, em virtude disso fazem jus a todos os direitos dispostos na convenção coletiva, inclusive o dissídio. Algumas pessoas utilizam-se da terminologia "imposto sindical" para referir-se a esta obrigatoriedade.
A Contribuição Sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional, ou de uma profissão liberal, em favor do sindicato representativo da mesma categoria ou profissão. Na inexistência dessa categoria, o recolhimento será feito à federação correspondente à mesma categoria econômica ou profissional (artigo 591 da CLT).
31.1.2. Contribuição dos Empregados
A Contribuição Sindical dos empregados será recolhida de uma só vez e corresponderá à remuneração de um dia de trabalho, qualquer que seja a forma de pagamento.
Nos termos do art. 582, § 1º, letras "a" e "b" da CLT, considera-se um dia de trabalho o equivalente a:
a) uma jornada normal de trabalho, se o pagamento ao empregado for feito por unidade de tempo (hora, dia, semana, quinzena ou mês);
b) 1/30 (um trinta avos) da quantia percebida no mês anterior, se a remuneração for paga por tarefa, empreitada ou comissão.
O desconto da contribuição sindical corresponde a um dia normal de trabalho, ou seja, vai ser composta da remuneração que corresponda